Arquivo de setembro, 2014

151
Em todas as edições do Fashion Rio, O Boticário, que organiza o stand Nativa SPA – O Boticário, chama a atenção pelo bom gosto, capricho e apuro de seu décor.
Nesta imagem, podemos ver uma bancada sobre a qual está uma série de “eaux de toilette”, perfumes e colônias, e na parede clara um ornamento franjado com três cores distintas com texturas cintilantes, no caso o azul, o lilás e o vermelho.

Foto: Paulo Ruch

Agradecimento: Coca-Cola Jeans

146
Uma ideia criativa de O Boticário, em seu stand Nativa SPA – O Boticário no Fashion Rio, foi colocar os seus produtos de beleza em compartimentos iluminados na base, de uma rampa estilizada, na qual também havia pedrinhas coloridas, que davam um belo efeito visual à decoração.

Foto: Paulo Ruch

Agradecimento: Coca-Cola Jeans

045
Produtos de beleza de O Boticário, como loções, cremes e hidratantes, em seu stand Nativa SPA – O Boticário”, montado no Fashion Rio, estavam dispostos em compartimentos iluminados de uma rampa sinuosa que servia como decoração e local de amostra dos lançamentos da marca de cosméticos e perfumes.

Foto: Paulo Ruch

Agradecimento: Coca-Cola Jeans

jose-mayer-em-um-violinista-no-telhado-1330726282426_615x300
Foto de divulgação do espetáculo “Um Violinista no Telhado”.

José Mayer foi ao “Programa do Jô”. Cabelos e barba bem vastos em decorrência do musical no qual atua, “Um Violinista no Telhado” (baseado nos contos judaicos de Sholom Aleichem); adaptação de Charles Möeller e Claudio Botelho do sucesso da Broadway, com canções de Jerry Bock e Sheldon Harnick, e coreografias de Jerome Robbins, e que já rendeu filme de Norman Jewison, com Topol, cujo título original é “Fiddler On The Roof”). Com jaquetão, colete e calça escuros, além de camisa social clara, José, com sua bonita voz grave, começa a responder às perguntas que lhe são feitas por Jô Soares. O ator fala que com o espetáculo citado “nunca tinha vivido uma unanimidade tão grande”. O apresentador cita então Zero Mostel, que interpretou na badalada região de teatros de Nova York o leiteiro Tevye, que reside na Rússia czarista na virada do século XIX para o XX com sua família (mulher e cinco filhas). Em seguida, o apresentador brinca com o artista, dizendo-lhe que o seu visual está “sensacional”. José Mayer não perde o senso de humor, e fala que poderia fazer um personagem bíblico, que a aparência sugere um ar “patriarcal”. José Mayer afirma que adora chacoalhar as madeixas, e comenta que estas do jeito que estão parecem ter “um pouco de talento”. Comenta sobre as exigências físicas de se participar de um musical, e compara o profissional deste gênero a um “atleta de ponta”. Agora, é questionado como se deu o convite para protagonizar “Um Violinista no Telhado”. José lembra de uma produção por ele montada, de Catulo da Paixão Cearense (“Um Boêmio no Céu”), em que cantava, que pode ter servido de “degrau” para ter chegado onde está, ou seja, dando vida a Tevye (além de outra peça dirigida por Aderbal Freire-Filho, sobre um Rio de Janeiro “caótico”). O entrevistador lhe indaga como se descobriu ator. É dito que numa aula de declamação. Dá-se o instante no qual fotos do musical são exibidas no telão (fotos de Tevye com familiares, judeus perseguidos na Rússia czarista, que sofriam os chamados “pogroms”). Soraya Ravenle aparece em uma delas, e é elogiada. Quanto ao elenco, são 42 atores/cantores. Quanto à duração, três horas. Voltando ao telão, cenas da novela em que José surge de roupão ao lado das atrizes Natália do Vale e Taís Araújo são veiculadas. Uma hora jocosa. Retornemos à encenação. Como há duas sessões aos sábados, o intérprete compara a primeira como se estivesse no “pé do Himalaia”. Partamos para a ocasião em que Jô Soares menciona o fato em que José Mayer recebeu um telegrama de Procópio Ferreira. Ele conta que fora assistir a um trabalho de Procópio nos palcos, “O Avarento”, de Molière. Antes, o entrevistado tinha produzido uma obra de Leilah Assumpção, “Fala Baixo Senão Eu Grito” (considerado o melhor espetáculo mineiro de 1973). Depois da desistência de um ator da peça, José, o produtor, substituiu-o. E na sua estreia, Procópio Ferreira foi conferir. Procópio gostou. Procópio enviou um telegrama a José. José o emoldurou, e o considera o seu “diploma”. No telegrama, o pai de Bibi Ferreira se refere a José Mayer como “o grande galã”. José não considera o termo “galã” pejorativo. Concordo com ele. E para finalizar, devido à caracterização adotada, o artista em pauta que iria personificar um homem da moda na próxima trama das 21h da Rede Globo, “Fina Estampa”, de Aguinaldo Silva, será um pescador trambiqueiro a partir do capítulo 40. Esperem. Estou ouvindo sons. Sons de violino. Ah, é José Mayer ensaiando para a peça que está para ser apresentada. Afinal, hoje é sábado. O “violinista” José Mayer.

Obs: A entrevista concedida pelo ator José Mayer a Jô Soares em seu programa exibido na Rede Globo, “Programa do Jô”, ocorreu no ano de 2011.

121
Foto: Paulo Ruch

A empresária e consultora de moda Constanza Pascolato, no Fashion Rio Verão 2014/2015, realizado na Marina da Glória.
Constanza nasceu em Siena, Toscana, Itália.
Quando o assunto é moda, imediatamente se pensa em Constanza Pascolato para emitir a sua opinião.
É presença imprescindível nas principais semanas dedicadas a este segmento no Brasil.
Ainda criança veio para o país no qual vive até hoje, acompanhada pelos pais, que fundaram a Tecelagem Santa Constância (o motivo pelo qual a sua família se mudou para o Brasil foram os conflitos da Segunda Guerra Mundial, sendo recebida prontamente por um dos clãs mais tradicionais brasileiros, os Matarazzo).
Terminados os estudos colegiais, tornou-se assistente de artistas, dentre os quais o pintor e desenhista (além de cenógrafo, figurinista, ilustrador e muralista) Clóvis Graciano.
Com seus 15 anos, sagrou-se em Mar del Plata, Argentina, campeã sul-americana de saltos ornamentais.
Sua bem-sucedida carreira profissional se inicia ao ser convidada para assumir as funções de editora e consultora de moda da revista “Claudia”, onde ficou por 17 anos.
Colaborou ainda com o seu vasto conhecimento sobre o tema para outras importantes publicações do setor, como a “Vogue”, além de ter assinado uma coluna no jornal “Folha de São Paulo”.
Devido à morte de seu pai, assumiu a empresa de tecelagem, uma das principais do país no ramo, fornecendo tecidos para estilistas de grande relevância.
Fundou sua própria empresa de consultoria.
Desenhou uma coleção de joias para a H.Stern.
A “papisa da moda” (aposto que lhe foi dado pela jornalista Joyce Pascowitch) foi condecorada como cidadã ilustre do governo italiano com o título de “Commendatore dell’Ordine della Stella”.
Já escreveu três livros: “O Essencial” (1999), “Confidencial: Segredos de Moda, Estilo e Bem-Viver” (2009) e “Meu Caderno de Estampas” (2015).
Constanza Pascolato, ao lado da artista plástica Marilu Beer, em 2014, participou do programa “Constanza & Marilu”, que foi ao ar em episódios no canal de vídeos YouTube (na atração, as amigas, a partir de uma letra, debatiam um tópico que a tivesse como inicial, no entanto a conversa entre ambas poderia ser livre; a direção coube a Paula Trabulsi, que desenvolveu a ideia com a jornalista Mônica Waldvogel, e a direção de fotografia ficou a cargo de Walter Carvalho; o sucesso fez com que a série fosse exibida no canal Discovery Home & Health).
Neste mesmo ano, o site FFW a selecionou para a lista dos 50 brasileiros mais estilosos da moda.

Agradecimento: Coca-Cola Jeans

Obs: Post atualizado em 27/06/2019.

110
O estilista Maxime Perelmuter no Fashion Rio Verão 2014/2015, na Marina da Glória.
Maxime é carioca, e filho do também famoso estilista George Henri.
Adepto do surf e amante da natureza, sempre se interessou por moda, e desde cedo já criou suas primeiras peças que, claro, receberam as influências de seus hábitos e gostos.
Uma de suas admiradoras, e que logo acreditaram em seu talento fora a atriz e modelo Betty Lago.
Sua marca, a British Colony, surgiu em 2000, vencendo o Concurso de Novos Talentos da Semana de Moda do Barra Shopping, no Rio de Janeiro.
Passou a fazer parte oficialmente do evento.
Em 2002, estreou no Fashion Rio, e sua grife ganhou notoriedade nacional.
No ano seguinte, foi a vez da São Paulo Fashion Week, logrando o mesmo êxito.
A British Colony expande seu mercado, direcionando-o para o público feminino.
Integrou o seleto grupo de marcas do projeto “40ºC”, promovido pela rede de lojas de departamentos londrina Selfridges.
Maxime decide então, em 2006, mudar o nome da sua linha de roupas, que passa a se chamar Maxime Perelmuter, que chegou a ter representações em dez capitais e três cidades brasileiras, Nova York, no Soho (na butique Opening Ceremony), na Grécia (na Gallé) e Japão.
No ano passado, o estilista resolveu se lançar em um novo e ousado projeto: atualmente é o diretor criativo e brand manager da marca masculina Addict (do mesmo consórcio que reúne Sacada e Oh, Boy!).

Foto: Paulo Ruch

Agradecimento: Coca-Cola Jeans

1011
O modelo Emanuel Pícoli da Mega Model Brasil (SP) no Fashion Rio Verão 2014/2015, na Marina da Glória.
Emanuel nasceu em Capão da Canoa, RS.
Hoje em São Paulo, já residiu a trabalho tanto na capital da moda Milão quanto em Seul, Coreia do Sul.
Integrou o cast da agência BASE Model Management Kuala Lumpur, na Malásia.
Já participou das duas principais semanas de moda do país: São Paulo Fashion Week (onde desfilou para João Pimenta, Cavalera, Lino Villaventura, Colcci, Ellus e Triton) e Fashion Rio.
No Fashion Rio, em sua edição Verão 2014/2015, desfilou para Coca-Cola Jeans, R. Groove, TNG e 2nd Floor.
Segundo o site FFWMODELS, Emanuel foi um dos destaques do evento carioca.
Esteve no desfile da Lacoste.
Também esteve nas passarelas desfilando para as Havaianas.
Fotografou para Chiara Chiriani, Lucia Moretti, Lucas Menezes, Ricardo Freire, João Arraes, Sergio Caddah e Cristiano Madureira.
Fez campanha para Jil Sander, Vicinal, Dzarm e Dona Santa.
Posou para os sites “Romeo Mag” e “Made in Brazil”.
Fez lookbooks para Xconcept. (Milão) e Alexandre Herchcovitch.
Junto com a modelo Eduarda Ballan, estampou o catálogo exclusivo das lojas Pernambucanas.
Dentre alguns de seus trabalhos mais recentes estão fotos para a KÜHL Magazine (por Hudson Renan), para a Tok&Stok (vestindo a coleção do estilista Amir Slama), campanha para a VR Collezioni, e desfile para a Handred na São Paulo Fashion Week (outubro de 2018).

Foto: Paulo Ruch

Agradecimento: Coca-Cola Jeans

 

Obs: Post atualizado em 14/05/2019