“Léo leva um ‘tapa na cara’ da vida, e está pronto para ‘dar o bote’ novamente. Carmem que se cuide.”

Publicado: 29/04/2012 em TV

5ddf684665ad5f38e9468377941a6ebe
Foto: Divulgação/TV Globo

Autoconfiança é bom? Sim, creio que sim. E excesso de autoconfiança? Não. Por quê? Pois quando há o excesso da mesma, ocorre inevitável embaçamento da visão das limitações de um indivíduo, num sentido geral. É o que observamos com o personagem Léo (diga-se de passagem muito bem construído por Gilberto Braga e Ricardo Linhares, em “Insensato Coração”, e interpretado com convicção por Gabriel Braga Nunes em apropriado retorno às novelas da Rede Globo). O excesso já nos foi mostrado em vários capítulos. Léo acredita movido à tenacidade que os negócios dos quais participará darão certo invariavelmente. E nós, telespectadores, vemos o contrário. Exemplo recente decorrera quando seu pai Raul (Antonio Fagundes) lhe dera mais um crédito de confiança, convidando-o para ser seu único sócio em projeto de soerguimento da sociedade de marketing da família. Léo aceita. Tudo indicava ter se estabelecido. Mas, Léo é aquele tipo de pessoa que não gosta que as coisas estejam estabelecidas. Ele quer mais do que isso. A ganância desmedida o faz meter os pés pelas mãos. Além daquela, a citada autoconfiança, que o fez superfaturar os valores de proposta já quase ganha oferecida à cliente de peso. As características do filho de Wanda (Natália do Vale) lhe provocam até embotamento da inteligência. Resultado: face a tanta decepção, Raul decide recomeçar a vida no Chile, abandonando tudo e todos. E Léo vai para o Rio de Janeiro em busca de oportunidades. As negativas que recebe nas entrevistas de emprego chegam a ser humilhantes. Outro dia, não soube responder sobre termo técnico de mídia (índice de afinidade). O excesso de confiança fez com que tentasse enganar o entrevistador. Em vão, lógico. Leonardo julga que a humanidade é tola. Em ocasião diversa, o intuito era obter posição como subgerente de hotel cinco estrelas (por que não hotel mais simples?). Na apresentação, vangloria-se de que ocupará o cargo, que é fluente em Inglês, e que possui boa aparência. É humilhado. E a maneira como se dá causa incômodo. É aí que entra Carmem (Nívea Maria), mulher solitária que encontrou modo alternativo de espantar a solidão. Em determinada situação em bar, com os olhos bastante atentos para os rapazes de Copacabana, depara-se com Léo, “o homem errado de olhos azuis”. Batem papo. Ela o confunde com aqueles que vivem da noite. Léo desfaz o mal-entendido. Dias se sucedem. E Copacabana, “o bairro que nunca dorme”, entra em cena de novo. Desiludido, vagando pelo famoso calçadão, Léo resolve se sentar na mesa do quiosque de Sueli (Louise Cardoso), e ouve daquela simpática senhora que conheceu no mencionado bar que acabara de receber alta indenização. Isto lhes soa familiar? Carmem é abordada, e Léo joga todo o charme que tem. Diz o nome: Frederico (Fred). Armando ficou no passado. Não para Norma (Glória Pires). Para Norma Pimentel, Armando são presente e futuro. O jovem está pronto para “dar o bote”. Carmem é a “bola da vez”. Pobre Carmem. Também, não foi por falta de aviso da amiga Sueli.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s