Arquivo da categoria ‘TV’

foto-xiii
Foto: Raquel Cunha/Gshow

Já se viu nas primeiras imagens de “O Outro Lado do Paraíso”, a nova novela das 21h da Rede Globo, com direção artística de Mauro Mendonça Filho e geral de André Felipe Binder, que o seu autor, Walcyr Carrasco, com a colaboração de Nelson Nadotti, Vinicius Vianna e Márcio Haiduck, optou por uma renovação, em alguns aspectos, pois seus elementos basilares não foram preteridos, da narrativa folhetinesca. O seu início, sem as tradicionais aberturas, foi semelhante a um filme, com os créditos (nomes dos atores, diretores etc…) surgindo com o desenrolar de uma cena cotidiana da jovem protagonista da história, Clara, interpretada por Bianca Bin, preparando um café na chaleira, somente com os sons ambientes (ao final, apreciamos o lindo resultado do trabalho de abertura dos craques Alexandre Romano, Alexandre Calvet, Roberto Stein e Cristiano Calvet, que será visto nos demais capítulos). Clara, seu pai Jonas (Eucir de Souza) e seu avô Josafá (Lima Duarte) moram juntos num simples casebre numa região imensa e inóspita de um lugar fictício chamado Pedra Santa, no Estado do Tocantins. Eles sobrevivem graças a uma pequena venda gerenciada pelo patriarca. Nesta mesma região quente e agreste, há dez anos, houve um garimpo no qual se procuravam esmeraldas. Segundo Josafá, eram apenas biritas, sem nenhum valor. Mas Jonas está decidido a retomar o garimpo, e com isso, enriquecer, contrariando a sua filha e o seu pai, já que usará explosivos. Um acidente com estes explosivos tira a vida do garimpeiro. A família tem que se reorganizar. Clara é convidada por Mercedes (Fernanda Montenegro), mesmo sem ter muitos estudos, para ser a professora de crianças de um quilombo próximo, o Quilombo da Formiga. Mercedes é uma senhora misteriosa, mística e solitária, capaz de ouvir vozes, canções, gritos e ecos soturnos. A também benzedeira acredita piamente que o mundo irá acabar, e que só Tocantins se salvará, guardando em sua casa provisões de subsistência, como sementes, água e roupas. E livros (a Humanidade precisará deles). Ela crê que os seus objetos em forma de animais ganharão vida, e que seres invisíveis, “eles”, mandam-lhe mensagens. Sensitiva, diz à moça que entrará em uma nova fase. Prevê o aparecimento de uma mulher, e o seu desconhecimento a aflige. No Quilombo da Formiga, Clara conhece Raquel (Érika Januza), que faz artesanato com capim dourado, e reencontra Dr. Renato (Rafael Cardoso), médico de Palmas, capital, que realiza um trabalho de voluntariado com a população carente do local (Renato costumava frequentar a venda de seu avô, e seus olhos azuis demonstraram interesse pelos olhos azuis da neta de Josafá). Enquanto Clara e Renato se entrosam, chega à localidade, vindo de Palmas, pilotando uma moto, o rebelde Gael (Sergio Guizé). Gael quer conhecer um ponto turístico interessante destas paragens. Com a voz doce de Elis Regina cantando “Morro Velho” ao fundo, o motoqueiro cioso por novidades chega ao Campo do Capim Dourado, onde se faz a colheita desta vegetação, e se encanta ao ver Clara brincando com as crianças. A moça que lê “Marcelo Marmelo Martelo” para os seus alunos percebe o olhar encantado do rapaz que usa dois brincos de argolas, sentindo também um certo encanto. Indo para um outro núcleo da trama, na cobertura palaciana no bairro do Flamengo, no Rio de Janeiro, conhecemos Elizabeth (Glória Pires), e sua família. Casada com o diplomata Henrique (Emílio de Melo), ambos têm uma filha, Adriana (Lara Cariello). De origem pobre, nascida no Tocantins, Elizabeth é uma mulher extremamente carente e sozinha. Ressente-se de seu marido se dedicar mais à profissão do que ao lar. Seu sogro, o preconceituoso advogado Natanael (Juca de Oliveira), nunca se conformou com o casamento de seu filho com alguém de um nível social inferior. Após convidar Henrique para ir com ela e a filha para Angra dos Reis, decepciona-se, pois a intenção de seu esposo é ir para Londres a fim de disputar o posto de embaixador que está vago. Natanael se mostra amigo de Beth, mas na verdade está planejando a destruição de seu matrimônio, e para isso contará com uma aliada, a ex-namorada de Henrique, agora amiga, Jô (Bárbara Paz), que está falida financeiramente. Em uma festa típica da região do Jalapão, Clara deixa de conversar com Renato para dar um passeio de moto com Gael, despertando o ciúme do médico, que conhece o seu oponente de Palmas. Com o sol alaranjado e a linda versão de Fernanda Takai para “I Don’t Want To Talk About It” como testemunhas, em meio às dunas deslumbrantes do Jalapão, Clara e Gael parecem estar cada vez mais apaixonados. O amor do novo casal vai do fundo das águas límpidas de um rio até a Pedra Furada. No alto de um grande rochedo, Clara e Gael se encontram com Renato e Raquel. Gael observa com ódio os pequenos gestos de intimidade no reencontro do médico com a professora. O motoqueiro de Palmas ameaça Renato, revelando sua temível agressividade até então ignorada. O clímax da cena ocorre quando Gael ameaça deixar cair o rapaz em um penhasco, segurando-o somente por uma mão (nesta benfeita tomada, percebe-se que a direção tomou como referência clássicos do western, inclusive os de Sergio Leone, tanto no que diz respeito aos closes quanto no que se refere à trilha incidental de João Paulo Mendonça). O pedido de perdão pelo incidente, o pedido de perdão pela desconfiança da amada, o beijo da redenção e o pedido de casamento acontecem sucessivamente. No meio das suas faces um raio fulgurante do sol sempre presente, e a voz apaixonada de Paulo Miklos cantando a bela música composta por Nando Reis, “Vou Te Encontrar”. Gael volta para a sua casa em Palmas. Chega na hora do café da manhã em que estão sentados à mesa a sua mãe, a ambiciosa Sophia (Marieta Severo) e a sua irmã, a sarcástica Lívia (Grazi Massafera). Ao anunciar a Sophia que irá se casar, e que a sua noiva é professora de um quilombo, e filha de um dono de venda, ela se enfurece, e confessa aos filhos a péssima situação financeira em que se encontram. Gael é divorciado, e há um mistério nessa separação, causada por ele. Uma outra filha, Estela (Juliana Caldas), é mantida no exterior por ser uma pessoa com nanismo, e esta condição envergonha Sophia. Disposta a subornar o avô de Clara para que ela se afaste de seu filho, Sophia muda de ideia ao avistar uma pedra com um veio de esmeralda sobre um dos móveis da casa do senhor. Clara lhe dá de presente. Após consultar um especialista, e enxergar a possibilidade de explorar a possível mina de esmeraldas localizada nas terras de Clara, a gananciosa mãe de Gael passa a apoiar o casamento do filho. Numa confraternização de família, Sophia brinda ao amor, a Gael, e principalmente a Clara. Desta forma, iniciou-se o primeiro capítulo de “O Outro Lado do Paraíso”, uma história que nos exibiu, através de apenas alguns personagens, traços dos comportamentos do ser humano, como ambição, individualismo, frieza, manipulação, ciúme, preconceito e cobiça, mas também privilegiou o amor, o desejo, a paixão e a amizade. O elenco deste começo de trama provou o seu brilho, talento, solidez e sobeja consistência na composição de seus papéis, transmitindo-nos a sensação positiva de que aqueles foram estudados e elaborados com a dedicação necessária, respeitando-se as características do lugar específico, no caso o Estado do Tocantins, em que se desenvolve a narrativa, além do Rio de Janeiro. Bianca Bin trilhou a legitimidade de uma moça simples, ingênua e romântica, traumatizada pela morte trágica do pai, que se apaixona pelo rapaz sedutor da cidade grande que lhe diz palavras bonitas. Sergio Guizé, com bastante personalidade, construiu o seu papel na medida certa, passando-nos a noção de ambiguidade de Gael, que alterna doçura e agressividade. Rafael Cardoso esbanjou elogiável desempenho ao moldar o perfil de Renato, convencendo-nos de seu verdadeiro amor por Clara, e de sua dedicação incansável ao voluntariado como médico. Um triângulo amoroso, estreante no horário nobre e em teledramaturgia, cativante em suas atuações, que promete torcidas variadas e emoção de sobra. Há química tanto entre Bianca e Sergio quanto entre ela e Rafael. Um acerto indiscutível na escalação, sem contar o seu caráter inovador. O frescor deste trio foi acompanhado por talentos consagrados, como o de Fernanda Montenegro, Lima Duarte, Marieta Severo e Juca de Oliveira. Fernanda, como sempre, magistral na sua entrega às personagens que abraça, e no caso de Mercedes, toda a sua força natural e intensidade mística foram lapidadas com a maestria interpretativa que lhe é peculiar. Lima Duarte usa a sua notável experiência ao criar o tipo interiorano, simplório, que nos conquista de pronto com a sua potência cênica. Marieta Severo, como esperamos de uma atriz de sua grandeza, impressiona-nos com a sua ilimitada aptidão em transitar com liberdade pelos meandros mais íntimos de seu papel ao desenhar os contornos precisos de Sophia. Vemos o nascimento de uma vilã que não mede esforços para atingir os seus objetivos, garantindo-nos no futuro momentos que prometem ser marcantes, em que a sua vocação preconceituosa, gananciosa e manipuladora ganhará voz. O mesmo se pode dizer de outro ator maravilhoso como Juca de Oliveira. Sabedores de seu incrível domínio como artista, não nos espantaremos com as artimanhas que seu personagem, Dr. Natanael, será capaz de fazer, utilizando-se de toda a dissimulação e frieza que lhe são natas. Sua perseguição a Elizabeth também promete ótimos conflitos. Glória Pires, uma atriz com inteligência emocional rara, mestre em usar a entonação vocal, os olhares e gestual perfeitos, conquista invariavelmente um nível máximo de qualidade e excelência. Como Elizabeth, vê-se claramente uma mulher infeliz, só, carente e frágil que, no entanto, poderá nos surpreender com as reviravoltas que o autor lhe reserva. Grazi Massafera, a cada personagem que defende, galga degraus elevados em suas composições (não podemos nos esquecer que foi em uma novela de Walcyr Carrasco, “Verdades Secretas”, que Grazi mostrou ao país todo o seu potencial, chegando a ser reconhecida no exterior com a indicação ao Emmy Internacional). Grazi Massafera tem se destacado ao interpretar jovens que misturam malícia e humor. A novela terminou com um olhar insinuante de Lívia ao testemunhar o golpe de sua mãe. Érika Januza, revelada na série “Suburbia”, desfilou desenvoltura, espontaneidade e genuinidade ao personificar a amiga alegre e trabalhadora de Clara. Entretanto, esta alegria vai embora quando terá que enfrentar a ira racista de Nádia (Eliane Giardini), sua patroa, ao se envolver com o seu filho Bruno (Caio Paduan). Emílio de Melo, como o diplomata Henrique, indicou-nos com distinta propriedade a indiferença prevalente de seu papel com relação à sua família, colocando a profissão em primeiro lugar. Emílio, um ótimo ator, terá excelentes chances na novela ao se ver vítima das armações espúrias de seu pai. Eucir de Souza, como ator convidado, teve uma participação digna e comovente ao encarnar o homem ávido em enriquecer, e que acaba morrendo por esta desmedida ganância e irresponsabilidade. Bárbara Paz, como a sofisticada Jô, mostrou-se inteiramente à vontade como a futura aliada de Natanael. E pelo que conhecemos de sua capacidade, e também versatilidade como intérprete, esperamos cenas interessantíssimas em que esteja presente, formando uma parceria promissora com Juca de Oliveira. Vera Mancini, como a empregada de Sophia, distribuiu graça com os seus ditos picantes, demonstrando intimidade com a família. Terá Estela, a outra filha, enjeitada pela mãe, como confidente. Aguardemos diálogos emocionantes. A direção artística de Mauro Mendonça Filho (grande colaborador de Wacyr Carrasco) e geral de André Felipe Binder (também trabalhou com o autor), com a sua equipe constituída por André Barros, Henrique Sauer, Pedro Peregrino, Mariana Richard e Caio Campos, merecem incontáveis elogios por conduzirem com sensibilidade o enorme manancial de talentos que têm em mãos, e explorarem com competência única, adotando uma generosa linguagem cinematográfica, as belezas estonteantes das terras do Tocantins. A inspirada direção de fotografia de Mauro Pinheiro Jr., Pablo Baião e Fabrício Tadeu aproveitou com suprema felicidade a luz forte natural da região, além de usar com sabedoria visual, com filtros e lentes certeiros, as cores inebriantes dos espaços em que se passa a ação. A cenografia de Tiago Marques Teixeira, Mauricio Rohlfs e Danielly Ramos foi bastante coerente, retratando com fidelidade a pobreza da casa de Clara, o ambiente kitsch onde mora Sophia e a sofisticação de alguns detalhes da cobertura de Elizabeth. O mesmo, claro, pode-se dizer da produção de arte de Guga Feijó e Renata Otomura. Ellen Millet, conceituada figurinista, cumpriu a sua missão com garbo, seja nos vestidos bem modestos de Clara, nas roupas modernas com ar transgressor de Gael, e nas vestes com tintas mais carregadas de Sophia. A gerência musical de Marcel Klemm se esmerou na diversificação, utilizando-se, como já fora dito, das vozes de Elis Regina, Fernanda Takai e Paulo Miklos, além da clássica banda Lynyrd Skynyrd (“That Smell”), e dos grupos The Band (“The Weight”) e The XX (“Crystalised). “O Outro Lado do Paraíso” vem com uma função árdua, que é a de suceder o sucesso alcançado por Gloria Perez em “A Força do Querer”, mas em se tratando de Walcyr Carrasco, que coleciona um sem número de êxitos de audiência e público, como foram as suas três últimas novelas (“Amor à Vida”, “Verdades Secretas” e “Êta Mundo Bom!), isto não será obstáculo para o teledramaturgo. Walcyr, além de manter as bases de um bom folhetim, como romance, traição e vingança, irá abordar questões importantes, como a violência doméstica, o nanismo (e o preconceito envolvido), a discriminação racial, o homossexualismo não assumido, com direito à vida dupla, e a homofobia. Já conhecemos em seu primeiro capítulo o paraíso do Tocantins, e em parte o seu outro lado. Precisamos conhecer a saga de Clara, Gael, Renato, Josafá, Sophia e Mercedes para vermos até onde irá este outro lado. E se, segundo Mercedes, ele sobreviverá ao fim do mundo.

 

cidade-proibida
Foto: Divulgação/Gshow

As histórias de detetive sempre habitaram e instigaram o imaginário das pessoas, seja no cinema, na TV ou na literatura. O primeiro e a segunda se inspiraram ou se basearam amiúde nos livros. Grandes escritores, como Agatha Christie, Arthur Conan Doyle e Dashiell Hammett criaram detetives antológicos que prendiam o leitor da primeira à última página, como Hercule Poirot, Sherlock Holmes e Sam Spade, respectivamente. Nas telas de cinema, tivemos, por exemplo, “Assassinato no Orient Express” (1974), de Sidney Lumet, que se baseou no romance policial homônimo de Agatha Christie. Na esfera nacional cinematográfica, “Ed Mort” (1997), com direção de Alain Fresnot, e Paulo Betti como o próprio (trata-se de um personagem idealizado por Luis Fernando Verissimo). Na literatura brasileira, o escritor Tony Bellotto se dedicou à sua trilogia protagonizada pelo detetive Remo Bellini, com adaptações para o cinema. Quanto à TV, podemos buscar um personagem divertidíssimo construído por Luis Gustavo para uma novela escrita por Cassiano Gabus Mendes, e que foi ao ar pela Rede Globo em 1982, “Elas por Elas”. Mário Fofoca entrou para a galeria de tipos inesquecíveis da televisão com seu jeito atrapalhado para elucidar crimes. Em “Cidade Proibida”, uma série de Mauro Wilson e Mauricio Farias inspirada livremente no álbum de quadrinhos de Wander Antunes, “O Corno Que Sabia Demais e Outras Aventuras de Zózimo Barbosa” (a produção é escrita por Angela Chaves com a colaboração de Emanuel Jacobina, roteiro final de Mauro Wilson, e direção artística de Mauricio Farias), conhecemos logo em sua primeira cena o detetive Zózimo Barbosa (Wladimir Brichta) em seu característico escritório esclarecendo um caso de traição extraconjugal, sua especialidade, para a sua cliente Irene, rica e bela mulher frequentadora de um clube de grã-finos (Débora Nascimento). Para a desilusão e o espanto da moça, seu marido a trai não com uma amante, mas com um amante. Os pensamentos lascivos de Zózimo são ouvidos em off, o que confere à dramaturgia um viés notadamente rodriguiano. O desfecho de sua relação profissional com Irene, a primeira mulher fatal a surgir, foi malsucedido. O próximo caso do detetive a ser desvendado envolve o advogado Gouveia (Danilo Grangueia), que trabalha para uma importante empresa, cujo dono se chama Lourenço (João Vitti em participação especial). Ele é recebido pela voluptuosa secretária Gladys (Ariela Massotti). A princípio, Gouveia contatou Zózimo a pedido do empresário por desconfiar do comportamento de sua esposa. A questão é que a suposta mulher infiel é Lídia (Claudia Abreu com longos e ondulados cabelos louros). Ao ver a foto de Lídia, sua companheira no passado, a série lança mão de flashbacks a fim de que o telespectador entenda como se conheceram, e se familiarize com o histórico do detetive e com os demais personagens fixos, seus amigos, o policial Paranhos (Ailton Graça) e o sedutor rapaz que presta serviços amorosos a damas carentes, Bonitão (José Loreto). Zózimo também era policial, e fazia dupla com Paranhos. Lídia era a garota mais cobiçada do “dancing” que frequentavam. Um recurso bem sacado pela direção (Daniela Braga e Maria Clara Abreu, juntamente com Mauricio Farias) foi a ideia de que as cenas estavam sendo “fotografadas” em “p&b”, com o propósito de realçá-las. Com um apropriado e insinuante som incidental jazzístico, com sopros, cordas e teclados (afiada e sofisticada trilha sonora de Branco Mello e Emerson Villani), perpassando quase a totalidade da atração, os autores prosseguem em sua interessante, envolvente e detalhista narrativa. Lídia era a protegida de um poderoso argentino de nome Pablo (Pablo é um típico gângster). Com sua saída forçada, Zózimo se amasia com a ambiciosa Lídia, dando-lhe uma loja de roupas em uma galeria de Copacabana. Sem satisfações, Lídia some no mundo. Voltamos aos tempos atuais da série, onde Zózimo conversa com os seus amigos no bar no qual costumam se reunir. Com elegante fotografia de Uli Burtin que se multiplica em diversas texturas, dependendo da situação, podendo ser mais esmaecida, luminosa, sombria, esverdeada ou amarelada (a luz também se ampara nos feixes de faróis dos automóveis, abajures, luminárias e lustres dos cenários e locações), o personagem de Wladimir, que vez ou outra solta uma pérola de humor, decide aceitar o caso, talvez muito mais para saber o porquê de ter sido abandonado pela loura fatal de Claudia Abreu. Após perseguir Lídia em seu carro (os veículos são um charme extra da série, sendo extremamente fiéis aos anos 50), ocorre o esperado reencontro após sete anos de separação. A agora milionária Lídia conta ao ex-amante a versão de uma história rocambolesca como explicação de seu sumiço. Retornando ao bar, irrompe a personagem de Regiane Alves, a garota de programa Marli. Marli é apaixonada por Zózimo, sendo obsessiva e ciumenta, além de acreditar “ser a mulher de sua vida”. A ferramenta dramatúrgica dos pensamentos e reflexões do detetive em off, e que funcionaram a contento, são mantidos. Entre uma cena e outra, são mostradas imagens de arquivo do Rio de Janeiro da época retratada. Com reviravoltas em sua trama (Lourenço decide se separar de Lídia, e se casar com a secretária Gladys), a câmera da direção se revela ligeira, e acompanha o ritmo ditado pela emoção da ação. Um dos maiores méritos desta obra de ficção, que se equilibra entre o tom de farsa e o de realidade, é o seu perfeito timing. As cenas se sucedem com admirável fluidez, entremeadas por diálogos estruturalmente bem amarrados e espertos. A inspiração nos filmes noir americanos da década de 40 é evidente, com seus closes, olhares, modo de falar e algum silêncio. Mortes em meio a mentiras e cumplicidades espúrias decorrem, aumentando a complexidade e o caráter intricado do entrecho. Há beijos cinematográficos, bastantes tragadas de cigarro e bebidas alcoólicas ingeridas pelos personagens enquanto os fatos se desenrolam, e tiradas engraçadas de Bonitão. A desconfiança começa a rondar a mente do detetive que crê que as pessoas matam por três motivos: dinheiro, ódio e amor. Nada é o que parece ser. Este é o mote da série. Em questão de segundos, tudo muda. Algo acontece. Uma morte ocorre, e outra vida é ameaçada. O epílogo atende às reviravoltas de costume, às frases marcantes dos personagens, como “Essa é a minha natureza”, e à ironia sempre posta em seu devido e oportuno lugar. A cenografia de Luciane Nicolino e Claudio Duque e a produção de arte de Angela Melman são demasiadamente fidedignas ao tempo da ação, e se mostram frutos de uma intensa e profunda pesquisa. Os figurinos de Antônio Medeiros são irretocáveis, elegantes e coerentes. São ternos e coletes bem cortados, chapéus tanto femininos quanto masculinos, e longos justos “tomara-que-caia”, só para citar alguns modelos. A abertura de Alexandre Romano, Flavio Mac e Bruno Meira aposta na profusão de imagens coloridas e em preto e branco, como da “cidade proibida”, o Rio de Janeiro, e seus hábitos, mulheres fatais, o cotidiano de suas ruas, carros no trânsito, letreiros em néon etc. O elenco brilhou neste primeiro episódio, correspondendo plenamente à proposta e ao perfil da obra. Wladimir Brichta soube compor um irresistível detetive Zózimo Barbosa. Wladimir, um ator que transita com igual distinção tanto pelo drama quanto pela comédia imprimiu ao seu papel doses com sobriedade precisa. O cinismo, o sarcasmo e a ironia inerentes ao investigador particular estão visíveis na sua entonação de voz, no seu olhar e nos meios sorrisos. Uma escolha altamente acertada para um tipo nada fácil de se interpretar, pois os desvios para uma caricatura ou arquétipo são bastante próximos. Wladimir está muitíssimo bem acompanhado por Regiane Alves, Ailton Graça e José Loreto. Regiane, ostentando um bonito visual com suas madeixas curtas, desenhou os contornos da personalidade de Marli com sensualidade e as características de uma garota de programa da época, convencendo-nos de seu amor incontido pelo detetive, com todas as suas nuances de ciúme e uma certa frustração pessoal pela paixão não correspondida como desejaria. Regiane também aproveitou com sapiência os seus momentos de humor. Ailton Graça desfilou com absolutas segurança e desenvoltura como o policial Paranhos. O intérprete absorveu a aura do tira experiente, calejado, perspicaz, que sente de longe o “faro” quando algo lhe parece errado. Ailton possui a capacidade de ser durão e irreverente com a mesma dignidade, se assim exigir a ocasião. José Loreto defende o gigolô Bonitão com sobejas graça e leveza, alvejando com sucesso as medidas de malandragem associadas a um grau de sedução e charme que homens com a sua função entre as mulheres na sociedade deste período possuem. O jovem ator saboreia com prazer as falas de seu personagem, e nos diverte. Tivemos bem-vindas participações especiais neste primeiro episódio. Claudia Abreu, sempre uma excelente atriz, exerceu pleno domínio sobre a mulher fatal, manipuladora, calculista, gananciosa e surpreendentemente fria, sendo capaz de tudo para atingir os seus objetivos. Claudia pôde mostrar várias faces de Lídia, seja como potencial vítima enganada, seja como uma esposa furiosa, vingativa e mentirosa. Danilo Grangueia trilhou com inegável êxito o caminho para a composição do inescrupuloso advogado Gouveia. Com seu porte solene e tom de voz diferenciado, Danilo nos provocou com o seu causídico escroque, traiçoeiro e perigoso. Débora Nascimento, como Irene, encheu a tela com a sua voluptuosidade implícita, demonstrando com legitimidade a sua decepção ao saber da homossexualidade de seu esposo. João Vitti, mesmo que em rápida aparição, porém com um papel importante para a história, passou-nos a intensidade emotiva do marido insatisfeito com a sua esposa, decidido a se separar. Ariella Massotti cumpriu com eficiência a missão de dar vida à estonteante secretária que se transforma no pivô de um dos principais conflitos da sinopse. “Cidade Proibida” é uma série, gênero merecidamente cada vez mais prestigiado na TV brasileira, que nos desperta irrefutável interesse em acompanhar os seus próximos episódios, que contarão com muitas participações especiais. Dentre as razões, destacam-se o seu elenco talentoso e carismático, a diversidade de seus enredos repletos de suspense, ação, romance e humor, a impecável reconstituição histórica e a direção sensível e hábil de Mauricio Farias e equipe. Vale a pena fazer uma visita nesta cidade proibida que esconde por trás de suas belezas o que há de obscuro e condenável em sua sociedade. Zózimo Barbosa está à sua espera. E não é proibido acompanhá-lo em suas arriscadas mas deliciosas peripécias. Está desconfiada de alguma coisa? Se o seu namorado, seu noivo, seu marido está te traindo, ele descobre. Já pegou o seu cartão? Zózimo Barbosa, detetive particular.

 

bibi-juliana-paes-1
Foto: Divulgação/Gshow

No início deste ano, Juliana Paes, uma das maiores estrelas da televisão brasileira, detentora de uma popularidade impressionante, já havia nos impactado com a personagem Zana, na primeira fase da minissérie de Maria Camargo adaptada do livro de Milton Hatoum, “Dois Irmãos”, na Rede Globo (na fase seguinte, com o mesmo brilho, Zana foi interpretada por Eliane Giardini). Neste papel, Juliana, que é natural de Rio Bonito, interior do Estado do Rio de Janeiro, demonstrou uma potência dramática de elevadíssimo nível, como a mãe sofredora de dois filhos gêmeos homens que nutriam um pelo outro sentimentos intensos de ódio, ciúme e inveja (Omar e Yaqub foram defendidos por Cauã Reymond). Esta composição de Juliana, a despeito da produção ter sido gravada em 2015, já poderia ser eleita como uma das melhores do ano na TV. Entretanto, no começo de abril, estreava “A Força do Querer”, a nova novela de Gloria Perez após cinco anos, que viria a nos mostrar mais uma notável atuação de Juliana Paes. Alguns de seus grandes chamarizes seriam a reunião de atores (muitos deles comumente escalados como protagonistas de outras obras) em distintos núcleos, e a abordagem de temas com vieses polêmicos (como Gloria está habituada a fazer), sem preterir os elementos clássicos que definem uma atração deste gênero. Em um desses núcleos, está Juliana, que despontou para o Brasil ao viver Ritinha, a empregada doméstica que encantava o seu patrão Danilo, Alexandre Borges, em “Laços de Família”, de Manoel Carlos (2000). Um enorme desafio em sua bem-sucedida carreira lhe caberia nesta trama do horário nobre que tem atingido ótimos índices de audiência e repercussão como há muito não se via: personificar Bibi, uma mulher que acaba se envolvendo com o crime a fim de não abandonar o seu marido Rubinho (Emílio Dantas em atuação arrebatadora), acusado e preso por tráfico de entorpecentes. Baseada em fatos reais extraídos do livro “Perigosa”, de Fabiana Escobar, a história de Fabiana se desenvolveu aos poucos na telenovela, revelando-nos todas as etapas de sua vida comum até chegar à fase de seu envolvimento com a ilegalidade. A belíssima Bibi, filha de Aurora (a excelente Elizangela), nos primeiros capítulos de “A Força do Querer”, era noiva de Caio (Rodrigo Lombardi), um sério e dedicado rapaz com um futuro promissor como advogado, que havia conhecido nos tempos acadêmicos. Bibi é passional e ciumenta, e se ressente de não ter a atenção devida de seu parceiro, mais preocupado com suas aspirações profissionais (vale destacar o inspirado e convincente desempenho de Rodrigo Lombardi, repetindo o par com a atriz depois do sucesso de “Caminho das Índias”, da mesma Gloria Perez). O término do compromisso ocorre após o irmão de Heleninha (Totia Meireles) descobrir que está sendo traído por sua companheira, “a mulher que ama grande”, com o garçom Rubinho. Desiludido, Caio abandona seu importante cargo nas empresas Garcia, e viaja, decidido a refazer a sua vida. Neste ínterim, Bibi também segue outros rumos. Sem nunca ter terminado seus estudos de Direito, para desgosto de sua mãe, casa-se com Rubinho, tendo um filho, Dedé (o adorável João Bravo). Trabalhando como cabeleireira e manicure, enquanto seu marido, estudante de Química, faz “bicos”, leva uma vida modesta. A situação econômica dos dois piora, ao ponto de dividirem um colchão num depósito de bar. Até que Caio retorna ao Brasil, e muda todo o contexto da situação. Penalizado com o estado de necessidade em que se encontra a sua ex-noiva, ajuda-a, com a cumplicidade de Aurora, de diferentes maneiras. Oferece-lhe, sem que saiba, em nome de sua mãe, por um módico valor de aluguel, uma boa casa para morar com o seu marido e filho, e pede ao amigo Dantas (Edson Celulari), que empregue Rubinho em seu sofisticado restaurante. A vida do casal parecia finalmente ter entrado nos eixos. Bonito, educado e comunicativo, Rubinho, alçado ao posto de maître, indica-nos que se estabeleceu social e financeiramente, voltando, inclusive, a frequentar a faculdade. Todavia, telefonemas repetidos e fora de hora, além das entradas mal justificadas de dinheiro em casa, levantam as suspeitas de sua sogra. Alegando ser intermediário em transações de corretagem com os clientes do restaurante, Rubinho, na verdade, estava traficando drogas não só em seu local de trabalho, mas na rua onde morava. Bibi procura acreditar nas desculpas do marido, sempre acompanhadas de promessas de uma vida melhor, ao se ausentar de casa, do restaurante e da faculdade, apesar de intuir que possui uma amante. Presentes variados e caros dados à família, a aquisição de um carro moderno e a rápida mudança em seu padrão de vida aumentam as desconfianças não só de Aurora, mas dos vizinhos também (Yuri, representado por Drico Alves, um jovem ator bastante seguro em cena, flagra, com o seu celular, as visitas estranhas recebidas por Rubinho em sua residência). Em outro núcleo, a major Jeiza (Paolla Oliveira em significativo momento de sua trajetória artística) se prepara para comandar uma megaoperação de apreensão de drogas transportadas em caminhões. Na blitz policial, com direito a troca de tiros entre os representantes das leis e os criminosos, Jeiza “teve a impressão” de ter visto Rubinho no bando de delinquentes. Inicia-se aí a jornada implacável da major para provar a culpabilidade do maître como integrante de uma sólida facção criminosa, o que gera, inevitavelmente, a ira de Bibi (as cenas de confronto, que não foram poucas, entre Juliana Paes e Paolla Oliveira, foram invariavelmente marcadas por crescente tensão, exibindo o vultoso talento de ambas). Com o vazamento das fotos tiradas por Yuri, e consequente denúncia de Heleninha, a situação do genro de Aurora se complica. Preso, ameaçado pelos seus colegas de cela, passa a pedir favores à mulher para “levantar a sua moral” junto aos presos. O passo crucial que delimitou a entrada de Bibi no mundo do crime se deu quando incendiou o escritório do restaurante de Dantas com o propósito de destruir os dados comprometedores de Rubens no computador (sua culpa até hoje não foi provada, a despeito da ciência de Caio, promovido ao cargo de assessor da Secretaria de Segurança). Desobedecendo aos conselhos de sua progenitora, que sempre cita os “sinais” que ela recebe para sair a tempo da criminalidade, a personagem de Juliana Paes resolve subir o fictício Morro do Beco (a comunidade de Tavares Bastos, no Catete, no Rio de Janeiro, serve de locação) para falar diretamente com o chefe do tráfico, Sabiá (Jonathan Azevedo). Consegue a sua confiança e admiração pela coragem, garantindo a sobrevivência de seu esposo. Aos poucos, Fabiana vai cometendo uma série de pequenos delitos, como entrar às escondidas na penitenciária para encontros íntimos. E grandes, como servir de mensageira de informações entre os membros da facção (o que já configura o seu indiciamento no crime “associação ao tráfico”). Parece não haver freios para a ex-noiva de Caio, que volta e meia se convence de que tudo seria diferente em sua vida se não tivesse se separado dele, e se tivesse aceitado a sua proposta de uma nova tentativa de relacionamento amoroso. Bibi auxilia na primeira e frustrada fuga de Rubinho da cadeia. Em sua segunda tentativa, desta vez com êxito, o detento, auxiliado por comparsas, escapa por uma tubulação de esgoto. Com o rapaz de barba e cabelos curtos ruivos morando na favela, e ganhando cada vez mais prestígio entre os seus pares, devido às suas ideias e conhecimentos de Química, usados para alavancar e organizar o negócio ilícito, as visitas de Bibi ao morro são cada vez mais frequentes, enquanto o filho do casal sofre bullying na escola, na rua, sendo discriminado por seus coleguinhas até no dia de seu aniversário. Trilhando um caminho sem volta, como ela mesma diz (“Não tem volta”), a ex-estudante de Direito, aplicada e defensora dos preceitos legais, agora faz entrega de carregamento de armas pesadas no porta-malas de seu carro. Cada vez mais seduzida pelo universo do crime, com seus bailes grandiosos e camarotes vip, sua forma particular de hierarquia e poder, fartura de bebidas e cordões pesados de ouro, Bibi passa a dividir um quarto com o seu marido, que lhe promete saírem de lá, e recomeçarem uma nova vida. Leva consigo o seu filho, que fica decepcionado com o que vê. Nas festas da comunidade às quais vai, a amiga de Ritinha (Isis Valverde) nos deixa patente que o seu ciúme doentio permanece inalterado. Um dos ápices deste ciúme, e que lhe garantiu o epíteto de “Perigosa” pelos integrantes da quadrilha, decorreu quando uma mulher se aproximou de Rubens com outras intenções, e Bibi lhe arrancou, como se a tivesse escalpelado, uma espessa parte dos apliques de seu cabelo, suspendendo-a, com um dos braços, tal como um troféu, para o delírio dos presentes. Notamos no papel de Juliana uma confluência de duas personalidades que se colidem: a original, a Bibi alegre, amorosa, amiga, carinhosa com a mãe e capaz de ajudar o outro, como na ocasião em que salvou Silvana (Lilia Cabral) de uma enrascada num cassino clandestino de subúrbio, e a contingencial, que se expõe pela sua conquistada autoridade lograda por meio de seu comportamento ameaçador, agressivo e vingativo. Também salvou a vida de Caio, ao esbarrar propositadamente em um criminoso, quando o mesmo alvejava a autoridade. Houve uma passagem interessante em que vimos a Bibi de antes ao chamar a atenção de seu marido quanto à sua mudança de perfil (o jovem ostentou uma faceta cruel que lhe era desconhecida). A personagem também vivencia conflitos no que concerne aos seus sentimentos. Ao que parece, ainda sente amor ou afeto por Caio, e por Rubinho, o que sente é uma avassaladora paixão, o que naturalmente a cega, movida por doses excessivas de adrenalina. Uma mulher sem limites, capaz de tudo pelo homem pelo qual se apaixona. Assim poderíamos definir Fabiana. Merece destaque a inacreditável habilidade da moça em construir enredos inventivos com o intento de encobrir algum malfeito, seja quem for o seu interlocutor, que pode ser tanto Caio quanto um delegado de polícia. Se bem que, recentemente, a vizinha de Heleninha capitulou diante do assessor de Segurança Pública, quando este a interpelou acerca do incêndio no restaurante do pai de Cibele (Bruna Linzmeyer). No capítulo de ontem, houve cenas definitivas na novela de Gloria Perez. O traficante Sabiá (a atuação de Jonathan Azevedo é de um realismo incontestável) é atingido por um tiro durante uma batida policial no morro, tendo Bibi como testemunha. Imediatamente, Rubinho assume o seu posto de chefe da facção, dando ordens furiosas aos seus agora subordinados. Antes disso, já havia saído uma matéria nas páginas policiais se referindo ao rapaz como o “Barão do Pó”, e a Bibi, como a “Baronesa do Pó”. Percebe-se na expressão de Bibi uma preocupação e insegurança com este novo status. Juliana Paes, que criou personagens marcantes em novelas como “Celebridade”, “América”, “Gabriela” (como a própria) e “Meu Pedacinho de Chão” (seu penúltimo trabalho neste gênero de produção foi em “Totalmente Demais”, como a vilã Carolina) tem exibido o seu enorme amadurecimento artístico ao interpretar um tipo de personagem dificílimo, complexo, contraditório, e que poderia facilmente obter a rejeição do público. Mas isto, graças ao seu extenso talento, não aconteceu. Bibi é uma das personagens mais populares da trama, e tem sido responsável por algumas das melhores cenas da telenovela. Juliana usa com bastante expressividade os seus olhos para traduzir as suas emoções. Fixos, penetrantes, eles nos dizem o que querem. Impressiona-nos do mesmo modo a forma como a intérprete impôs à sua voz e ao texto da autora um tom espontâneo, natural e popular, recheado de gírias e linguajar típicos do ambiente novo ao qual se adapta. Suas beleza e sensualidade, com roupas justas e chamativas, que delineiam a sua forma física perfeita, são tão exuberantes que não sobra um único espaço para um mínimo de vulgaridade (levando-se em consideração o contexto da dramaturgia). O jeito como Juliana caminha, seja pelas ruas da vizinhança, seja pelas vielas da comunidade, impõem o respeito e a personalidade que o papel exige. Não podemos deixar de mencionar o impecável trabalho de direção de Rogério Gomes, Pedro Vasconcelos e equipe pelas cenas (a equipe de diretores da novela é complementada por Claudio Boeckel, Luciana Oliveira, Roberta Richard, Fábio Strazzer e Allan Fiterman), muitas delas de ação, com fortes inspirações cinematográficas. As tomadas aéreas da Favela do Beco (inclusive quando há o baile), de suas labirínticas ruas, com subidas e descidas, escadas estreitas e íngremes, e centenas de casas chocam pela grandiosidade visual. A trilha sonora incidental (música original de Rodolpho Rebuzzi e Mú Carvalho; gerência musical de Marcel Klemm) que acompanha as cenas de Fabiana nos causa uma indomável apreensão (há uma batida lenta de um tamborim, além de um som perturbador insistente que nos indica a gravidade da situação). Obra impecável. Cinema de altíssima qualidade na TV. Alguns alegam que Gloria Perez tem feito uma “glamourização” do crime ao relatar esta verídica história, com as devidas licenças. Mas o que posso dizer é que Gloria nos afirma mais uma vez ser uma escritora de ilimitada bravura, sempre conectada com os fatos do mundo contemporâneo. Coincidentemente ou não, o Rio de Janeiro, basta ler as manchetes dos jornais, há muito tempo não reportava índices de violência tão altos ligados a esta atividade criminosa. Nada do que se vê na novela é inventado, fantasiado, portanto a abordagem deste assunto é válida e importante. Bibi Perigosa é um divisor de águas na carreira de Juliana Paes. Provou-nos de que é uma excelente atriz. Com Elizangela e Emílio Dantas, igualmente fantásticos em suas atuações, “A Força do Querer” tem se firmado como uma das novelas mais atraentes dos últimos anos, e sem dúvida uma das melhores de Gloria Perez. Resta-nos saber quando Bibi Perigosa fará o caminho de volta. Se é que o fará. Para isso, terá que deixar para trás a adrenalina de que tanto gosta, e principalmente deixar de ser… “perigosa”.

 

mauricio-fidalgo
Foto: Mauricio Fidalgo/Gshow

Há duas produções de cunho médico/hospitalar, ambas da Rede Globo, que logo me vêm à mente ao escrever sobre o primeiro episódio da série de Jorge Furtado, responsável por sua redação final, “Sob Pressão”, que estreou na noite de anteontem na Rede Globo: “Obrigado, Doutor”, de 1981, escrita por Walther Negrão, Walter George Durst, Roberto Freire, Moacyr Scliar, Ferreira Gullar e Ivan Ângelo, protagonizada por Francisco Cuoco e Nicette Bruno (na trama, o médico Rodrigo Junqueira, Francisco Cuoco, assumia uma clínica do interior do país, sem quaisquer recursos técnicos e equipamentos, tendo que se desdobrar para que não ficassem desassistidos os moradores da pobre região); e “Mulher”, série de Álvaro Ramos, Euclydes Marinho e Doc Comparato, exibida nos anos de 1998 e 1999, em que as médicas Marta, Eva Wilma, e Cristina, Patrícia Pillar, profissionais de gerações diferentes, dentro da clínica especializada no atendimento às mulheres na qual trabalham, veem-se diante de diversos dilemas éticos e da urgência de se salvar as vidas das pacientes que chegam em suas mãos. Evidente que as circunstâncias que envolvem o sistema público, e muitas vezes particular, de saúde no Brasil, de décadas passadas para cá, mudaram substancialmente, e para pior. “Sob Pressão”, inicialmente em formato de longa-metragem (e exibido na semana passada na própria Rede Globo), foi levado às telas de cinema em novembro de 2016, sob a direção de Andrucha Waddington. O filme foi inspirado no livro de Márcio Maranhão (em depoimento a Karla Monteiro) “Sob Pressão – A Rotina de Guerra de um Médico Brasileiro”. A série atual surgiu a partir de uma ideia original da diretora Mini Kerti, que coassina a direção com o mesmo Andrucha Waddington, cuja criação ficou a cargo de Luiz Noronha, Claudio Torres e Renato Fagundes. Sendo uma coprodução da Rede Globo com a Conspiração Filmes, “Sob Pressão” terá os seus episódios engendrados (incluído o primeiro) por uma equipe constituída por Lucas Paraizo, Antonio Prata e Márcio Alemão, além de Jorge Furtado. O primeiro episódio nos apresenta o cirurgião Evandro (Julio Andrade), que está defronte ao maior desafio médico de sua vida: operar a sua mulher Madalena (Natália Lage), que acaba de sofrer um grave acidente automobilístico. Evandro, por ser seu marido, devido a razões éticas, não pode operá-la. O diretor do hospital Samuel (Stepan Nercessian) deixa isso bem claro. Não há aparelho de ultrassonografia. O clínico geral Décio (Bruno Garcia) não está presente. Evandro, contrariando todas as normas de conduta médica de um hospital, decide operá-la. Seus hercúleos esforços em salvá-la, que lhe pede desculpas, são impactantes. Suas mãos firmes, porém já exausto e nos estertores do desespero, uma sobre a outra, sobre o peito da amada, executando movimentos bruscos de ressuscitação, são em vão. A mão desfalecida de sua esposa com o anel de casamento sem brilho indica o seu fim. Um ano se passa. No meio do caos estabelecido no hospital de subúrbio, Evandro passeia pelos corredores abarrotados de enfermos e feridos jogados em seus cantos. Há todos os tipos de pacientes misturados, sem qualquer critério ou seleção de gravidade. Há o que se feriu na perna, e que, através de um suborno, sugere o atendimento prioritário (Rodrigo Ferrarini). Há a senhora, Dona Dercy, Ângela Rabello, hipocondríaca, que apenas vai ao hospital falar de suas potenciais dores. Há o que deveria estar em uma instituição psiquiátrica (Jack Berraquero). E o S. Rivaldo (Emiliano Queiroz), que mesmo tendo que caminhar, não o faz, pois poderá perder a sua maca. Evandro, que nunca consegue comer, encontra a vendedora de sanduíches em uma das alas do centro hospitalar, Dona Noêmia, Ângela Leal. Surge uma emergência. Uma grávida de sete meses atropelada. Motivo do atropelamento: atravessou a rua mexendo em seu celular, com os fones nos ouvidos. Mais uma vez, o dilema ético entra em questão. Deveria a gestante ser levada para uma maternidade, mas não há tempo nem oxigênio. Salva-se a mãe ou o filho? Evandro quer salvar os dois. Face a esta situação urgente e delicadíssima, o cirurgião apela ao consumo de opiáceos, que lhe garantirão a “segurança” e o “equilíbrio” necessários para a cirurgia. O pai da criança, Vinícius de Oliveira, seu ex-marido, desconhece a gravidez. A mãe da grávida, Dona Rita, é interpretada por Mary Sheila. Evandro se dá muito bem com a cirurgiã vascular, Dra. Carolina, vivida por Marjorie Estiano. O ateísmo do primeiro e a religiosidade da segunda são um contraponto interessante na relação dos dois, que possuem em comum tragédias pessoais. A convivência entre eles e as experiências compartilhadas possivelmente os levarão para um caso amoroso, que servirá como elemento de respiro para uma série onde a palavra-chave “tensão” norteia o conjunto de acontecimentos. A operação se inicia. Não há “ultrassom”. Não há drenos para adultos. Só infantis. Percebe-se uma animosidade entre Evandro e o seu colega, o neurocirurgião Rafael (Tatsu Carvalho), talvez por diferenças hierárquicas. Qual é a saída para o cirurgião? Um pedaço de mangueira de jardim. No meio do arriscado procedimento, uma troca de olhares inevitável entre Evandro e Carolina. Os autores da série não preteriram o humor, e isto é bem-vindo, haja vista a carga dramática intensa que o tema da série carrega. Para alguns, pode soar até “politicamente incorreto”, mas não devemos nos esquecer de que se trata de ficção, e de que nos círculos hospitalares a brincadeira entre os médicos e equipe é fato corriqueiro. Evandro novamente não consegue se alimentar. Ocorre a segunda emergência do dia. Um rapaz, Bredi Pite (Dhonata Augusto), leva o seu irmão de 7 ou 8 anos, que está engasgado com uma bala, para ser socorrido. Dra. Carolina se encarrega de seu caso. Existe entre o personagem de Julio Andrade e o de Stepan Nercessian divergências quanto à política de atendimento do hospital. Evandro é humanista, e Samuel, prático. Tanto um quanto o outro tem as suas razões. Assuntos como o valor de uma vida perante as demais são colocados em xeque no debate dos médicos. A grávida Elaine (Priscilla Patrocínio) corre risco de morte. Faltam luz, bateria no equipamento, sangue e noradrenalina. Não há incubadora, tampouco UTI neonatal. O cantor e compositor Monarco, célebre sambista, personifica o paciente Antenor do Cavaco. Em estado terminal, prefere cantar e tomar uma cachaça ao sofrimento do tratamento (o cantor, inclusive, interpreta uma de suas músicas, “Deus, Dai-me Força e Coragem”). Num papo entre o fumante Evandro e a médica que tem fé Carolina, o cético cirurgião afirma que acima de nós só há… nuvens. Na conversa, descobre-se que o menino salvo com a bala presa em sua garganta é irmão de um “vapor”, traficante de drogas. Engolira na verdade um pequeno pacote com entorpecentes. Carolina corre para socorrê-lo. Não há colonoscópio, não há transiluminação por fibra ótica. Recorre-se à lanterna do celular novo do anestesista Amir (Orã Figueiredo). O menino é salvo. Evandro é um personagem polêmico, adepto de práticas condenáveis, como dopar um paciente corruptor em nome de uma boa causa (comprar noradrenalinas), ou ser capaz de dar o último gole de cachaça para S. Antenor, sabendo que isso anteciparia a sua morte. Quem vai saber? A grávida Elaine é operada. A incubadora de seu bebê Evandro (em homenagem ao cirurgião; Evandro quer dizer “homem bom”) é uma caixa de papelão. S. Antenor morre. Sem o gole de cachaça que o faria feliz. Evandro, há quatorze anos no hospital, marca com um canivete em um portal de madeira do vestiário quantas pessoas já morreram. Nunca parou para contar. Depois de tanta adrenalina, o casal Evandro e Carolina se beija, mas ele é fiel à sua esposa morta. Evandro e Carolina vão para as suas casas. Carolina ao se despir, deixa à mostra cicatrizes na região de sua cintura, revelando algo obscuro em seu passado.  Evandro vasculha o armário de sua mulher, retira um de seus vestidos, e o coloca na cama, deitando-se ao seu lado. Os fantasmas do passado separam Evandro e Carolina. O elenco fixo da série é excelente, contando ainda com Pablo Sanábio, como o residente Charles, Heloisa Jorge, como a enfermeira Jaqueline, e Talita Castro como a técnica de enfermagem Kelly. Os atores do primeiro episódio, em participações mais do que especiais, também mostraram o seu reconhecido valor. Julio Andrade nos passa toda a angústia e ansiedade de um médico determinado a salvar vidas, custe o que custar. Marjorie Estiano construiu uma profissional com a mesma determinação, porém com uma dose maior de equilíbrio e bom humor. Bruno Garcia, Orã Figueiredo e Tatsu Carvalho conferem aos seus personagens um tom de sobriedade bastante convincente com a proposta de seus perfis. Orã nos oferece em alguns momentos sua já conhecida verve cômica. Stepan Nercessian, com grande mérito, dosa o seu diretor com a severidade que o cargo impõe, além de uma certa leveza involuntariamente irônica, própria do ator. A direção de Andrucha Waddington e Mini Kerti é claramente influenciada por uma linguagem cinematográfica, pois ambos, como sabem, iniciaram suas bem-sucedidas carreiras no cinema. Muitos ângulos, tomadas e posicionamentos de câmera são experimentados. A condução das cenas segue um ritmo avassaladoramente frenético e emocionante. As cenas de cirurgia, que necessitaram de orientações profissionais, como a de Márcio Maranhão, o autor do livro, são de um realismo inacreditável. Estes takes são bastante fortes, não são para qualquer telespectador, mas foram realizados com visíveis cuidado e apuro. Os diretores de fotografia Fernando Young e Luca Cerri lograram traduzir com fidelidade máxima a luz ambiente fria hospitalar, utilizando-se outrossim com propriedade da luz natural nas locações externas. A direção de arte de Rafael Targat e os figurinos de Marcelo Pies são extremamente realistas e coerentes. A montagem alucinada e inteligente, com notória qualidade de execução, creditada a Sergio Mekler, é digna de fartos elogios. E a instigante, meticulosa e calculada trilha sonora de Antônio Pinto demarca com emoção e precisão cada cena na qual se exige a sua presença. Num país como o Brasil, em que a Saúde sempre fora colocada em um degrau inferior na escala das prerrogativas governamentais, seja nas esferas federal, estadual ou municipal. Numa nação onde se adulteram remédios para doenças graves em esquemas criminosos. Num país em que recursos da pasta da Saúde são desviados para fins espúrios. Num país no qual as emergências são fechadas, pacientes morrem nas filas de espera dos hospitais, médicos se recusam a atender às pessoas, inclusive crianças, e planos de saúde cobram valores extorsivos de seus conveniados com o aval do Estado, tornando-se um serviço para as elites, a série “Sob Pressão”, que exibe um grupo de médicos abnegados e heróis em busca do cumprimento de suas promessas de salvar vidas é no mínimo necessária e obrigatória para o telespectador brasileiro. Uma obra para ser vista, analisada, pensada e refletida, sem pressão. Ao contrário de nosso país, no qual a maior parte da população dorme e acorda sob uma implacável e constante pressão… de sobrevivência.

renato-goes-rd
Foto: Raphael Dias/Gshow

Nos corredores frios e brancos do hospital onde trabalha, o ainda residente Renato Reis, primeiro protagonista do ator nascido em Recife Renato Góes, após o estrondoso sucesso que mudou os rumos de sua carreira, ao interpretar o justo e apaixonado Santo dos Anjos em “Velho Chico”, está ansioso com a bola em campo no jogo decisivo da Copa do Mundo no distante ano de 1970. O grito de seu gol pelo escrete de seu país nos remete a um Renato feliz, muito antes das dores de amores por que irá passar. Já nas ruas festivas de um Rio sob chuva de papéis verdes e amarelos caindo de um céu de onde se tudo vê, o rapaz de rosto liso e cabelos ondulados negros se encontra com seu irmão violeiro Gustavo, Gabriel Leone, que cantarola como anjo “Deus lhe Pague” na intimidade de seu quarto rebelde. Gustavo está ao lado de Cátia, Barbara Reis, sua namorada, moça sonhadora que deseja tão somente escrever notícias. O moço alto que com seu jaleco branco salva vidas numa época em que se tiram vidas vê à sua frente Alice, Sophie Charlotte, a bela de franja ruiva saída de um filme francês. Os olhos negros de Renato se unem aos olhos de mel de Alice. Os tempos no Brasil dos homens de farda são de guerra. Liberdade não existe, censura persiste. Coturnos marcham em direção à juventude em júbilo. Agressão de irmão a outro irmão da mesma nação. A bomba estoura, dispara o tiro, o fogo acende. Escondido em galpão abandonado, com azulejo e vidro quebrado, o beijo iniciado. Lábios de Alice e Renato. O amor nascente e recente é celebrado nas ondas do mar e debaixo de gotas de chuva. Troca de anéis improvisados, nem por isso menos apaixonados. Iniciais de nomes marcadas como selo do amor que se supõe eterno. Paralelo ao idílio, o real. Gustavo e Túlio, Caio Blat, inconformistas e inconformados, protestam com tintas em muros do capitalismo. Para Túlio, tintas não bastam face às torturas dos porões. Uma bomba é lançada na sede da construtora de Arnaldo, Antonio Calloni, o pai rico e malvado de Alice. Túlio, o moço que enfrenta o poder, é preso, torturado, não julgado e morto. Gustavo, o outro moço que enfrenta o poder, tem medo. Só lhe resta a fuga. Amaral, o delegado sem lei de Marco Ricca, sai em seu encalço. O Chile, a terra do vinho no sul das Américas, ainda vivendo tempos democráticos de Allende, é o refúgio perfeito. Renato, que em seu hospital confrontou o empresário que usava gravatas borboleta, para salvar as vidas de Monique, Letícia Spiller, a cunhada de seu rival, e seu bebê, passa a ser um de seus alvos, mais um subversivo em sua lista de subversivos. O tirano pai não aceita o romance de sua filha com a subversão. No momento da louca escapada num estacionamento cinzento, sob as súplicas embargadas de Alice, Renato foge para as terras chilenas no lugar de seu irmão, agora sem o violão. Nas plagas do Chile, no exílio involuntário, com mente confusa e perturbada, saudoso de sua amada e família, o médico se sente só. Solidão que se finda pela sedução de uma bela aquecida de poncho, Rimena, Maria Casadevall. Enquanto isso, Gustavo sente o peso da tortura ensandecida do delegado amoral, com sua pele nua e branca ofendida por jatos de água fria. Vera, Cassia Kis, a mãe manipuladora do clã dos Reis, a fim de proteger o corpo frágil de seu rebento preso em cárcere, negocia a suposta morte do filho Renato com os seus algozes, Arnaldo e Amaral. Alice, sem precisar de espelho, vê que será mãe do filho de seu amado morto. A carta de amor de Renato para Alice e o anel de presente envelhecem na gaveta do armário sem culpa. Renato e Rimena unem-se em matrimônio. Valentim é o seu fruto. Alice se casa com o seu antigo namorado, o ambicioso Vitor, Daniel de Oliveira, o herdeiro dos negócios de seu sogro, um homem com paixão doentia pela esposa, que ao ser contrariado seus olhos ficam mais azuis, afoga-se em álcool, sexo pago e o que mais lhe aparecer na frente. Alice, mergulhada em angústia e insegurança bergmanianas, precisava de um pai para o seu filho Lucas, o Lucas de Renato, agora em sua triste memória. Nove anos se passam. 1979, o ano da Anistia. Ao som da voz transcendente de Elis, os exilados políticos põem os seus pés calçados e cansados na porta de entrada da Pátria Mãe Gentil. Dentre eles, Renato, Rimena e Valentim. Na banca de jornais do aeroporto, por obra da ficção, de Deus ou do destino, o pai, Renato, presenteia seu filho, Lucas, com um álbum de futebol. Não foi dessa vez que reencontrou Alice, uma fotógrafa consagrada. O rapaz procura se encontrar com a jovem dos retratos, sem êxito. Todos na casa dos Reis, sem sinal de nobreza, compartilham da mesma omissão. O tempo não para. Nem a mentira. Nem a dor de Renato. Nem a sua incompreensão por Alice nunca ter lhe respondido, e ainda ter se casado. A atmosfera do segredo é opressora. Chegamos ao redentor período do Movimento pelas Diretas Já!, em 1984. Na Cinelândia, no coração do centro do Rio de Janeiro, Renato Reis sorri com aquele mesmo sorriso de 1970, quando o seu Brasil goleou a Itália. Renato Reis sorri, e canta Vandré, para não dizer que ele não falou de flores. Um milhão de pessoas que clamam pelo seu direito de votar, bradam: “Diretas Já! Diretas Já!”. No meio deste um milhão, Alice e sua máquina fotográfica. Registra rostos na multidão. Até que o seu olhar atento mira o que jamais podia imaginar. Mira o seu amor, cheio de vida. A moça que guardou a foto de seu enamorado desde o primeiro encontro, desfalece. O médico sem fronteiras para amar busca a verdade. Descobre ter sido enganado por todos que o cercam, justamente aqueles que ama. Rimena também se calou. Tanto o seu casamento quanto o de Alice e Vitor, um dos responsáveis pela espúria armação, caminha para uma ruína sem volta. Sob fortes ameaças de lado a lado, Renato, agora com o grisalho dos anos em pequenas mechas de seu cabelo, enfrenta o colérico oponente Vitor, cada vez mais perdido em seu destrutivo ciúme. A foto de Lucas emoldurada em seu escritório lhe chama a atenção. Lucas, nascido em 1971, pode ser o legado de seu amor interrompido. Depois de um encontro dentro de seu carro, e depois de um beijo após quatorze longos anos de espera, o irmão de Gustavo e Maria, Carla Salle, decide procurar sua Alice em seu estúdio fotográfico. No meio de rebatedores e fotos espalhadas num caos estético, Renato lhe diz: “Alice, eu fecho os olhos e só vejo você. O que eu faço com isso?”. O casal, após algumas palavras ditas e outras talvez não ditas, está à flor da pele. Num jogo mágico de luzes, sombras e música de Caetano, num jogo mágico de corpos que se redescobrem num sublime prazer e êxtase, colados em suores de mãos, braços e pernas inquietos, com suas bocas entreabertas e lábios sem destino, Renato e Alice enfim resgatam o gozo usurpado. Renato Góes, com esse personagem em “Os Dias Eram Assim…”, supersérie da Rede Globo escrita por Angela Chaves e Alessandra Poggi, estabelece-se de vez como um dos melhores atores de sua geração. A despeito do intérprete possuir inúmeros trabalhos significativos na TV, no teatro e no cinema, pode-se dizer com certeza que se trata de uma das maiores revelações dos últimos anos para o grande público, que se iniciou com o seu impressionante desempenho como o Santo do folhetim de Benedito Ruy Barbosa, Edmara Barbosa e Bruno Barbosa Luperi. Após essa marcante atuação, as expectativas em cima do próximo papel que o artista representaria aumentaram, naturalmente. E com isso, a pressão de vários segmentos, como crítica, imprensa, e os próprios telespectadores. A emissora na qual trabalha apostou alto em escalá-lo para um complexo personagem protagonista de uma produção teledramatúrgica com fundo histórico polêmico, e acertou plenamente. Renato é um ator dotado de um carisma especialíssimo que demandaria uma análise mais apurada. A soma de talento, beleza, juventude e carisma sempre, ou quase sempre, é vitoriosa, mas Renato Góes tem algo a mais. Sua interpretação calcada em uma naturalidade inacreditável nos reporta aos ensinamentos da famosa escola de Nova York “Actors Studio”, que se baseia nos estudos do teatrólogo russo Constantin Stanislavski e seu “Sistema”. A escola novaiorquina, por conseguinte, desenvolveu, capitaneada por, entre outros, Elia Kazan e Lee Strasberg, a sua própria maneira de lidar com o material emotivo e psicológico dos atores, que passou a se chamar de “O Método”. Quero dizer com isso que Renato não se prende a esquematismos de composição de personagem. É um artista que mergulha fundo na alma de seus papéis, extraindo de si mesmo emoções múltiplas, o que resulta em uma atuação que atinge camadas díspares de plateia. Seu olhar não nos parece estudado ou calculado, apenas seguindo as suas intuições mais íntimas. Sua voz suave e agradável, que guarda para a nossa alegria as suas origens nordestinas, pode a qualquer momento, se assim lhe for exigido, explodir num brado de alta potência dramática. Seu sorriso de menino em corpo de homem também pode ser caracterizado como um de seus fortes atrativos. Todas essas qualidades já lhe garantiram oportunidades em filmes como “Pequeno Dicionário Amoroso 2”, “Por Trás do Céu” (ganhou o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante no Cine-PE em 2016, como Micuim) e “Anjos da Lapa”, em que personifica o cantor e compositor Marcelo D2, e nos palcos, como nos espetáculos “Cachorro Quente” (onde explorou seus dotes para a comédia) e “Fazendo História”. Os admiradores do ator, que adora tirar lindas fotos em suas andanças, já têm o que comemorar. Renato está escalado para viver um príncipe em uma trama das 19h escrita por Daniel Adjafre, “E Deus Salve o Rei”. Renato Góes é assim. Simples e sensível. Generoso com seus personagens. Generoso com sua própria história e a dos autores. Um ator que respeita o seu tempo e a sua raiz. Um artista que contracena com a mesma intensidade não se importando se o ator é um veterano consagrado, um jovem iniciante ou mesmo uma criança. Renato Góes é um ator adulto com sorriso, alma e emoção de criança. Renato Góes é verdadeiro. Por isso faz sucesso. Seus dias têm sido assim… Deus salve o Renato.

rubinho-2
Foto: Gshow

Ele é bonito, jovem, simpático, educado e comunicativo. É casado com uma bela mulher, Bibi (Juliana Paes), que o ama intensamente, e pai de um filho, Dedé (João Bravo), que o admira. Rubens Feitosa, ou Rubinho (Emílio Dantas), como é mais conhecido, é um aplicado estudante de Química, mas não concluiu a faculdade. Fala vários idiomas, o que deixa os seus pares impressionados. Realiza com habilidade uma série de consertos domésticos para os seus vizinhos, conquistando-os irremediavelmente. Conseguiu uma boa casa para morar com sua família, quando até então dormia com a sua esposa no chão frio e insalubre de um espaço que servia de depósito para um bar, na companhia de ratos. Seu filho ficava com a avó Aurora (Elizangela). Empregou-se como maître de um sofisticado restaurante (um pedido de Caio, Rodrigo Lombardi, a Dantas, Edson Celulari, seu proprietário). Tudo parecia estar dando certo para Rubinho. Porém, não lhe era o suficiente. Ele queria mais. Muito mais. Começou a dar telefonemas suspeitos. Passou a não frequentar as aulas de seu curso acadêmico. As desculpas e mentiras contadas como justificativas de suas seguidas ausências no trabalho e em casa recrudesceram. Não satisfeito em pagar o módico aluguel de sua residência, decidiu comprá-la com um vultoso sinal. Sempre com um sorriso aberto e cativante no rosto, o rapaz de forte presença cria expectativas em Bibi com promessas megalômanas, para a desconfiança de sua sogra. Sempre que pode oferece regalos à sua esposa. Comunica aos seus familiares que agora está fazendo corretagem entre os abastados clientes do restaurante, desagradando Caio, o ex-namorado de Bibi que decidiu ajudá-los para “se sentir por cima”, depois de ter sido traído pela moça (com Rubinho) que adora pagodes e uma cerveja gelada, quando estavam prestes a se casar. Vangloria-se de que a vida de todos irá mudar, de que irá “entrar numa grana preta”. Bibi, talvez por amá-lo tanto, não consegue enxergar que algo errado está acontecendo. Suas cismas são com possíveis traições conjugais. Nada que um vistoso vestido novo a faça esquecer de suas efêmeras dúvidas. A ostentação de Rubinho ganha proporções cada vez maiores. Resolve, após um episódio traumático narrado a seguir, viajar com a sua parceira para uma pousada portentosa em Angra, no Rio de Janeiro. Ele acha que o dinheiro é a solução para tudo, e este pensamento alimenta a sua desmedida ambição. Para Bibi, com seu incontido romantismo, o que vale é o amor. O exibicionismo material do marido chama a atenção de sua vizinha Heleninha (Totia Meireles). O menino Yuri (Drico Alves), seu filho, considerado um alienado por ser adepto de “cosplays”, esbanja esperteza, e percebe a conduta duvidosa do rapaz de barbas ruivas bem cuidadas. Yuri o flagra entrando apressado em um carro de cor escura, quando havia dito para a sua mulher que tinha pegado um táxi. Como um bom adolescente dos dias atuais, registrou o fato em fotos. O menino que se inspira em personagens de animes japoneses para se vestir, ainda tem o que revelar. As conversas do maître com estranhos se tornam mais claras para o público. Rubinho é um traficante de drogas, e está se preparando para participar de uma ousada entrega de entorpecentes no Rio de Janeiro, envolvendo uma quadrilha altamente perigosa e organizada. Sua função seria acompanhar o comboio ao lado de um outro traficante, também com boa aparência. Bibi, vítima de sua acentuada ingenuidade, crê que o seu esposo foi fechar um rentável negócio de corretagem. Imprudentemente, o “aprendiz de traficante” faz uma ligação telefônica para ela, sem sequer imaginar que estava sendo interceptada pela polícia comandada pela durona oficial Jeiza (Paolla Oliveira). Em uma cena reconhecidamente bem conduzida pela equipe de diretores de “A Força do Querer”, de Gloria Perez, liderada pelo diretor de núcleo Rogério Gomes, com a direção geral de Pedro Vasconcelos, tendo como uma das locações a Ponte Rio-Niterói, a tropa militar capitaneada pela Major Jeiza já está a postos para desbaratar a organização. A operação policial provoca um imenso engarrafamento de veículos, dentre os quais se encontra o de Rubens com o seu comparsa. Antes disso, há uma observação interessante do maître com propensões para o crime. Ele já pensa em crescer na hierarquia da quadrilha. No momento em que os traficantes são desmascarados, Emílio Dantas exibe impressionante e convincente tensão de seu personagem, comprovando-nos de que compreendeu com inteligência interpretativa o perfil imaginado pela autora. Ali, naquele instante, testemunhamos o patente medo do criminoso amador na iminência de ser pego. Uma troca de tiros entre policiais e bandidos é deflagrada, nada que não nos pareça familiar no Estado do Rio de Janeiro, principalmente com civis inocentes na rota dos disparos. Desesperado, Rubinho sai do carro, e adentra num ônibus lotado de passageiros parado logo atrás. Jeiza vê o exato momento em que Rubinho se comunica com o seu cúmplice, minutos antes. A policial praticante de MMA detém o rapaz, e o leva à delegacia. Lá, estarrece-nos a ímpar capacidade de Rubinho em levar as suas mentiras às últimas consequências. Nesta hora em que mente, demonstra ser um qualificado profissional do crime. Consegue arranjar um álibi, o que acaba convencendo o delegado de plantão de sua inocência. Mas não Jeiza. Realmente, a sua boa estampa, a sua lábia afiada, o fato de possuir um emprego fixo em um lugar prestigiado facilitaram com que a sua versão fosse aceita pela autoridade. Além do mais, Jeiza não tinha provas, mas apenas uma “impressão” de que o rapaz estava envolvido no crime. A oficial não se conforma, e promete a si mesma que irá provar a participação do depoente. Rubinho volta para a sua casa com uma indignada Bibi. Em outra cena bastante interessante da novela das 21h da Rede Globo, que tem se destacado pelos ótimos núcleos, e pela abordagem de assuntos pontuados pela sua relevância, a policial vai com o seu namorado machista, o divertido Zeca (Marco Pigossi) a um restaurante. E, claro, trata-se do local de trabalho do alvo de investigação da filha de Cândida (Gisele Fróes), a desembaraçada moradora de Portugal Pequeno, em Niterói, no Rio de Janeiro. O clima latente de enfrentamento entre Jeiza e Rubinho foi um ponto alto dos recentes capítulos da trama. Enganou-se o telespectador ao pensar que Rubinho interrompesse as suas práticas delituosas, pelo menos após o susto que tomara. Rubens voltou mais voraz do que nunca. Os telefonemas fora de hora retornaram. O jovem aparece na porta de casa com um moderno e caro carro, possivelmente o mesmo conduzido pelo seu comparsa na noite em que Yuri os flagrou. O menino novamente registra com fotos, e as guarda. Bibi, mais uma vez, acredita na prosperidade quase mágica de seu marido. E com ela, as desconfianças dos demais também se acentuam. Nos capítulos de ontem e anteontem, Jeiza se dedica a ouvir com cautela e paciência a mensagem de áudio interceptada por sua equipe. Ela ouve. Ouve. Aquela voz lhe soa conhecida. Num competente trabalho de junção de imagens da direção, a moça se recorda de seu reencontro com o maître, e a sua dúvida se dissipa, dizendo proximamente: “É o maître…”. E após: “Bingo!”. Rubinho está organizando uma badalada festa de aniversário para sua esposa na gafieira frequentada por parte dos personagens, com direito à apresentação de um cantor popular. O capítulo de ontem nos mostrou a decisão de Jeiza de prendê-lo no instante da celebração, fato que, com certeza, garantirá ótimas cenas de conflito na exibição da novela hoje à noite. A partir da prisão de Rubinho, iniciar-se-á a história baseada em fatos reais de Fabiana Escobar, a “Bibi Perigosa”, que se tornou a “Baronesa do Pó”. Atualmente, Fabiana, que foi casada com um traficante de drogas de uma comunidade carioca, exerce a profissão de escritora. Com isso, a novela de Gloria Perez terá novas engrenagens dramatúrgicas que movimentarão substancialmente a ação de seu folhetim, elevando o interesse do público. A razão desse texto também é o de ressaltar o admirável trabalho de interpretação do ator Emílio Dantas. Emílio soube com extrema destreza e apuro construir o seu papel de modo que nos envolvêssemos com a sua trama, despertando-nos sentimentos distintos com relação à sua postura. Emílio, um carioca que veio de uma carreira musical em bandas, e um estrondoso sucesso ao personificar no teatro o cantor e compositor Cazuza em “Cazuza – Pro Dia Nascer Feliz, O Musical”, tendo recebido inúmeros prêmios, tornou-se indiscutivelmente uma das inegáveis surpresas de “A Força do Querer”. Apesar de, a princípio, a carreira de ator não ter estado em seus planos, espetáculos sob a direção de Oswaldo Montenegro (“Aldeia dos Ventos” e “Eu Não Moro, Comemoro”), fizeram com que Emílio mudasse, que bom, de opinião. Sua colaboração com Oswaldo Montenegro prosseguiu na área cinematográfica, com o longa “Léo e Bia”. Com Caio Sóh, filmou “Teus Olhos Meus”. Há outros filmes em seu currículo, como “Linda de Morrer”, de Cris D’Amato, “Em Nome da Lei”, de Sergio Rezende, e “Os Saltimbancos Trapalhões – Rumo a Hollywood”, de João Daniel Tikhomiroff. Em setembro, estará na próxima produção de Vicente Amorim, o thriller de terror “Motorrad”. Nos palcos, o intérprete ainda participou de um outro musical de imensa repercussão: “Rock in Rio – O Musical”. Na televisão, defendeu personagens em telenovelas da Rede Record (“Sansão e Dalila”, “Máscaras” e “Dona Xepa”), até ser contratado pela Rede Globo para dar vida ao vilão Pedro de Lucca nas duas fases de “Além do Tempo”, novela de Elizabeth Jhin (Emílio foi considerado uma revelação). Mas sua grande chance, sem dúvida, de mostrar o seu talento para milhões de brasileiros tem sido em “A Força do Querer”, uma telenovela do horário nobre da Rede Globo que vem recebendo excelente aceitação do público e crítica. Emílio Dantas soube agarrá-la, e fez de Rubinho um sucesso. Hoje, Emílio Dantas é um ator com o seu mérito e brilho fortalecidos. Justamente, porque houve o seu querer em convencer com dignidade um personagem que não quis vencer. Mas Emílio Dantas, com seu sorriso cativante e olhos que o acompanham, soube fazer de sua oportunidade uma vitória unânime.

silvana
Foto: TV Globo

Dentre tantos assuntos tratados em sua novela, Gloria Perez tem despertado a nossa atenção para um problema de saúde pública que acomete uma parcela de nossa população: a compulsão pelo jogo. E para representá-lo, a autora escalou uma de nossas atrizes mais talentosas e populares, Lilia Cabral. Não se sabe ao certo quantos jogadores patológicos existem atualmente no Brasil, o que muito se deve à clandestinidade de certas práticas proibidas no país. A também chamada ludomania já é reconhecida como uma doença por especialistas na área, semelhante ao alcoolismo, tabagismo, e ao consumo de drogas. Segundo informações colhidas na área de Coordenação do Programa Ambulatorial do Jogo Patológico (PRO – AMJO), do Hospital das Clínicas de São Paulo, “o jogo compulsivo estimula as mesmas áreas cerebrais (do jogador), sendo o seu comportamento bem semelhante ao do viciado em drogas. Um comportamento compulsivo impulsivo, cuja única diferença que há é o não consumo de uma substância. Mas existe um comportamento que se repete várias vezes na prática de uma atividade”. Felizmente, há tratamentos disponíveis para esse distúrbio psíquico e comportamental, como, inclusive, os “Jogadores Anônimos”. No caso da personagem interpretada por Lilia Cabral, a bem-sucedida arquiteta Silvana, temos uma mulher bonita, madura, casada com um rico empresário (Eurico, Humberto Martins) e mãe de uma filha, Simone (Juliana Paiva). Silvana assume uma dupla postura. Por um lado, é extremamente racional, generosa e sociável (empenha-se com denodo para que Irene, Débora Falabella, sua colega de profissão, não prejudique o casamento de seu cunhado Eugênio, Dan Stulbach). Participa de eventos sociais exibindo elegância, simpatia, bom humor, desenvoltura e naturalidade. E por outro, mostra-se alguém totalmente vítima de sua compulsão pelos jogos, capaz de cometer as maiores insanidades para acobertar o seu vício e mantê-lo. Os principais conflitos, como era de se esperar, ocorrem dentro de sua própria casa, com o marido e a filha. Umas das evidências mais significativas deste distúrbio é a não aceitação do problema pelo jogador compulsivo, além da reiteração de mentiras. Eurico crê que Silvana se livrou desta compulsão, uma ideia alimentada pelas constantes invenções da esposa. Um dos atos mais graves cometidos pela arquiteta envolveu a sua amiga Joyce, Maria Fernanda Cândido. A fim de encobrir uma avolumada perda financeira, R$50.000,00 em um único dia em poucas rodadas de jogos, a mãe de Simone pegou emprestada uma bolsa de grife da concunhada com o intuito de explicar ao irascível marido o porquê do montante sacado em sua conta bancária (a suposta compra da bolsa). Desculpas esdrúxulas se sucedem. Depois de recuperar parte da quantia (R$15.000,00) no jogo, claro, cada vez mais se perdendo em ardis, convence o marido a lhe comprar um carro novo num consórcio, o que acaba não dando muito certo (aproveitar-se-ia de suas prestações). Outra característica que percebemos na personagem de Lilia (que visitou o grupo “Jogadores Anônimos” para se preparar para o papel) é uma acentuada alienação. Silvana não se dá conta da gravidade de sua situação. Diversas vezes ri e se vangloria de suas “vitórias”. Sai do estado de desespero e agonia para o de contentamento assim que atinge os seus objetivos com bastante assiduidade. Sua empregada doméstica Dita (Karla Karenina) lhe serve como confidente de seus desvios. Não lhe resta o que fazer senão preservar a patroa, ajudando-a no mascaramento de sua conduta reprovável, a despeito de sua real preocupação. Ao notar que as suas apostas estão lhe causando visíveis prejuízos conjugais, Silvana, que foi chantageada pela perigosa Irene, decide saciar sua compulsão em games na internet. Mas sempre valendo dinheiro. Sua filha descobre, e bloqueia os sites. Para a jogadora, centenas de reais não são nada, são “merrecas”. Simone se impõe perante a mãe, e lhe aconselha a procurar auxílio psicológico. Jamais passa pela sua cabeça de que esteja doente. A elegante mulher ainda não atentou para o fato de que está se dirigindo para o fundo do poço. Seu trabalho como arquiteta, até então valorizado, começa a ser afetado. Silvana não atende às ligações dos clientes, não entrega projetos, não comparece às reuniões. Quando Eurico descobrir a verdade escondida por sua esposa, o casamento poderá ruir. A falência financeira da apostadora é uma questão de tempo. Em uma cena recente, Silvana furta uma quantia de dinheiro de seu marido. Acha que não fará falta. Vendo que os funcionários, o motorista Nonato (Silvero Pereira) e a secretária da empresa Biga (Mariana Xavier) foram considerados suspeitos, salva-os… contando uma mentira. Dos pequenos delitos nascem os grandes. Empenhou suas joias. Pediu dinheiro emprestado a Caio, Rodrigo Lombardi, mentindo sobre a razão de lhe pedir (disse que seria para o conserto do seu carro; Caio, sabedor de seu vício, tão logo descobriu). Silvana, pouco a pouco, perde-se em um emaranhado de erros, em que noções de valores de ética e moral são ignorados. No tocante a outro elemento que distingue a personalidade de um jogador patológico, e que facilmente é reconhecido em Silvana, é o tipo de conduta que a leva a jogar sempre mais: se numa mesa de pôquer perde, joga de novo para recuperar o que perdeu; se ganha, julga estar com sorte, e que esta lhe proporcionará mais ganhos. É um círculo literalmente vicioso e temerário. Há entre os jogadores um código tácito de respeito às “regras do jogo”. Não há leniência para o jogador que perde. Se perdeu, não importa o valor, tem que pagar. Não sabemos até que ponto pode ir uma cobrança. Silvana mesma foi cobrada na porta de casa por não ter respeitado estas “leis”. O último de seus excessos cometidos foi o furto de um relógio valioso do pai de Eurico. Age realmente como uma viciada em drogas. A novela “A Força do Querer” nos mostra que a compulsão por jogos é democrática. Ela pode atingir uma mulher culta e educada, com nível superior, bem casada e sofisticada. A escolha de Lilia Cabral para dar vida a esta mulher cheia de angústias, aflições e ansiedades infiltradas em uma rotina aparentemente normal aos olhos dos outros foi acertadíssima. Lilia, uma de nossas mais prestigiadas atrizes, com um currículo respeitável na televisão (“Vale Tudo”, “Tieta”, “A Favorita”, “Viver a Vida”, “Fina Estampa” e “Império”), no teatro (“Solteira, Casada, Viúva, Divorciada”, “Divã” e “Maria do Caritó”) e cinema (“Divã”) possui uma admirável qualidade de fazer com que o público conduza a sua atenção para os contornos interpretativos que desenha para o seu papel. Ela pode ser tanto uma secretária fofoqueira e uma carola, quanto uma esposa maltratada pelo marido, uma mãe que se sacrifica pela filha, uma mulher do povo, ou alguém com poder, força e sofisticação, não importa, Lilia Cabral consegue abrilhantar cada um desses tipos tão distantes um do outro. A atriz, que ostenta belíssimos sorriso e olhos, cativa-nos com as suas emoção, verdade e presença cênica. Não nos parece que se utilize de técnicas. A sua ferramenta de atuação é a sua legítima vocação para orná-la com o máximo de nuances que lhe conferem indiscutível credibilidade e empatia. O seu trânsito com incrível desembaraço pelo drama e comédia é um de seus inquestionáveis méritos como artista. Costumo dizer que há certas atrizes que nos emocionam, e Lilia Cabral é uma delas. A abordagem deste tema por Gloria Perez em “A Força do Querer”, valendo-se de uma atriz do porte de Lilia Cabral, é demasiado válida. Que sirva de alerta para os telespectadores acerca dos riscos que são intrínsecos às compulsões, que são muitos. Que sirva de incentivo para aqueles que padecem deste transtorno em pedir socorro médico. Que convença que o jogo só justifica a sua existência quando o seu alvo é a diversão. Que as apostas de Silvana, assim que reconhecer o seu complexo drama, não sejam mais em uma mesa de pôquer, e sim na reconquista das suas perdidas felicidade e paz. Basta que Silvana tenha força. Basta que ela queira. Basta que interrompa este “jogo da vida” perigoso que criara para si mesma. Apostas encerradas.