” ‘Marlene Dietrich – As Pernas do Século’ é uma ótima e obrigatória peça teatral que retrata fielmente o mito em questão. “

Publicado: 12/05/2012 em Teatro

marlen1
Foto: Adelson Brasil/Divulgação

Ribalta à vista. Local em penumbra. Fumaça dá ambiência de mistério. O preto predomina. Três cadeiras metálicas estão perfiladas no proscênio. Ao fundo, do lado esquerdo, confortável poltrona “capitonner” ladeada por pequena mesa na qual garrafas e copos estão dispostos. Estes encimados por belo e clássico lustre. Um tapete serve de adorno. Ainda no tocante à cenografia, há o sempre infalível telão que exibe tanto imagens dos filmes de Marlene Dietrich como de fatos históricos pelos quais a atriz e cantora passou. Trabalho coerente de William Pereira, que também dirige a peça. Aliás, nesta função, William sai-se muito bem, privilegiando a não estagnação da história, focando-se na atuação dos intérpretes, e nas várias apresentações musicais (um dos pontos altos do espetáculo). O diretor utiliza-se de modo pleno do espaço cênico, inclusive o “background” para os shows. Os competentíssimos músicos foram colocados no lado direito do palco. A música ao vivo faz toda a diferença para que se buscasse um resultado compensador e agradável. Outro fato a se relevar é a preparação corporal que ficou a cargo da consagrada Marcia Rubin. Marcia procurou valorizar sobremaneira o gestual do elenco. Talvez, a sua tarefa mais dificultosa tenha sido ajudar Sylvia Bandeira a compor uma Marlene o mais convincente possível. E conseguiu. A iluminação do respeitado Paulo Cesar Medeiros aposta em contrastes, sombras, e focos em único artista (com destaque nas performances). Algo expressionista. Há lindo momento em que Marlene Dietrich é iluminada apenas por lanternas. A luminosidade do lustre supracitado impinge charme geral. Um acerto. A direção musical de Roberto Bahal é primorosa. Nossos ouvidos são acarinhados com bonitas e emblemáticas canções (de origens linguísticas diversas), inclusive “Luar do Sertão” e “Blowin’ in the Wind”. Os figurinos de Marcelo Marques são luxuosos, caprichados, pensados com prudência para que não escapassem à época em pauta. O “peignoir” usado por Sylvia é estampado com tons de cinza. Todavia, há o preto, o neutro, o brilho, e um suntuoso vestido longo vermelho trajado por Marciah Luna Cabral (integrante do “cast” e responsável pela notável preparação vocal). Aimar Labaki, o autor do texto, cumpriu com excelência a missão nada fácil de mostrar painel tão rico quanto atribulado de uma das figuras mais admiradas e polêmicas do século XX. Os diálogos fluem, o que torna a compreensão do enredo palatável para o público. Quanto às interpretações, Sylvia Bandeira personifica de forma gloriosa, sensível e bem-humorada a diva Marlene Dietrich. Não é ofício com facilidades. Ao sair do teatro, tive a nítida impressão de que Sylvia atingiu a melhor fase da carreira, demonstrando capacidade interpretativa irrefutável. Já José Mauro Brant, Silvio Ferrari, e Marciah Luna Cabral desdobram-se em vários papéis com evidente correção. No palco, vemos desfile de nomes ilustres da Arte mundial, como Edith Piaf, Maurice Chevalier, Gary Cooper, Josef Von Sternberg, Jean Gabin e John Gilbert. A peça conquista a meta almejada: emociona, distrai, e nos faz conhecer melhor esta controvertida e importante mulher que viveu intensamente. O “Anjo Azul” logrou com que, ao final do que assistimos, tudo aquilo que ao nosso redor estava ficasse mais azul.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s