“Ela”

Publicado: 17/05/2012 em Poema

mae-e-filho11

A minha homenagem às mães.

Nela, dormi

Não senti frio

Era quente

Acolhedor

E não senti fome

Que bom lugar para se ficar

Tive que sair

Sob a luz de um clarão

Chorei, chorei muito

Ouvi vozes

Não estava mais tão quente

Nem era mais tão acolhedor

Mas senti que era a hora

A hora de morar em outro lugar

Maior, diferente, cheio de coisas novas

Continuei a não sentir fome

E o frio passou de outra forma

Escutei sons que não entendia

Certo estava de que eram bonitos

E que serviriam para o meu bem

Sentia-me feliz

E todas as vezes que chorava

Aquele alguém que me guardou por longo tempo

Enxugava os meus olhos

E tudo ficava mais claro

Um claro parecido com o primeiro clarão

Depois, fiquei sabendo que quem me acolheu

E não me deixou sentir fome e frio

Além de me dar algo que chamam de amor

Tem um nome

Curto, bonito e forte

MÃE.

Paulo Ruch

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s