“Os gêmeos e sósias nas novelas.”

Publicado: 07/09/2012 em TV

2509652-7337-rec
Foto: Divulgação/TV Globo

No início da década de 80, mas precisamente no ano de 1981, ia ao ar pela Rede Globo, a partir das 20h, a novela “Baila Comigo”, de Manoel Carlos, cuja história tinha como eixo central dois gêmeos, Quinzinho e João Victor (Tony Ramos), que foram criados por famílias diferentes, e um não sabia da existência do outro. Quinzinho recebeu a educação de Helena (Lilian Lemmertz), a mãe legítima, e seu marido Plínio (Fernando Torres), e João Victor a de Joaquim (Raul Cortez), o pai biológico, e sua esposa Martha (Tereza Rachel). Uma curiosidade: Lilian interpretou a primeira Helena de Manoel Carlos. Lembro-me que na época houve uma preocupação geral por parte dos responsáveis pelo folhetim em como se daria o encontro dos gêmeos. O grande problema é que não havia os recursos técnicos que se possui hoje para se colocar um ator duplicado em cena (como o chroma key). No final, o que foi apresentado agradou. Foram utilizadas as possiblidades existentes, associadas ao talento de Tony Ramos e à direção precisa de Roberto Talma e Paulo Ubiratan. O resultado foi comovente, com destaque para o fato de que ambos os irmãos estavam no escuro, e por meio de uma lanterna viram o rosto um do outro pela primeira vez. A música de fundo também era tocante. Atualmente, a televisão dispõe de mecanismos de alta tecnologia para realizar este tipo de feito, como acontece em “Cheias de Charme”, de Filipe Miguez e Izabel de Oliveira, com o personagem duplo de Ricardo Tozzi (foto), Inácio e Fabian. Façamos agora um retrospecto de alguns atores e atrizes que enfrentaram o desafio de incorporar gêmeos (Ricardo Tozzi até então interpretaria sósias). Eva Wilma, como Ruth e Raquel, na primeira versão de “Mulheres de Areia”, de Ivani Ribeiro, que foi exibida na TV Tupi em 1973. Gloria Pires no “remake” desta novela em 1993, na Rede Globo; “Maria, Maria”, de Manoel Carlos baseado no romance de Lindolfo Rocha, “Maria Dusá”. As gêmeas Maria Alves e Maria Dusá foram defendidas por Nívea Maria em 1978. Em “O Outro” (1987), de Aguinaldo Silva, Francisco Cuoco personificou os sósias Paulo Della Santa e Denizard de Mattos. Christiane Torloni deu vida às sósias Fernanda e Vivi em “Cara & Coroa”, de Antonio Calmon, em 1995/1996. Em 2001/2002, Murilo Benício atuou como os irmãos Lucas e Diogo, e com a particularidade de haver um clone, Leo/Leandro, em “O Clone”, de Gloria Perez. Os autores Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares escreveram em 2001 “Porto dos Milagres”, uma livre adaptação das obras de Jorge Amado, “Mar Morto” e “A Descoberta da América pelos Turcos”, na qual Antonio Fagundes interpretava os gêmeos Félix e Bartolomeu. Já em “Da Cor do Pecado” (2004), de João Emanuel Carneiro, Reynaldo Gianecchini ganhou os papéis dos gêmeos Luca e Paco. Alessandra Negrini, em 2007, teve como personagens as irmãs Paula e Taís, criadas por Gilberto Braga e Ricardo Linhares para “Paraíso Tropical”. E “Viver a Vida”, de Manoel Carlos, que foi exibida nos anos de 2009 e 2010, Mateus Solano atuou duplamente, como os irmãos Jorge e Miguel. Como se vê, muitos foram os intérpretes que emprestaram seus rosto, talento e emoção para dar vida a gêmeos ou sósias, fato que, sem dúvida se bem construído, o enredo atrai o telespectador. Se o autor for bom, tem em mãos um rico manancial para criar situações de conflito, e tornar a novela mais interessante.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s