“Rede Manchete: os tempos de glória de uma TV em uma rua da Glória.”

Publicado: 25/01/2013 em TV

ingra-liberato-poster
Foto/Divulgação

Todas as vezes em que eu passava em frente ao suntuoso prédio envidraçado que se localiza na Rua do Russel, na Glória, Rio de Janeiro, e que serviu de sede para a Rede Manchete, inaugurada em 1983 e extinta em 1999, lembro-me com nostagia e uma certa tristeza de que aquele lugar, durante mais de uma década, foi palco de uma série de programas inesquecíveis e bem feitos que marcaram uma época. Novelas, minisséries, filmes antigos, telejornais com incontestável profissionalismo, cobertura ampla do esporte e do Carnaval, e atrações de outro gênero de igual qualidade. Uma emissora que apostou na competência de atores, jornalistas, autores e apresentadores, e muitos deles atualmente estão num alto patamar de realização. Foi na sua programação que testemunhamos importantes obras da teledramaturgia que retratavam fatos históricos do Brasil, como “Dona Beija”, “A Marquesa de Santos” e “Xica da Silva”. As duas primeiras credenciaram Maitê Proença como uma das atrizes mais comentadas naquele momento (as suas cenas sensuais arrebatavam o público), e a terceira lançou Taís Araújo, intérprete bastante requisitada nos dias de hoje. Walter Avancini, o diretor, fez questão absoluta que aquela jovem em início de carreira fosse a protagonista. Walcyr Carrasco, prestigiado autor da Rede Globo, escreveu a história. Alguns autores migraram para a nova emissora, como Benedito Ruy Barbosa, Wilson Aguiar Filho e Gloria Perez. Benedito foi responsável por um dos maiores sucessos já presenciados na televisão, a novela “Pantanal” (foto). Cristiana Oliveira foi outra atriz que passou a ser admirada e querida no país inteiro, com a sua Juma Marruá. No elenco, havia Cláudio Marzo, Marcos Winter, Marcos Palmeira, Carolina Ferraz (estreando em folhetins), Andrea Richa, Ângelo Antônio (sua estreia), Jussara Freire e Ingra Liberato. O diretor era ninguém menos que Jayme Monjardim, que com suas imagens panorâmicas de belas paisagens tropicais, exibidas ao som das composições de Marcos Viana, conquistou os telespectadores. Jayme atualmente é diretor de núcleo da Rede Globo, assim como Marcos Schechtman, que também dirigiu produções na Rede Manchete. Tizuka Yamazaki, renomada cineasta, comandou “Kananga do Japão”, com Christiane Torloni e Ana Beatriz Nogueira. Quanto a Gloria Perez, ficou encarregada de contar um enredo em “Carmem”, cujo personagem-título coube a Lucélia Santos. Outra novela de grande êxito foi “A História de Ana Raio e Zé Trovão”. Ana era defendida por Ingra Liberato (foto) e Zé por Almir Sater. Tamara Taxman destacou-se como Dolores Estrada. Houve outras atrações teledramatúrgicas, como “Santa Marta Fabril S.A”, “Corpo Santo”, “Tocaia Grande”, “Mandacaru” e “Amazônia”. No que concerne ao Carnaval, a emissora cobria os impagáveis e luxuosos desfiles de fantasias no Hotel Glória, e foi a única emissora a transmitir os dois dias de desfile das Escolas de Samba do Rio de Janeiro, na inauguração do Sambódromo, no ano de 1984. O jornalismo era um dos carros-chefes da TV Manchete. Tinha-se como meta um aprofundamento maior das notícias. Comentaristas do naipe de Carlos Chagas e Villas-Bôas Corrêa emitiam suas precisas opiniões. Passamos a conhecer os âncoras Ronaldo Rosas, Carlos Bianchini e Leila Richers. Eliakim Araújo, Leila Cordeiro, Marcos Hummel e Marcia Peltier também assumiram a bancada do “Jornal da Manchete”, que possuía duas edições. Roberto D’Ávila conduziu com extrema habilidade o programa de entrevistas “Conexão Internacional”, no qual os convidados eram notáveis representantes dos cenários político, cultural etc. Na área dedicada ao cinema, o crítico Wilson Cunha apresentava o “Cinemania”, um deleite para os cinéfilos com todas as informações sobre a Sétima Arte. E como não mencionar “Acredite Se Quiser”, em que o ator americano Jack Palance narrava acontecimentos extraordinários? No campo infantil, afora desenhos clássicos como Manda-Chuva, o experiente diretor Maurício Shermann (diretor do “Zorra Total”) colocou uma até então modelo como apresentadora de uma produção voltada para o público mirim, “Clube da Criança”. Começava ali o fenômeno de apelo popular no qual se transformaria Xuxa. Com a sua ida para a Rede Globo, uma outra moça que iniciara a carreira ainda criança passou a animar o programa. Estamos falando de Angélica, que construiu sólida trajetória como apresentadora/entrevistadora, e mantém seu prestígio intacto. Assim como Xuxa Meneguel, rumou para a emissora carioca. Agora, o prédio suntuoso e envidraçado da Rua do Russel, na Glória, continua lá. Não há mais o logotipo marcante no seu topo. Que fim ele levou? A TV Manchete acabou. Teve o seu tempo. Tempo de glória. Um tempo de glória numa rua do Rio de Janeiro no bairro da Glória.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s