” ‘Crônicas do Amor Mal Amado ‘ disseca com leveza, humor e inteligência os caminhos e descaminhos de sentimento que nos é tão caro: o amor. ”

Publicado: 17/12/2013 em Teatro

1470317_1440482692839611_1563756853_n
Foto: Divulgação do espetáculo

Para você o que é o amor? Poetas, compositores, escritores, cineastas, estudiosos e cientistas já tentaram explicá-lo. Porém, o fato é que em definitivo nunca se chegou a uma resposta concreta. Com suas ramificações, oscilações e níveis de intensidade múltiplos, o amor brada por sua permanência entre nós, que pugnamos por incluí-lo em cotidianos próprios, rasteiros e vazios. Assim como estes, o amor também pode ser rasteiro e vazio, se não soubermos vivenciá-lo com generosidade e aceitação do diferente. E o que talvez mais dificulte a sua prática efetiva seja a necessidade da cumplicidade nem sempre correspondida do outro. O “outro”, de quem tanto precisamos, afasta-se invariavelmente da essência que preservamos para nos identificarmos como seres individuais. E aquela fica na espera vã de ser completa. Independente de gêneros e orientações sexuais, o ato de amar, que deveria ser espontâneo, natural, nato, peça indissociável da pessoa humana tornou-se de maneira inequívoca algo complicado, propulsor de conflitos e desencadeador da desalentadora revelação do gigantismo das desigualdades que nos separam. O impasse descrito não é prerrogativa absoluta da contemporaneidade. Desde priscas eras, a voz que exclamava acerca dos obstáculos que subvertiam os princípios amorosos ideais já se fazia ouvir por entre montanhas imaginárias. E se falamos em amor, a óbvia consequência é discorrer sobre o que atrelado a ele está: o sexo. O sexo prazeroso em seu cerne pode ser desgostoso se não acompanhar com coerência o sentimento que o antecede. O dramaturgo Raul Franco com posicionamento audaz arrisca-se a abordar, e obtém êxito, complexo tema, enriquecendo-o com sua visão particular. O famigerado amor que se posiciona na superficialidade dos diálogos ocos que testemunhamos no dia a dia provindos de mentes tão ocas quanto que idolatram sociedade perdida e desqualificada em seus valores. Raul, em “Crônicas do Amor Mal Amado” (uma coprodução da Biarte e Agentejunto, com produção executiva de Yuri Sardenberg) conduz com habilidade, emoção, conhecimento de causa e abertura para o humor a transposição não fácil do que pensa em linhas narrativas que formam amálgama convincente. E a tarefa inglória que, se bem feita, atinge a glória, solicitaria colaboração conjunta e em consonância de acordos de profissionais que bem assimilassem a proposta de bravas pretensões do autor. Uma direção firme, sem amarras, liberta de preconceitos, associada ao que se compreende por ser sensível e com obrigatório olhar técnico na formatação de espetáculo cênico se faria urgente para que se lograsse sucesso esperado. Bia Oliveira, com as assistências de direção de Linda Lumière e Luca Pougy, cumpre com garbo missão digna e nobre de traçar amplo, esclarecedor, informativo e divertido painel que destrincha, discute, debate e por que não ironiza com elegância os “fragmentos de um discurso amoroso”, com a sua licença Barthes. Na encenação o que se vê são acontecimentos, esquetes representativos das situações interpessoais que mais nos afligem e a abordagem sem inútil pudor de questões que assumem importância vital para a perenidade de um relacionamento. Apegando-se ao cômico, utiliza-se da parábola bíblica de Adão e Eva com fins de demonstração de que a relação homem/mulher já sofria influências complicadoras para proveitoso entendimento entre o masculino e o feminino. A efemeridade dos romances, casos, namoros, casamentos ou quaisquer tipos de união não são preteridos, e notamos o quão triste é esta ausência de aliança anímica e doída é a constatação de que somente o toque, a sensação tátil sobre matéria física com objetivos únicos de fugazes êxtases são supervalorizados. Mitos são desmistificados. O machismo continua vigente. O romantismo é “démodé”. De que adiantaram sutiãs queimados em via pública se a não contestada independência das mulheres ocasionou o afastamento dos homens? Por que de modo progressivo nos deparamos com homens procurando afeto em homens e mulheres carinho em outras? O que há de errado para que as “Leis da Natureza” sejam transgredidas? Deduzo que existe busca desesperada com aceleração máxima de mínima afetividade, nem que para isso nos seja forçoso desmoronar preconceitos incrustados em cabeças na infância por “educadores” e “religiosos” hipócritas. Deixemos de lado irrelevâncias como tamanhos de órgão masculino e quantidade ou não existência de orgasmos femininos. Por que procuram tanto este tal “Ponto” com letra de alfabeto? Balelas e mais balelas para teses esdrúxulas de Mestrado. Quem são os cabotinos sexólogos para nos dizer o que é certo ou errado? O que vale é o amor, seja de que forma for. O que vale é se sentir bem ao lado de semelhante em cama macia. Acordar e lhe dar “Bom dia!”. Não se deixem importunar por roncos ou hálitos não perfumados ao amanhecer. Não estamos em sonho. Estamos em vida. Somos falíveis e algumas vezes incríveis. Deixemos os príncipes e princesas encantados para os Irmãos Grimm e Walt Disney. Saiamos do “castelo”, e vamos para o logradouro, pois é lá que está a vida. Já os encontros virtuais ao se tornarem reais fazem com que caiam inexoravelmente máscaras usadas com cálculo e premeditação. O mundo virtual é “belo”, uma fantasia traiçoeira que vicia, que distancia mais que aproxima, e que pode originar antissociabilidade irreversível. Os atores Camila Hage, Felipe Roque e Luca Pougy desprendem-se cenicamente, sem grilhões nem tampouco laços que os reprimam, nas suas interpretações. Estas são verdadeiras, legítimas, honestas, emocionantes e usando vocábulo simples mas rico em significância, bonitas. Ao nos defrontarmos com a juventude contagiante de Camila, Felipe e Luca nos imbuímos de que há esperança na renovação artística, na preservação da vontade autêntica de lindos moços e moça no intuito pétreo de escancarar sua expressão da Arte. A direção de movimento de Igor Pontes oferece dinâmica irrepreensível à montagem, evidenciada nos variados personagens defendidos pelo elenco. A trilha de Bia Oliveira cumpre eficiente e adequado papel na configuração lógica do todo, com preciosa participação da cantora e compositora Bárbara Dias (e sua dulcíssima e afinada voz) que escreveu exclusivamente para o espetáculo lindas canções. O cenário da Biarte e Agentejunto procura e atinge aproximação profícua, prática, congruente e em conformidade com o “script”. Sofá cama com almofadas pretas e vermelhas, duas pequenas mesas (uma preta e outra branca), com formosos abajures a encimá-las, cabideiros, dois imponentes painéis brancos dependurados ao fundo, cadeira sofisticada com estofamento branco e luminária moderna a ladeá-lo sobre tablado constroem panorama cenográfico aconchegante e atraente. A iluminação de Frederico Eça adota notável capricho visual, aproveitando infinitas possibilidades do poder de beleza das cores, como azul e verde, e o fascínio irresistível que o manuseio correto e emotivo da força das luzes em distintos bruxuleios, sombreados, focos e planos abertos possuem. Os figurinos de Bárbara Brigido são com louvor compatíveis com as intenções dramatúrgicas. Usam-se jeans, tênis, casacos, blazer, colete, blusa xadrez, sapatos sociais, boina, écharpe, óculos com armações diversas, sunga e vestido estampados, tubo preto com brilho nas costas, escarpins, t-shirt, short, roupa íntima masculina e robe. Um vasto e criativo apanhado das tendências de vestuário à disposição. “Crônicas do Amor Mal Amado” ocupa honorário espaço na cena teatral carioca o qual não podemos ignorar ao intentar, como já fora dito, esclarecimento sobre sensação inefável que ora pode nos atrair ora pode nos repelir: o amor. O amor, suponho, continuará não resolvido, porquanto é possível que seja um pouco mais entendido. Vinicius no começo é citado com seu “Soneto de Fidelidade”: “Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure.”. É função nossa, creio, barrarmos quaisquer brisas de vento mal-intencionadas que queiram apagar esta chama. Coloquemos palmas de mãos ao seu redor, protegendo-a, pois raro é o amor. Por isso nos é tão caro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s