“Como Bibi Perigosa, em ‘A Força do Querer’, Juliana Paes choca o público com a melhor interpretação de toda a sua bem-sucedida carreira, ao personificar uma mulher que abandona os seus sonhos, e entra para o mundo do crime, por causa de sua paixão obsessiva pelo marido, que não lhe oferece amor, e sim bastante adrenalina. “

Publicado: 22/08/2017 em TV

bibi-juliana-paes-1
Foto: Divulgação/Gshow

No início deste ano, Juliana Paes, uma das maiores estrelas da televisão brasileira, detentora de uma popularidade impressionante, já havia nos impactado com a personagem Zana, na primeira fase da minissérie de Maria Camargo adaptada do livro de Milton Hatoum, “Dois Irmãos”, na Rede Globo (na fase seguinte, com o mesmo brilho, Zana foi interpretada por Eliane Giardini). Neste papel, Juliana, que é natural de Rio Bonito, interior do Estado do Rio de Janeiro, demonstrou uma potência dramática de elevadíssimo nível, como a mãe sofredora de dois filhos gêmeos homens que nutriam um pelo outro sentimentos intensos de ódio, ciúme e inveja (Omar e Yaqub foram defendidos por Cauã Reymond). Esta composição de Juliana, a despeito da produção ter sido gravada em 2015, já poderia ser eleita como uma das melhores do ano na TV. Entretanto, no começo de abril, estreava “A Força do Querer”, a nova novela de Gloria Perez após cinco anos, que viria a nos mostrar mais uma notável atuação de Juliana Paes. Alguns de seus grandes chamarizes seriam a reunião de atores (muitos deles comumente escalados como protagonistas de outras obras) em distintos núcleos, e a abordagem de temas com vieses polêmicos (como Gloria está habituada a fazer), sem preterir os elementos clássicos que definem uma atração deste gênero. Em um desses núcleos, está Juliana, que despontou para o Brasil ao viver Ritinha, a empregada doméstica que encantava o seu patrão Danilo, Alexandre Borges, em “Laços de Família”, de Manoel Carlos (2000). Um enorme desafio em sua bem-sucedida carreira lhe caberia nesta trama do horário nobre que tem atingido ótimos índices de audiência e repercussão como há muito não se via: personificar Bibi, uma mulher que acaba se envolvendo com o crime a fim de não abandonar o seu marido Rubinho (Emílio Dantas em atuação arrebatadora), acusado e preso por tráfico de entorpecentes. Baseada em fatos reais extraídos do livro “Perigosa”, de Fabiana Escobar, a história de Fabiana se desenvolveu aos poucos na telenovela, revelando-nos todas as etapas de sua vida comum até chegar à fase de seu envolvimento com a ilegalidade. A belíssima Bibi, filha de Aurora (a excelente Elizangela), nos primeiros capítulos de “A Força do Querer”, era noiva de Caio (Rodrigo Lombardi), um sério e dedicado rapaz com um futuro promissor como advogado, que havia conhecido nos tempos acadêmicos. Bibi é passional e ciumenta, e se ressente de não ter a atenção devida de seu parceiro, mais preocupado com suas aspirações profissionais (vale destacar o inspirado e convincente desempenho de Rodrigo Lombardi, repetindo o par com a atriz depois do sucesso de “Caminho das Índias”, da mesma Gloria Perez). O término do compromisso ocorre após o irmão de Heleninha (Totia Meireles) descobrir que está sendo traído por sua companheira, “a mulher que ama grande”, com o garçom Rubinho. Desiludido, Caio abandona seu importante cargo nas empresas Garcia, e viaja, decidido a refazer a sua vida. Neste ínterim, Bibi também segue outros rumos. Sem nunca ter terminado seus estudos de Direito, para desgosto de sua mãe, casa-se com Rubinho, tendo um filho, Dedé (o adorável João Bravo). Trabalhando como cabeleireira e manicure, enquanto seu marido, estudante de Química, faz “bicos”, leva uma vida modesta. A situação econômica dos dois piora, ao ponto de dividirem um colchão num depósito de bar. Até que Caio retorna ao Brasil, e muda todo o contexto da situação. Penalizado com o estado de necessidade em que se encontra a sua ex-noiva, ajuda-a, com a cumplicidade de Aurora, de diferentes maneiras. Oferece-lhe, sem que saiba, em nome de sua mãe, por um módico valor de aluguel, uma boa casa para morar com o seu marido e filho, e pede ao amigo Dantas (Edson Celulari), que empregue Rubinho em seu sofisticado restaurante. A vida do casal parecia finalmente ter entrado nos eixos. Bonito, educado e comunicativo, Rubinho, alçado ao posto de maître, indica-nos que se estabeleceu social e financeiramente, voltando, inclusive, a frequentar a faculdade. Todavia, telefonemas repetidos e fora de hora, além das entradas mal justificadas de dinheiro em casa, levantam as suspeitas de sua sogra. Alegando ser intermediário em transações de corretagem com os clientes do restaurante, Rubinho, na verdade, estava traficando drogas não só em seu local de trabalho, mas na rua onde morava. Bibi procura acreditar nas desculpas do marido, sempre acompanhadas de promessas de uma vida melhor, ao se ausentar de casa, do restaurante e da faculdade, apesar de intuir que possui uma amante. Presentes variados e caros dados à família, a aquisição de um carro moderno e a rápida mudança em seu padrão de vida aumentam as desconfianças não só de Aurora, mas dos vizinhos também (Yuri, representado por Drico Alves, um jovem ator bastante seguro em cena, flagra, com o seu celular, as visitas estranhas recebidas por Rubinho em sua residência). Em outro núcleo, a major Jeiza (Paolla Oliveira em significativo momento de sua trajetória artística) se prepara para comandar uma megaoperação de apreensão de drogas transportadas em caminhões. Na blitz policial, com direito a troca de tiros entre os representantes das leis e os criminosos, Jeiza “teve a impressão” de ter visto Rubinho no bando de delinquentes. Inicia-se aí a jornada implacável da major para provar a culpabilidade do maître como integrante de uma sólida facção criminosa, o que gera, inevitavelmente, a ira de Bibi (as cenas de confronto, que não foram poucas, entre Juliana Paes e Paolla Oliveira, foram invariavelmente marcadas por crescente tensão, exibindo o vultoso talento de ambas). Com o vazamento das fotos tiradas por Yuri, e consequente denúncia de Heleninha, a situação do genro de Aurora se complica. Preso, ameaçado pelos seus colegas de cela, passa a pedir favores à mulher para “levantar a sua moral” junto aos presos. O passo crucial que delimitou a entrada de Bibi no mundo do crime se deu quando incendiou o escritório do restaurante de Dantas com o propósito de destruir os dados comprometedores de Rubens no computador (sua culpa até hoje não foi provada, a despeito da ciência de Caio, promovido ao cargo de assessor da Secretaria de Segurança). Desobedecendo aos conselhos de sua progenitora, que sempre cita os “sinais” que ela recebe para sair a tempo da criminalidade, a personagem de Juliana Paes resolve subir o fictício Morro do Beco (a comunidade de Tavares Bastos, no Catete, no Rio de Janeiro, serve de locação) para falar diretamente com o chefe do tráfico, Sabiá (Jonathan Azevedo). Consegue a sua confiança e admiração pela coragem, garantindo a sobrevivência de seu esposo. Aos poucos, Fabiana vai cometendo uma série de pequenos delitos, como entrar às escondidas na penitenciária para encontros íntimos. E grandes, como servir de mensageira de informações entre os membros da facção (o que já configura o seu indiciamento no crime “associação ao tráfico”). Parece não haver freios para a ex-noiva de Caio, que volta e meia se convence de que tudo seria diferente em sua vida se não tivesse se separado dele, e se tivesse aceitado a sua proposta de uma nova tentativa de relacionamento amoroso. Bibi auxilia na primeira e frustrada fuga de Rubinho da cadeia. Em sua segunda tentativa, desta vez com êxito, o detento, auxiliado por comparsas, escapa por uma tubulação de esgoto. Com o rapaz de barba e cabelos curtos ruivos morando na favela, e ganhando cada vez mais prestígio entre os seus pares, devido às suas ideias e conhecimentos de Química, usados para alavancar e organizar o negócio ilícito, as visitas de Bibi ao morro são cada vez mais frequentes, enquanto o filho do casal sofre bullying na escola, na rua, sendo discriminado por seus coleguinhas até no dia de seu aniversário. Trilhando um caminho sem volta, como ela mesma diz (“Não tem volta”), a ex-estudante de Direito, aplicada e defensora dos preceitos legais, agora faz entrega de carregamento de armas pesadas no porta-malas de seu carro. Cada vez mais seduzida pelo universo do crime, com seus bailes grandiosos e camarotes vip, sua forma particular de hierarquia e poder, fartura de bebidas e cordões pesados de ouro, Bibi passa a dividir um quarto com o seu marido, que lhe promete saírem de lá, e recomeçarem uma nova vida. Leva consigo o seu filho, que fica decepcionado com o que vê. Nas festas da comunidade às quais vai, a amiga de Ritinha (Isis Valverde) nos deixa patente que o seu ciúme doentio permanece inalterado. Um dos ápices deste ciúme, e que lhe garantiu o epíteto de “Perigosa” pelos integrantes da quadrilha, decorreu quando uma mulher se aproximou de Rubens com outras intenções, e Bibi lhe arrancou, como se a tivesse escalpelado, uma espessa parte dos apliques de seu cabelo, suspendendo-a, com um dos braços, tal como um troféu, para o delírio dos presentes. Notamos no papel de Juliana uma confluência de duas personalidades que se colidem: a original, a Bibi alegre, amorosa, amiga, carinhosa com a mãe e capaz de ajudar o outro, como na ocasião em que salvou Silvana (Lilia Cabral) de uma enrascada num cassino clandestino de subúrbio, e a contingencial, que se expõe pela sua conquistada autoridade lograda por meio de seu comportamento ameaçador, agressivo e vingativo. Também salvou a vida de Caio, ao esbarrar propositadamente em um criminoso, quando o mesmo alvejava a autoridade. Houve uma passagem interessante em que vimos a Bibi de antes ao chamar a atenção de seu marido quanto à sua mudança de perfil (o jovem ostentou uma faceta cruel que lhe era desconhecida). A personagem também vivencia conflitos no que concerne aos seus sentimentos. Ao que parece, ainda sente amor ou afeto por Caio, e por Rubinho, o que sente é uma avassaladora paixão, o que naturalmente a cega, movida por doses excessivas de adrenalina. Uma mulher sem limites, capaz de tudo pelo homem pelo qual se apaixona. Assim poderíamos definir Fabiana. Merece destaque a inacreditável habilidade da moça em construir enredos inventivos com o intento de encobrir algum malfeito, seja quem for o seu interlocutor, que pode ser tanto Caio quanto um delegado de polícia. Se bem que, recentemente, a vizinha de Heleninha capitulou diante do assessor de Segurança Pública, quando este a interpelou acerca do incêndio no restaurante do pai de Cibele (Bruna Linzmeyer). No capítulo de ontem, houve cenas definitivas na novela de Gloria Perez. O traficante Sabiá (a atuação de Jonathan Azevedo é de um realismo incontestável) é atingido por um tiro durante uma batida policial no morro, tendo Bibi como testemunha. Imediatamente, Rubinho assume o seu posto de chefe da facção, dando ordens furiosas aos seus agora subordinados. Antes disso, já havia saído uma matéria nas páginas policiais se referindo ao rapaz como o “Barão do Pó”, e a Bibi, como a “Baronesa do Pó”. Percebe-se na expressão de Bibi uma preocupação e insegurança com este novo status. Juliana Paes, que criou personagens marcantes em novelas como “Celebridade”, “América”, “Gabriela” (como a própria) e “Meu Pedacinho de Chão” (seu penúltimo trabalho neste gênero de produção foi em “Totalmente Demais”, como a vilã Carolina) tem exibido o seu enorme amadurecimento artístico ao interpretar um tipo de personagem dificílimo, complexo, contraditório, e que poderia facilmente obter a rejeição do público. Mas isto, graças ao seu extenso talento, não aconteceu. Bibi é uma das personagens mais populares da trama, e tem sido responsável por algumas das melhores cenas da telenovela. Juliana usa com bastante expressividade os seus olhos para traduzir as suas emoções. Fixos, penetrantes, eles nos dizem o que querem. Impressiona-nos do mesmo modo a forma como a intérprete impôs à sua voz e ao texto da autora um tom espontâneo, natural e popular, recheado de gírias e linguajar típicos do ambiente novo ao qual se adapta. Suas beleza e sensualidade, com roupas justas e chamativas, que delineiam a sua forma física perfeita, são tão exuberantes que não sobra um único espaço para um mínimo de vulgaridade (levando-se em consideração o contexto da dramaturgia). O jeito como Juliana caminha, seja pelas ruas da vizinhança, seja pelas vielas da comunidade, impõem o respeito e a personalidade que o papel exige. Não podemos deixar de mencionar o impecável trabalho de direção de Rogério Gomes, Pedro Vasconcelos e equipe pelas cenas (a equipe de diretores da novela é complementada por Claudio Boeckel, Luciana Oliveira, Roberta Richard, Fábio Strazzer e Allan Fiterman), muitas delas de ação, com fortes inspirações cinematográficas. As tomadas aéreas da Favela do Beco (inclusive quando há o baile), de suas labirínticas ruas, com subidas e descidas, escadas estreitas e íngremes, e centenas de casas chocam pela grandiosidade visual. A trilha sonora incidental (música original de Rodolpho Rebuzzi e Mú Carvalho; gerência musical de Marcel Klemm) que acompanha as cenas de Fabiana nos causa uma indomável apreensão (há uma batida lenta de um tamborim, além de um som perturbador insistente que nos indica a gravidade da situação). Obra impecável. Cinema de altíssima qualidade na TV. Alguns alegam que Gloria Perez tem feito uma “glamourização” do crime ao relatar esta verídica história, com as devidas licenças. Mas o que posso dizer é que Gloria nos afirma mais uma vez ser uma escritora de ilimitada bravura, sempre conectada com os fatos do mundo contemporâneo. Coincidentemente ou não, o Rio de Janeiro, basta ler as manchetes dos jornais, há muito tempo não reportava índices de violência tão altos ligados a esta atividade criminosa. Nada do que se vê na novela é inventado, fantasiado, portanto a abordagem deste assunto é válida e importante. Bibi Perigosa é um divisor de águas na carreira de Juliana Paes. Provou-nos de que é uma excelente atriz. Com Elizangela e Emílio Dantas, igualmente fantásticos em suas atuações, “A Força do Querer” tem se firmado como uma das novelas mais atraentes dos últimos anos, e sem dúvida uma das melhores de Gloria Perez. Resta-nos saber quando Bibi Perigosa fará o caminho de volta. Se é que o fará. Para isso, terá que deixar para trás a adrenalina de que tanto gosta, e principalmente deixar de ser… “perigosa”.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s