“Acompanhada de excelentes músicos, como Davi Moraes, também diretor de seu mais recente show, Lucy Alves, uma das melhores cantoras de sua geração, domina o público com sua qualidade vocal, sua beleza genuinamente brasileira, sua brejeirice nordestina e seu repertório baseado em diversas influências musicais, dando-nos mais uma prova da riqueza abundante do nosso cancioneiro popular. ”

Publicado: 19/11/2017 em Show

c7f0d88e-dd2b-471e-9d92-d652d5901fe6
Foto: Divulgação

Em sua primeira apresentação em Niterói, no Rio de Janeiro, em seu suntuoso Teatro Municipal, a linda paraibana Lucy Alves conquistou irremediavelmente o público da cidade, que lotou o espaço em suas duas únicas sessões. Revelada no Brasil pela sua bem-sucedida participação na segunda temporada do reality musical da Rede Globo, “The Voice Brasil”, em 2013, a também atriz fez sucesso na novela de Benedito Ruy Barbosa, Edmara Barbosa e Bruno Barbosa Luperi, “Velho Chico”, interpretando Luzia, na mesma emissora (sua atuação lhe rendeu prêmios de Atriz Revelação). Vestindo uma saia platinada fluida e um top dourado, a compositora e multi-instrumentista que está no ar em “Tempo de Amar”, folhetim de Alcides Nogueira e Bia Corrêa do Lago, como Eunice, mostrou no espetacular show dirigido por Davi Moraes (também guitarrista) todo o seu virtuosismo no manuseio de instrumentos que remetem às tradições culturais nordestinas, como o acordeão, a escaleta e a guitarra baiana, além de nos impressionar com a sua intimidade com o violino e o violão. A intérprete, graduada em Música pela UFPB (Universidade Federal da Paraíba), esteve acompanhada por músicos extremamente talentosos, em evidente sintonia com o seu espírito musical, como o próprio Davi, Cesinha na bateria, Leonardo Reis na percussão e eletrônicos, e Pedro Dantas no baixo. Lucy Alves, que começou a se interessar pelo universo dos sons ainda na infância, integrando orquestras e cameratas, desfilou em seu show um repertório marcado por canções de forte apelo melódico, com letras poéticas e de caráter romântico, como o irresistível e dançante hit “Caçadora”, composto por César Lemos e Bruno Caliman, lançado no início deste ano. Ao anunciar a sua interpretação, a plateia demonstrou entusiasmo, sendo um dos pontos altos da noite. Aliás, não faltaram momentos inesquecíveis durante a apresentação da artista que faz parte do grupo nordestino Clã Brasil. Lucy evocou, com os acordes de seu violino, uma emocionante e bela versão de “Chorando Se Foi”, sucesso celebrado pelo conjunto Kaoma, como introdução, emendando com a romântica e arrepiante “Verdadeiro Amor”. Impossível não se deixar tocar face à beleza desta canção. Como convidada especial, Julia Braga, cantora e percussionista nascida em Cabo Frio, no Rio de Janeiro. As duas tiveram nítido entrosamento, deixando à mostra a admiração mútua, ao cantarem “Mar e Maria”, uma composição inédita de Lucy e Carlinhos Brown. A cantora, com CDs lançados tanto em sua carreira solo quanto com o Clã Brasil, fez algumas homenagens em sua apresentação em Niterói. Em conversa direta e espontânea com os espectadores de várias faixas etárias, provando que os seus talento e carisma ultrapassam quaisquer espécies de nichos, lembrou de sua passagem pela novela “Velho Chico”, referindo-se inclusive a Domingos Montagner. Em seguida, entoa “Meu Cantar”, escrita em parceria com Luiz Fernando Carvalho, o diretor artístico da produção televisiva na qual se destacou. Houve também uma referência à artista cearense Eliane, a “Rainha do Forró”, com “Amor ou Paixão” (o coautor da música é Natinho da Ginga). Trouxe para nós uma criação de Pretinho da Serrinha e Rogê, “Beija-Flor”. Lucy ofereceu ainda ao público a sua colaboração com Yuri Queiroga em “Xaxado Chiado”, e a inédita “Fora do Eixo”. Com pujante presença cênica e estonteantes ritmo e sensualidade ao dançar ao som de suas músicas, além dos instantes bossanovistas em que cantarolou sentada em um banco dedilhando o seu violão, Lucy Alves, indicada ao Grammy Latino na categoria “Melhor Álbum de Música Regional ou de Raízes Brasileiras” (“Lucy Alves & Clã Brasil no Forró do Seu Rosil”), possuidora de uma lindíssima voz, não esconde as suas ricas influências musicais, como a tradição regional de nomes como Luiz Gonzaga e Zé Ramalho, passando pelo forró, maxixe, xaxado, coco, pop, jazz, bossa nova, samba carioca, blues, choro e o eletrônico. A excelente banda que a acompanhou teve direito a um momento solo, aproveitado com perfeição. A limpidez sonora de seus instrumentos ressoou com magnificência. A performance de Lucy ostenta, para a nossa felicidade, o seu forte lado de atriz, com gestuais notadamente interpretativos e expressivos. Uma das bem-vindas características de seu show foi a saborosa interatividade com as pessoas, descendo do palco algumas vezes, passeando pela plateia com carinho e calor, pedindo a todos que a acompanhassem nas músicas em coro e com palmas. Não poderiam faltar, claro, em seu setlist, canções de seus mestres. De Luiz Gonzaga, encantou-nos com a emblemática “Que Nem Jiló”, e de Zé Ramalho, embalou-nos com a icônica “Frevo Mulher”. Lucy Alves, que na última edição do Rock in Rio se apresentou ao lado de João Donato, Tiê, Emanuelle Araújo e Mariana Aydar, definiu em entrevistas que o seu show é “dançante e contemplativo”. Com certeza, sua vibrante, intensa, sensível e personalíssima apresentação nos oferta estes dois importantes aspectos, mas sua performance vai muito além. O show de Lucy Alves, valorizado por uma deslumbrante iluminação, com jogos caprichados de desenhos de luz, em que se vê uma paleta de cores vivas distribuídas em escalas distintas de tons, é um precioso recorte musical de nossas múltiplas sonoridades, um rico e potente panorama de nossas raízes, tradições e contemporaneidades melódicas e rítmicas. Lucy Alves, que em dezembro entrará em estúdio com um novo projeto para a gravadora Warner, é uma estrela nata que ultrapassa os limites das suas próprias influências e formações. Por isso se diferencia. Lucy Alves não é mais uma aposta ou uma promessa, e sim uma das melhores cantoras surgidas nos últimos tempos. Sua grandeza e brilho nos palcos não me deixam mentir. Lucy Alves, “a caçadora da beleza da nossa música”.

 

comentários
  1. Sibele Silva disse:

    Ótimo texto, concordo com ele em gênero, número e grau ! A Lucy Alves é extremamente talentosa e tem uma cabeça boa pra música . Ela é antenada pro que acontece ao redor, mas sem perder a sua essência . Sou fã de carteirinha..rs Bjos

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s