” ‘Border’, do diretor e roteirista Ali Abassi, uma das mais impressionantes obras do cinema fantástico, mostra a força do audiovisual escandinavo, servindo como um imprescindível manifesto a favor das diferenças entre os homens, conquistando o espectador mesmo que seja por meio de uma inevitável estranheza. “

Publicado: 20/11/2019 em Cinema

border-filme
Foto: Divulgação

“Border”, uma premiada produção sueco/dinamarquesa, é um dos filmes mais chocantes da cinematografia fantástica mundial

O filme fantástico sempre teve o seu público cativo. A fantasia, imiscuída com a realidade, exerce um fascínio irresistível ao longo dos anos no cinema mundial. Obras como “O Labirinto do Fauno” (2006) e o vencedor do Oscar de Melhor Filme “A Forma da Água” (2017), de Guilhermo del Toro, beberam nesta inesgotável fonte. O mais atual exemplar deste segmento é o impressionante, corajoso e chocante “Border” (“Gräns”, Suécia/Dinamarca, 2018), do cineasta e roteirista sueco-iraniano Ali Abassi, que se inspirou no conto do sueco John Ajvide Lindqvist. O filme foi o vencedor da mostra “Un Certain Regard” do Festival de Cannes, além de sair vitorioso do Festival de Los Angeles, e ganhar pelos Efeitos Especiais no Festival de Cinema Europeu, sendo também indicado ao Oscar de Maquiagem.

O longa narra a história de uma agente alfandegária portadora de um dom extraordinário, seu faro apuradíssimo, que se depara com mudanças bruscas em sua vida a partir do encontro com um homem que a levará a descobertas sobre a sua origem

Com roteiro coassinado por Abassi, o longa nos conta a história de Tina (Eva Melander numa atuação ferozmente arrebatadora), uma agente alfandegária de um porto sueco com um dom especial para farejar bagagens e passageiros. Esse faro extraordinário advém de um acidente sofrido na infância quando fora atingida por um raio. Tina possui um rosto deformado não necessariamente ligado à fatalidade. Sua vida muda, com descobertas surpreendentes sobre a sua verdadeira origem, a partir do encontro com Vore (Eero Milonoff, absurdamente bestial), um homem aficionado por insetos que guarda similaridades físicas com a fiscal.

A obra de Ali Abassi é antes de tudo um manifesto a favor das diferenças entre os homens e da inclusão social, característica que lhe garante grandes méritos e respeitabilidade

O longa, no tocante à exclusão e discriminação, lembra-nos bastante o clássico de David Lynch “O Homem Elefante” (“The Elephant Man”, 1980) e o excelente “Marcas do Destino” (“Mask”, 1985), de Peter Bogdanovich. “Border” causará repulsa e estranheza em grande parte da plateia, mas sua relevância é inegável sob o ponto de vista inclusivo, ao ostentar sem pudores todo tipo de relação, até as mais íntimas, entre seres que fogem do padrão da normalidade, aproximando-os da selvageria animal. Ali Abassi cria uma poderosa alegoria da aceitação da diferença entre os indivíduos, algo impensável em muitas sociedades contemporâneas, inclusive no Brasil de hoje. 

“Border” foi lançado no Brasil em 11 de abril de 2019.

Assista ao trailer do filme:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s