Arquivo da categoria ‘Música’

Alexandre Nero 010 [1024x768] Foto: Sergio Santoian para a Revista MENSCH

Com passos largos e confiantes, proveio de cidade de nome Curitiba, lá pelos torrões do Sul do Brasil, jovem artista de braços dados com a Dona Arte. Eles não se desgrudavam. O “peregrino” é músico, compositor, arranjador, sonoplasta, diretor musical e… ator! Soltou branda voz em melodias de lavra própria por palcos com almas distintas. Caíram sobre suas merecidas mãos muitos prêmios. Nenhuma das múltiplas facetas que possui foi preterida. Deixou marcas dos pés pelos tablados da vida, em peças como “Os Leões”, “Agora é que são elas”, “O Processo”, “Pluft, o Fantasminha”, “A Bruxinha Que Era Boa”, e “Bolacha Maria: um punhado de neve que sobrou da tempestade”. Na tela mágica do cinema, frequentou os sets de filmes como “Corpos Celestes”, “Cilada.com” e “Novela das Oito”. E vem por aí “Super Crô – O Filme”. Dedilhou cordas de violão, cantou, juntou palavras esparsas em coesão. Nasceu música. E de bandas participou: Maquinaíma e Denorex 80. É fato que esteve de fato no grupo Fato. Lançou disco de relevância: “Vendo Amor Em Suas Mais Variadas Formas, Tamanhos e Posições”. Ouviu o chamado da televisão, a “grande fábrica dos sonhos”. Deram-lhe personagem doce. Vanderlei era tão doce que se tornou o favorito de Catarina (Lilia Cabral) em “A Favorita”, de João Emanuel Carneiro. Quando pensou que chegara a hora de tirar sesta na cama e sonhar com o paraíso, Edmara Barbosa e Edilene Barbosa o despertaram pois tinha compromisso com “Paraíso” (texto original de Benedito Ruy Barbosa). Terêncio foi parceiro do “leão” Eriberto Leão. Não me esqueci de “Casos e Acasos”, “Dó-Ré-Mi-Fábrica” e “Batendo Ponto”. Elizabeth Jhin escreveu em papel ou computador o que as estrelas lhe disseram: – Chame o Nero. E a Nero coube Gilmar. Tivera que cometer maldades no comecinho da noite. Recebeu então um convite de Aguinaldo Silva com estampa fina: o Baltazar de “Fina Estampa”. Serviu como importante ponte para que se denunciassem questões que amiúde entristecem segmentos da sociedade: a homofobia e a violência doméstica. Vítimas destas que só desejam respeito e cidadania. Alexandre conduziu volante de carro luxuoso pelo drama e pela comédia com o seu motorista. O destino e Gloria Perez quiseram porque quiseram que o ator se reencontrasse com a colega tão querida Dira Daes, com quem contracenou em folhetim anterior. Dos dedos rápidos e imaginativos de Gloria teclando máquina da informação surgiu Stenio de “Salve Jorge”. Ótimo advogado e sabedor das brechas das leis. Brechas que dão beijo no rosto da impunidade. Brechas do Brasil. Os brasileiros Drika (Mariana Rios), Pepeu (Ivan Mendes) e a turca Berna (Zezé Polessa) espocam garrafa de champanhe celebrando as brechas. No ombro alinhado de seu paletó há cheiro de bom perfume. Perfume de Helô (Giovanna Antonnelli), sua ex-mulher. O divórcio foi firmado em cartório. Contudo, não firmado em corações. Em corações apaixonados não há burocracia. Dentre tantas causas que ganhou ou perdeu, a mais desafiadora é reconquistar a bela mulher de cinto duplo. O que almeja o causídico é dela ouvir dentre um “hã hã” e outro “hã hã”, a frase “Eu te amo, Stenio.” A leitura de sentença que cultiva tanto em si mesmo escutar. Stenio se sentirá grande no prazer, atuante e cantante no amor. Não obstante, Stenio se refestelou em colo certo. No colo de Alexandre. Não há quem possa duvidar da intuição da Dona Arte.

.
Foto: Divulgação do espetáculo “Equus”, com o qual Leonardo Miggiorin está em cartaz em São Paulo.

Na verdade, interpretar e cantar não são as duas vocações artísticas representativas na trajetória profissional de Leonardo Miggiorin, que está em cartaz em São Paulo com a peça “Equus”, de Peter Shaffer. Podemos incluir outrossim as Artes Plásticas (pintura e desenho), além de, em outro segmento, a Psicologia. Em “Insensato Coração”, como Roni, o empresário/agente de Natalie Lamour (Deborah Secco), Leonardo provou-nos, sob o meu ponto de vista, ser um dos destaques da trama de Gilberto Braga e Ricardo Linhares. Não somente por protagonizar momentos para lá de divertidos, mas por mostrar uma faceta séria e sensata quando a situação assim o pede. Qualificaríamos Roni como uma pessoa alto astral, “pra cima”, otimista, porém com os “pés no chão”. Algo que sua agenciada parece não possuir, muito em decorrência de seu olhar ingênuo sobre os fatos. Leonardo Miggiorin compôs seu papel com esmero, e o resultado é a aceitação clara do público. Contudo, até estar na produção das 21h da Rede Globo, há um pouco de história para lhes contar. O ator nasceu em Barbacena, Minas Gerais (ficara apenas alguns dias na cidade). Por causa da profissão do pai, levava uma vida de certa forma nômade. Rio de Janeiro, Brasília, Rio Grande do Sul… E nessas andanças, Leonardo formaria suas convicções pertinentes às Artes, seja no teatro, seja na música, seja na dança clássica. Tivera até experiência com o “butoh”. A estreia na televisão acontecera em “Flora Encantada”, com a apresentadora Angélica. Todavia, os sucesso e reconhecimento legítimos viriam com a ótima minissérie de Manoel Carlos (autor com quem Leonardo viria a trabalhar depois, e a quem considera como padrinho), “Presença de Anita”. Há uma bonita cena na obra em que Zezinho, seu personagem, mira-se no espelho, toca-se, como se estivesse “reconhecendo-se”. Ganhou prêmio. Passou um tempo fora. Aprimorou-se. Daí em diante, uma série de folhetins incrementou o seu currículo: “Mulheres Apaixonadas”, “Senhora do Destino”, “Essas Mulheres”, “Cobras & Lagartos” e “Viver a Vida”, além da boa minissérie de Fernando Meirelles, “Som & Fúria”. No cinema, agraciaram-no com o prêmio de Melhor Ator pelo curta-metragem “Em Nome do Pai”, de Julio Pessoa, no Festival de Gramado. Participara de longas-metragens como “O Casamento de Romeu e Julieta”, de Bruno Barreto, e “Rinha”, de Marcelo Galvão. Atuara em espetáculos teatrais, dentre eles, citemos “Peter Pan: Todos Podem Voar”, dirigido por Ariel del Mastro, no qual personificara o próprio, cantando e dançando, e “Dueto da Solidão”, de Sérgio Roveri. E o dom para o canto o levou a formar uma banda de pop rock com inserções de poesia chamada Vista. Face ao que lhes relatara, o “tudo” (seu personagem em “Insensato Coração” fala “tuda”) não está naquilo que Leonardo tem a nos apresentar? Creio que sim.

10295534
Foto: Daryan Dornelles/Folhapress

Na cena em que Clara (Mariana Ximenes) é desmascarada, provável, ao meu ver, que Daniel Boaventura (que está em cartaz em São Paulo, ao lado de Marisa Orth, com o musical “A Família Addams”) tenha conquistado seu melhor momento na teledramaturgia. O rapaz possuía uma difícil tarefa: com longo texto, cabia-lhe contar a todos que o cercavam as verdadeiras intenções da moça dissimulada. E o fez dignamente. Convenceu-nos sobremaneira. O ator entrara no meio da trama, o que já não é fácil, e seu papel (Diogo) era imbuído de diversas nuances e mistérios. Não se sabia de fato quais eram os propósitos. A princípio, a incumbência era a de vigiar os passos da então garçonete Clara. Para isso, empregou-se como cantor. Havia uma cumplicidade entre ele e S. Talarico (Luis Serra) e Olga (Debora Duboc). De modo súbito e estranho, apaixonou-se pelo objeto da investigação. Ficamos imersos em dúvida. Aliás, houve uma ótima parceria com Mariana. Fora obrigado, a fim de que o plano traçado por muitos não fosse mal sucedido, a se incompatibilizar com a governanta dos Gouvea. Até que em excelente sequência na qual todos os atores demonstraram talento, o desmascaramento da vilã ocorre. Só para terminar, é oportuno nos lembrarmos que Daniel é um requisitado intérprete para musicais, já tendo feito diversos, como “Os Cafajestes”, “Company”, “A Bela e a Fera”, “My Fair Lady”, “Victor ou Vitória” e “Chicago”. O CD “Songs 4 You”, de sua autoria, tivera boa aceitação no mercado. E agora, com o sucesso da novela de Silvio de Abreu, seu mais novo CD “Daniel Boaventura – Italiano” tem agradado aos fãs de sua bonita voz.