“O Bem Amado”

Publicado: 16/04/2012 em Cinema, TV

10-bem-amado
Paulo Gracindo como o prefeito Odorico Paraguaçu em “O Bem Amado”.
Foto: ARQUIVO/TV Globo

Com a adaptação do filme de Guel Arraes, “O Bem Amado”, com Marco Nanini, em minissérie na Rede Globo (que por sinal derivou do seriado e novela homônimos de Dias Gomes exibidos na citada emissora), não nos custa nada lembrar um pouco desta antológica obra da teledramaturgia brasileira. Dias Gomes estava inspiradíssimo ao construir personagens ricos em seus perfis, e criar um microcosmo com conotações políticas regado por um humor impecável. Odorico Paraguaçu, interpretado de modo brilhante por Paulo Gracindo, arrebatava-nos se comportando jocosamente, e preterindo de forma deliberada os princípios éticos. O fraseado dele era de uma originalidade sem par. “Vamos deixar de lado os entretantos e vamos direto pros finalmentes” (citação próxima) é só um dos exemplos. E o que dizer quando o prefeito de Sucupira vestia o terno, ajudado por Dirceu Borboleta (personificado por Emiliano Queiroz, que se utilizou de minúcias na caracterização), para falar ao telefone com certa autoridade? E o assanhamento das irmãs Cajazeiras (a princípio, defendidas por Ida Gomes, Dirce Migliaccio e Dorinha Duval; a seguir, Dorinha foi substituída por Kléber Macedo) quando se encontravam com o político? E quando o alcaide tinha segundas intenções com alguma delas, e soltava: – Aceita um licorzinho de jenipapo? E o Nezinho do Jegue (Wilson Aguiar)? Tudo era bom. Aliás, tudo era muito bom.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s