” Saiu nos Classificados: ‘master class’ com Nathalia Timberg em ‘Insensato Coração’. “

Publicado: 12/05/2012 em Teatro, TV

lenisepinheiro_soprosdevida_2010_f_002
Foto: bastidor do espetáculo “Sopros de Vida”, de David Hare, do qual Nathalia Timberg participa/uol

Fico imaginando o quanto devem ter se sentido orgulhosos e privilegiados Gilberto Braga, Ricardo Linhares e todos aqueles que colaboraram na elaboração da história do folhetim supracitado em ter como uma das atrizes do elenco alguém como Nathalia Timberg (que está em cartaz com a peça “Sopros de Vida”, de David Hare, ao lado de Rosamaria Murtinho). Sim, Gilberto provável já sentira este prazer em outras novelas suas nas quais Nathalia atuou, como “Vale Tudo”, “O Dono do Mundo, “Força de Um Desejo” e “Celebridade”. Celina, Constância Eugênia e Idalina foram personagens compostas com esmero irretocável por Nathalia. Foi Vitória Drumond na produção das 21h da Rede Globo. Uma mulher forte, circunspecta, e defensora de princípios éticos e morais inquebrantáveis. Poderosa empresária que se viu, por contingências adversas da vida, obrigada a cumprir o difícil papel de cuidar das netas como se suas filhas fossem. Um ser humano que não enxerga obstáculos quando a meta é reparar injustiças. Distinta senhora sempre disposta a estender suaves mãos aos desesperados e perdidos, como quando ofereceu ajuda a Sueli (Louise Cardoso) e Eduardo (Rodrigo Andrade), quando estes estavam desempregados. Agora, fizera o mesmo por Pedro (Eriberto Leão). Em capítulo passado, testemunhamos Nathalia Timberg exibindo-nos generosamente todos os recursos dramáticos que possui ao saber que perdera a amiga Clarice (Ana Beatriz Nogueira). E como se não bastasse, coube-lhe a penosa missão de dar a triste notícia ao jovem Rafael (Jonatas Faro). Nathalia em cena é senhora de si mesma. A impressão que temos é que nada a deixa receosa, e ela mergulha nos elementos mais recônditos do papel. Esta nossa intérprete de primeira grandeza carrega bagagem rica de experiências no teatro e na televisão. Fora uma das atrizes corajosas em enfrentar o teleteatro (encenações ao vivo nas TVs Tupi, Rio e Globo de clássicos teatrais). Nos palcos, são tantos os dramaturgos que a permitiram brilhar… Eugene O’Neill, Arthur Miller, Nelson Rodrigues, Dias Gomes, Sófocles, Pirandello, Tchekhov… Eu me senti agraciado ao lhe assistir na ribalta por duas vezes: uma, ao lado do grande Paulo Gracindo, em “Num Lago Dourado”, de Ernest Thompson; e a outra em “Três Mulheres Altas”, de Edward Albee, em que contracenava com Beatriz Segall e Marisa Orth. Há ainda na televisão, dentre tantas que fez, uma participação que merece destaque: a Cecília da versão original de “Ti-Ti-Ti”, de Cassiano Gabus Mendes. Estivera em minisséries também, dentre as quais posso mencionar “Desejo”, de Gloria Perez. Enfim, Nathalia Timberg, que se tivesse nascido na Inglaterra, receberia certamente o título de Dame, como Judi Dench e Helen Mirren, pode por nós ser chamada de Dama sim. Por que não? Uma Dama que usa e abusa de olhos eloquentes e pujante voz para nos enternecer com magníficas criações. Sendo assim se algum de vocês gosta de fato de interpretação, reitero: saiu nos Classificados que há “master class” com Nathalia Timberg em “Insensato Coração”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s