“Bem-vindo à ‘casa’ da ‘boneca’ Klara Castanho.”

Publicado: 25/01/2014 em Cinema, TV

klara_castanho_raphael_dias_mat
Foto: Raphael Dias/TV Globo

Se para os atores em idade adulta dificultoso é se manter na profissão escolhida, numa ferrenha busca por papéis que a justifiquem, mais árduo ainda é para os intérpretes que brilharam na infância, estiveram em privilegiada berlinda, e foram obrigatoriamente impulsionados a ultrapassar a dolorosa fronteira que os separa da adolescência, fase esta na qual temos que nos esquecer, de modo imperante, das fantasia, ingenuidade, pureza, quase ausência de preocupações e problemas e salutar “alienação do mundo”. Esta etapa da vivência do homem, inevitável em si mesma na sua pouco ou nenhuma condescendência, dá-nos de “um dia para o outro” transformações no corpo e inescapável enfrentamento de questões atinentes à condição humana até então não debatidas. Digo isso a fim de corroborar que as vicissitudes por que passam as pessoas “comuns” passam os artistas do segmento cênico. Este peculiar fenômeno não é uma prerrogativa nossa, evidenciando-se em demais nações, inclusive na “Meca do Cinema”, os Estados Unidos. Se na terra ao norte do continente americano, deslumbramo-nos com as atuações de Jackie Coogan (“O Garoto”), Shirley Temple (“O Pássaro Azul”), Carl Switzer, como Espeto, e George “Spank” McFarland, como Batatinha (“Os Batutinhas”), Macaulay Culkin (“Esqueceram de Mim”) e Haley Joey Osment (“O Sexto Sentido”), tempos adiante não mais foram vistos com o realce que obtiveram. Há aqueles que pugnam para continuarem com mínima projeção, como Anna Paquin (“O Piano”), Heather Matarazzo (“Bem-vindo à Casa de Bonecas”) e Christina Ricci (“Família Addams”). No entanto, existem os que perpetuaram a glória, como Natalie Portman (“O Profissional”) e Christian Bale (“O Império do Sol”). No Brasil, bons exemplos são Gloria Pires, Isabela Garcia, os irmãos Selton e Danton Mello e… Klara Castanho. A atriz paulista de Santo André, que deu os seus primeiros e promissores passos na TV no seriado “Mothern”, no canal GNT, como Isabel, e na novela do SBT “Revelação”, como Daniela Mourão, logrou reconhecimento no país ao ser convidada pela Rede Globo para integrar o elenco da produção de Manoel Carlos, “Viver a Vida”, em que formou dupla irresistível com Giovanna Antonelli como mãe e filha, Dora e Rafaela (ganhara a láurea “Melhores do Ano” na categoria “Melhor Ator ou Atriz Mirim”, concedida pela TV Globo, e o “Prêmio Contigo! de TV de Melhor Atriz Infantil”), respectivamente. No momento, Klara se destaca como Paulinha na segunda trama de Walcyr Carrasco da qual participa, “Amor à Vida” (a primeira fora “Morde & Assopra”, levada ao ar às 19h na mesma emissora; nesta sinopse a atriz teve que mostrar a sua versatilidade ao defender Tonica, pois se tratava de uma personagem rural ou “caipira”, com direito a sotaque e gestual característicos). Paulinha é, sem resquícios de especulação, um dos membros precípuos do enredo criado por Walcyr, desencadeador de toda a dinâmica central da história, gerando densos conflitos, culpas, intrigas, armações, mentiras, fingimentos, ardis, dores e consequentes dissabores. A Paula de Klara Castanho, que antes se familiarizara com o universo espírita de Elizabeth Jhin na faixa das 18h em “Amor Eterno Amor”, como Clara, e gravara a décima primeira edição do DVD “Xuxa Só Para Baixinhos”, é um “character” espinhoso para qualquer ator, seja ele experiente ou não, cobrando-lhe alta carga dramática, sem cair no “overacting”, um dosado estoicismo perante as adversidades que lhe foram impostas, e acima de tudo, um sentimento visível de amor, afeto, emoção e sensibilidade, imiscuídos em radiante doçura. A dona do cãozinho Aladim se sobressai por sua integridade, caráter ilibado e uma inocência não perdida. Já nos primeiros capítulos, ficamos todos terrificados com o gesto sórdido de seu tio Félix (Mateus Solano), em processo de redenção, ao jogá-la em estado de recém-nascida em caçamba de lixo envelhecida, após ter sido arrebatada dos braços desfalecidos da mãe Paloma (Paolla Oliveira), deitada em “berço” nada “esplêndido” de local imundo ao qual não se pode tampouco nomear de banheiro, sito em bar cujo odor que reina é o “perfume” do álcool sorvido pelos desiludidos da selva urbana. Misturada aos detritos, com seus estridentes vagidos, despertam os aflitos ouvidos do “órfão” de esposa e filho Bruno (Malvino Salvador). A menina por ele fora criada ilegalmente, com o auxílio de cúmplices, sem a vigília indispensável dos olhos maternos. A dona desses olhos, Paloma, viveu longos anos “mergulhada na profundidade de um mar escuro” sem o fruto que gerara. O “Sr. Destino”, sempre misterioso em suas veleidades, encarregou-se, todavia, de que a bela doutora do Hospital San Magno, já afeiçoada a Paulinha desde quando era bebê, motivada por forte apego materno “inexplicável”, e companheira do pai de criação irmão de Gina (Carolina Kasting), diante de uma enfermidade que acometera a jovem de bonito e honesto sorriso, decide ser voluntária de um transplante urgente. Os exames de compatibilidade sanguínea não só atestaram que Paloma era a sua legítima mãe como negaram a paternidade do corretor de imóveis, forçado então a contar toda a verdade. O “posto” paterno é ocupado por Ninho (Juliano Cazarré), o “hippie chic” sombrio, que se outrora prometia à amada o mundo e as estrelas, no exato instante é aliado de Aline (Vanessa Giácomo), “expert” em “cupcakes” envenenados, num plano repugnante de destruir e depenar o patrimônio do preconceituoso César (Antonio Fagundes). Ninho, exímio patinador “indoor” de gelo, é autor de infinda galeria de tipos penais, que vão do sequestro e cárcere privado e terminam na formação de quadrilha e tortura. Os outros não convém comentar. Contudo, mesmo depois de ter sido sequestrada pelo pai, e sofrer o que os especialistas chamam de “Síndrome de Estocolmo” (quando a vítima constrói uma relação afetuosa com o algoz), fica dividida entre os dois “pais”. Vê-se num período de rebeldia compreensível, muito em decorrência das influências negativas do rapaz que se refere aos seus pares como “véio”. Defronta-se com Bruno e Paloma (o casal se reuniu ao término de disputas judiciais, subsequentes acordos e descoberta de ignóbil armadilha urdida pela “confeiteira malévola”). Em meio a isso, um tablet, que proporcionara encontros às escondidas de filha e pai. O que se percebe nesta reta final de “Amor à Vida” é que Paulinha começa a inquirir os que a cercam sobre o porquê da frieza de tratamento do tio Félix. “Por quê?”, ela diz. Ninguém lhe responde. Acredito que o autor não desperdiçará a rica oportunidade de pôr “tête-à-tête” dois ótimos atores, Mateus Solano e Klara Castanho, num aguardado e tenso acerto de contas. Se bem conhecemos Paulinha, com sua elevada alma e precoce sabedoria, a reação será surpreendente, ou seja, será capaz de perdoar o tio que ela considera elegante e charmoso. Concluímos que Klara Castanho “escreveu sua história” no enredo vigente do horário nobre. Aplausos para ela. E que todos sejam “bem-vindos à próxima ‘casa’ da ‘boneca’ Klara Castanho”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s