“Ela foi Irene, a ‘prima’ para quem os fins justificavam os meios. Fernanda Paes Leme.”

Publicado: 01/05/2012 em Moda, Teatro, TV

henrique_madeira_puramania_091211-1
Foto: André Nicolau para o “making of” do editorial de inverno da marca Puramania.

Desde os primeiros capítulos de “Insensato Coração”, de Gilberto Braga e Ricardo Linhares, percebeu-se a ferrenha disposição de Irene em seduzir Pedro (Eriberto Leão) a qualquer custo. Com a resistência do rapaz, que alegava que não poderia haver nada entre ambos porque eram “primos” (na verdade, Irene é adotada), a bela moça passou a se utilizar de uma gama infinda de estratagemas com o intuito de conquistar o filho de Raul (Antônio Fagundes). Invenção de histórias contadas a Marina (Paola Oliveira), a grande rival; o uso indevido do celular de quem se deseja, seja apagando mensagens e telefones, seja enviando falsos recados… Até sair com homens pelos quais não sentia qualquer tipo de interesse, apenas para provocar suposto ciúme em Pedro, ela o fez. Bilhetes rasgados também entram na sua lista de ardis. Um momento propício surge para investida em definitivo. Claro que esse “propício” fora por Irene armado. Após não se consumar encontro com mulher que por ele demonstrara segundas intenções (encontro que não aconteceu por obra da “prima”, evidente), e decepcionado, ter se embriagado, a jovem determina-se a mostrar todo o potencial de sedução que possui. Consegue enfim relacionar-se intimamente com seu nada obscuro objeto do desejo. Ela sempre afirmou que os sentimentos resumiam-se apenas à atração física. Será? O prosseguimento da trama nos revelará isso. E Fernanda? Como entrou no mundo artístico? Ainda criança, participou de campanhas publicitárias. A estreia na televisão deu-se no seriado “Sandy & Junior”, em que ficara por bom tempo. A personagem chamava-se Patty. Após, “Sítio do Pica-Pau Amarelo”, e a primeira novela, “Agora é que são elas”, de Ricardo Linhares. Era Karina. Tivera experiência com os textos de João Emanuel Carneiro em “Da Cor do Pecado”. É escalada para algo que nunca tinha feito, uma minissérie. No caso, “Um Só Coração”, de Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira. Esta produção fora realizada em homenagem ao aniversário de São Paulo. Surgiu-lhe então convite para viver Rosário, papel que lhe deu projeção, no folhetim de Gloria Perez. Na HBO, integrara o elenco da elogiada produção “Mandrake”, em sua segunda temporada. Volta a trabalhar com Gloria Perez, como Belinha, na minissérie “Amazônia – De Galvez a Chico Mendes”. A seguir, “Desejo Proibido”, de Walther Negrão, e o “remake” de “Paraíso”. Há que se frisar que no currículo há mais especiais e seriados. No cinema, destaquemos “Podecrer!”, de Arthur Fontes. E no teatro, “Dona Flor e Seus Dois Maridos” (peça à qual assisti, e gostei). Fazia a própria Dona Flor. A direção coube a Pedro Vasconcelos. Fernanda é essa que lhes relatei neste texto: uma bonita e graciosa intérprete que utiliza como meio incontestável carisma para alcançar certo fim, que é o de se atingir o público que a aprecia em vê-la em cena. E que terá a oportunidade de conferir a sua presença novamente na próxima produção das 20h de Gloria Perez. Já no teatro, está em cartaz ao lado de Henri Castelli no espetáculo “Meu Ex-Imaginário”, de Regiana Antonini.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s