“Gostaria de aplaudir uma atriz? Seria fácil. Bastaria ligar a televisão às 21h, e Rosi Campos estaria lá.”

Publicado: 04/05/2012 em Cinema, Teatro, TV

img-305389-tempo-um-aliado-na-vida-de-rosi-campos
Foto: Marco Pinto/CARAS ONLINE

Rosi Campos (que no início do ano participou da microssérie “Dercy de Verdade, e agora é a Teresa de “Amor Eterno Amor”) não é só a atriz que admiramos, mas também jornalista formada pela ECA (Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo), diretora, produtora e roteirista. Na própria ECA, participara de grupo teatral. Depois, outro. Até integrar um dos mais famosos e respeitados do país: Teatro do Ornitorrinco, fundado por Cacá Rosset. Aliás, antes, não deixemos passar uma curiosidade: Rosi fora assessora de imprensa da gravadora Som Livre. Continuando. Criara a companhia Circo Grafitti, com a qual recebera pela peça “Você Vai Ver O Que Você Vai Ver”, diversos prêmios. Miguel Falabella a dirigira junto a Zezeh Barbosa no clássico do besteirol “Sereias da Zona Sul”. No cinema, estivera no elenco de vários filmes, como “Ed Mort”, de Alain Fresnot, “Castelo Rá-Tim-Bum”, de Cao Hamburguer, “Avassaladoras”, de Mara Mourão, “O Menino da Porteira”, de Jeremias Moreira, e “Chico Xavier”, de Daniel Filho, dentre tantos. Com relação a “Castelo Rá-Tim-Bum”, este tornara-se longa-metragem devido ao enorme sucesso que tivera quando de sua exibição na TV Cultura. A personagem de Rosi era a Bruxa Morgana. Rendera ainda espetáculo teatral: “A Saga da Bruxa Morgana e o Enigma do Tempo”. Já na TV, Rosi possui galeria de papéis fortes, sendo que alguns de inegável impacto em nosso imaginário, como a Mamuska, de “Da Cor do Pecado”, de João Emanuel Carneiro, com quem já trabalhara em “Castelo Rá-Tim-Bum”, e Maria Tomba-Homem, na minissérie de Gloria Perez, “Hilda Furacão”. Sua estreia na teledramaturgia dera-se em “Brasileiras e Brasileiros”, no SBT, e nesta mesma emissora, fizera “Éramos Seis”. Já na Rede Globo, colaborara para um sem-número de folhetins, como “Cara & Coroa”, “Salsa e Merengue”, “Meu Bem Querer”, “Corpo Dourado”, “Vila Madalena”, “Desejos de Mulher”, “América”, “O Profeta”, “A Favorita”, e “Cama de Gato”. Chegamos, enfim, à cativante Haidê, de “Insensato Coração”, de Gilberto Braga e Ricardo Linhares. Haidê é mulher íntegra, nobre representante de classe menos favorecida. Ela não tem medo de trabalho. O medo dela, talvez, como o de qualquer mãe, seja com o futuro de seus filhos, interpretados por Ricardo Tozzi e Deborah Secco. Fala sempre na palavra “estabilidade”. Nos tempos difíceis que hoje vivemos, Haidê está bastante certa. E como toda boa figura materna, possui intuição de sobra. Sabe perfeitamente que a filha “celebridade” está sendo quem sabe vítima de mais uma de suas muitas ilusões. Haidê está triste com esta situação. Será que um dia aqueles a quem colocou no mundo lhes darão sossego? Não sei. Outro ponto que desperta atenção nela é o fato de não suportar ver injustiças ou algo errado, e às vezes, colocando em risco o próprio emprego, prefere abrir mão de ser discreta, e aliar-se à verdade. Rosi Campos está de parabéns com esta mãe que busca o correto e o justo. Quer aplaudi-la? É só ligar a televisão às 21h que você a encontrará.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s