“Carmo Dalla Vecchia. Que Rei foi Ele?”

Publicado: 08/05/2012 em Cinema, Teatro, TV


Foto: Divulgação/TV Globo

Há curiosidade na carreira de Carmo Dalla Vecchia (em “Amor Eterno Amor” é Fernando) que não deve ser preterida: um reencontro com uma atriz tempos depois em outra produção teledramatúrgica, mas em contexto completamente diverso. Na verdade, o que se deu é que Carmo, muito jovem mesmo, estreou na boa minissérie “Engraçadinha… Seus Amores e Seus Pecados”, baseada na obra de Nelson Rodrigues. Ele era Durval, filho de Engraçadinha (Claudia Raia), e irmão de Silene (Mylla Christie). Sentia por ambas incontrolável ciúme. Passam-se anos , e Carmo reencontra Claudia Raia na novela de João Emanuel Carneiro, “A Favorita”, na qual interpreta o audaz jornalista Zé Bob, que forma par romântico com Donatela, papel de Claudia. Boas coincidências do mundo da televisão. Carmo esteve, como sabem, no folhetim de Duca Rachid e Thelma Guedes, “Cordel Encantado”, como o Rei Augusto. Que rei foi ele? Um monarca de reino fictício chamado Seráfia do Norte, região em conflito com Seráfia do Sul, terra comandada pelo Rei Teobaldo (Thiago Lacerda). A fim de que se selasse a paz entre as partes, a princesa do Norte é prometida ao príncipe do Sul quando ainda eram bebês. Entretanto, ocorre viagem ao Brasil com o intuito de se descobrir tesouro escondido. O Rei Augusto perde a sua mulher, a Rainha Cristina (Alinne Moraes), que estava acompanhada da filha Aurora. Tudo armadilha da Duquesa Úrsula (Débora Bloch). Pensa-se que Aurora também tivera fim triste. O que não corresponde aos fatos. E dá-se incansável busca por Aurora. Esta foi por base a trama em que Carmo Dalla Vecchia esteve inserido. Já com relação à sua história profissional, possui experiência considerável na televisão. Após alguns trabalhos em diferentes emissoras, como Rede Bandeirantes, Rede Record e SBT, e na Rede Globo, ganha destaque em “A Casa das Sete Mulheres” (Batista). Outras participações, até surgir chance que mudaria o rumo da trajetória artística. É escalado para viver Luciano Botelho/Martim em “Cobras & Lagartos”, de João Emanuel Carneiro, com quem voltaria a colaborar em “A Cura”, seriado no qual o ator despiu-se de toda e qualquer vaidade. Fizera “JK”, “A Favorita”, e “Cama de Gato” antes. No teatro, esteve em “Eduardo ll”, de Christopher Marlowe, “A Paixão de Cristo”, dentre tantas mais. Atualmente está em cartaz com o espetáculo de Neil Simon, “Estranho Casal”, ao lado de Edson Fieschi. Este texto (“The Odd Couple”) fora levado às telas, e rendeu uma das melhores comédias a que já assisti. Jack Lemmon e Walter Matthau estão no elenco. No cinema, “Cronicamente Inviável” pode ser citado. Este afinal é o “reino” de Carmo Dalla Vecchia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s