“Há Algo de ‘Felliniano’ na Muricy de Eliane Giardini.”

Publicado: 25/08/2012 em Cinema, Teatro, TV

image
Foto: Divulgação/TV Globo

Certa vez, fui assistir a uma peça de um dos mais celebrados dramaturgos contemporâneos, o americano David Mamet. Chamava-se “Perversidade Sexual em Chicago”, e no elenco estavam José Mayer, Eliane Giardini, Paulo Betti e Vera Fajardo. Logo pensei como uma atriz como Eliane poderia ser desconhecida do grande público ao ostentar tamanho talento. Tempos depois, o diretor Luiz Fernando Carvalho, conhecido por apostar em novos rostos na TV, escalou a intérprete para viver a Dona Patroa, na segunda fase de “Renascer”, de Benedito Ruy Barbosa, em 1993, na Rede Globo. Porém, antes disso, Eliane já havia feito trabalhos na televisão. Eliane Giardini prosseguiu sua carreira, tornando-se assim uma das artistas mais respeitadas e requisitadas da atualidade. No momento, podemos nos deleitar com a sua presença cênica em “Avenida Brasil”, de João Emanuel Carneiro, como Muricy, a matriarca do núcleo central do folhetim. Trata-se de uma família abastada devido aos feitos como jogador de futebol de Tufão (Murilo Benício), seu filho. Eliane, como disse no título deste texto, lembra-me uma personagem “felliniana”. Bonita e voluptuosa como algumas atrizes escolhidas por Federico Fellini para protagonizarem seus filmes. Madura e sensual (basta olhar os vestidos justos e decotados que usa), longos cabelos provocativos, olhos verdes faiscantes, e um sorriso que nos cativa. Como as personagens de Fellini, fala alto ou baixo dependendo das circunstâncias. É engraçada ou séria de acordo com a ocasião, também. Nos capítulos passados, Muricy se viu em desconcertante situação e suas consequências envolvendo um espinheiro. Forma um ótimo par com Adauto (Juliano Cazarré), mas diverte da mesma forma quando está com Leleco (Marcos Caruso). É uma mãe agregadora, cuja intuição funcionou com Nina (Débora Falabella), ao achar que a moça tinha intenções diversas, contudo nunca funcionou com a nora Carminha (Adriana Esteves). Quanto à trajetória desta intérprete que nasceu em Sorocaba, SP, formou-se na Escola de Teatro da USP. Depois de algumas participações em “Ninho da Serpente” e “O Campeão”, na Rede Bandeirantes, além de outras produções, estreia na Rede Globo na minissérie de Gloria Perez, “Desejo”, como Lucinda. Seguiram-se as novelas “Felicidade”, de Manoel Carlos, e a já citada “Renascer”. Esteve em muitas histórias no formato de minissérie, como “Engraçadinha… Seus Amores e Seus Pecados”, de Leopoldo Serran baseado em folhetim de Nelson Rodrigues; “Hilda Furacão”, de Gloria Perez inspirada em romance de Roberto Drummond; “Os Maias”, de Maria Adelaide Amaral, baseada em livro de Eça de Queiroz; “Um Só Coração”, de Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira, em que interpretou Tarsila do Amaral; “A Casa das Sete Mulheres”, de Maria Adelaide Amaral e Walther Negrão baseados na obra de Letícia Wierzchowski, e “JK”, de Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira, em que personificou Tarsila do Amaral novamente (veio a montar um espetáculo sobre a pintora modernista), e “Capitu”, com roteiro de Euclydes Marinho e texto final de Luiz Fernando Carvalho inspirado no romance de Machado de Assis, “Dom Casmurro”. Esteve em um sem número de novelas, como “Explode Coração”, de Gloria Perez, “A Indomada”, de Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares, “Torre de Babel”, de Silvio de Abreu, “Andando nas Nuvens”, de Euclydes Marinho, “O Clone”, de Gloria Perez (ganhou o Prêmio de Melhor Atriz da Associação Paulista dos Críticos de Arte, pela Nazira), “América”, de Gloria Perez (fez enorme sucesso ao ter como par romântico o ator Murilo Rosa), “Cobras & Lagartos”, de João Emanuel Carneiro, “Eterna Magia”, de Elizabeth Jhin, “Caminho das Índias”, de Gloria Perez, “Tempos Modernos”, de Bosco Brasil, além de várias outras produções de diferentes gêneros. No cinema, podemos destacar “O Amor Está no Ar”, de Amylton de Almeida, com o qual recebeu o prêmio de melhor atriz no Festival de Gramado, “Uma Vida em Segredo”, de Suzana Amaral, “Olga”, de Jayme Monjardim, dentre outros. No teatro, citemos “O Processo”, de Kafka, “A Vida é Sonho”, de Calderón de la Barca, “O Amigo da Onça”, de Chico Caruso, “Aurora da Minha Vida”, de Naum Alves de Souza, “Com a Pulga Atrás da Orelha”, de George Feydeau, “A Fera na Selva”, de Henry James, “Querida Mamãe”, de Maria Adelaide Amaral, “A Dama do Cerrado”, de Mauro Rasi e “Memória da Água”, de Felipe Hirsch. Recebeu os prêmios Qualidade Brasil por “A Casa das Sete Mulheres” e “América”, incluindo outras láureas. Voltando a Muricy, esperemos que se recupere logo do que os espinhos lhe causaram. Isso que dá trair Dadauto com história de procissão só para mulheres. Dadauto é esperto. Logo, logo descobrirá que no meio dos espinhos pode haver um Leleco.

comentários
  1. Desirée Aguiar disse:

    Genial o seu texto! Descreveu a personagem assim como a atriz de maneira fiel e poética. De fato Eliane Giardini é extremamemte talentosa (sempre rouba a cena em todas as novelas das quais participa)e na minha opinião, a mais bonita e sensual de sua faixa etária, assim como da novela. Se eu fosse homem acredito que preferiria Muricy à Suelen, Tessália e companhia. Estou ansiosa para ver a atriz como a Jocasta em Édipo Rei no teatro. O papel com toda certeza cairá feito uma luva para ela. Obrigada por brindar a nós leitores com seu brilhante texto.

    Curtir

    • pauloruch disse:

      Olá, Desirée. Você não imagina o quanto me deixa feliz ao saber que gostara do texto. Além disso, achei muito bom o seu comentário, a maneira como se expressa. Sim, Eliane Giardini esbanja beleza e talento. E com certeza, brilhará na sua próxima peça. Obrigado pelo que escrevera. Um grande abraço!

      Curtir

      • Desirée Aguiar disse:

        Eu é que agradeço pelo elogio referente ao meu comentário! Vindo de alguém que sabe se expressar de forma tão clara e coerente como você, fico lisonjeada.Tomara que Eliane , que é uma apreciadora de Fellini, como todo bom artista que se preze, leia o que você escreveu sobre ela. Como autêntica libriana que é, garanto que gostará muito da grata descrição que fez dela.
        Abraços!

        Curtir

  2. Victória disse:

    Sou fã declarada da Eliane e de todas as entrevistas, textos e afins que li sobre ela, esse texto foi o mais bonito e tocante de todos! Meus sinceros parabéns e muito obrigada, porque lendo essas coisa é que realmente sentimos orgulho de ser fã!

    Curtir

    • pauloruch disse:

      Olá, Victoria. Estou contente com os elogios que fizera ao texto. Também sou um grande admirador da Eliane Giardini, e para mim foi um prazer escrever sobre ela. Muito obrigado. Abraços!

      Curtir

  3. Muito bom o seu texto! A sua descrição foi verdadeira e única, amei!
    É uma pena saber que teve tantos anos sem ser reconhecido o seu talento, mas felizmente foi reconhecido e dado grande valor! Eliane merece grandes aplausos pela pessoa, a mãe,a filha, a atriz que ela é!

    Como leitora, lhe dou os meus parabéns pelo seu texto!

    Curtir

    • pauloruch disse:

      Olá, Elisabete. Uma atriz tão talentosa e bonita como a Eliane Giardini merece todas as loas possíveis, e ser admirada sempre pelo público. Fico alegre que tenha gostado do texto. Muito obrigado. Abraços!

      Curtir

  4. Maravilhoso texto! Essa frase “Madura e sensual, longos cabelos provocativos, olhos verdes faiscantes, e um sorriso que nos cativa.” descreve Eliane perfeitamente!! Ela é realmente maravilhosa, não é à toa que me faz feliz há alguns anos com seus trabalhos e sua conduta. Obrigada por esse post lindo!!

    Curtir

    • pauloruch disse:

      Olá, Rejanilys. Sinto-me recompensado com a sua opinião sobre o fato de ter descrito a Eliane Giardini, segundo a sua palavra, “perfeitamente”. Eu que agradeço pelo comentário carinhoso. Abraços!

      Curtir

  5. Isa Werneck disse:

    Caramba! Como fã da Eliane só digo que AMEI seu post, e olha que avaliação de fã é crítica! tu escreve muito bem! Parabéns!!!
    Se tiver algum interesse, acessa o meu também, espero que goste: http://principiodossonhos.wordpress.com

    Curtir

    • pauloruch disse:

      Oi, Isa. Que bom que gostou do texto. Sim, é verdadeiro o que disse, agradar a uma fã com algo que se escreveu sobre o seu ídolo é muita responsabilidade. Obrigado pelas palavras generosas. Vou ver o seu blog. Tenho certeza que irei apreciá-lo bastante. Abraços!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s