“Uma Loira em Apuros.”

Publicado: 19/01/2013 em Cinema, Teatro, TV

antonia-tapa
Foto: Divulgação/TV Globo

Antonia, a personagem de Letícia Spiller em “Salve Jorge”, de Gloria Perez, levava uma vida em família normal, convivia até certo ponto bem com o agora ex-marido Celso (Caco Ciocler), contava com o apoio dos sogros Arturo (Stênio Garcia) e Isaurinha (Nívea Maria), e como fruto de seu casamento, Raissa (Kiria Malheiros). A falência financeira do clã, entretanto, o desemprego de Celso e o tédio de não possuir uma ocupação profissional deixavam-na incomodada. Foi o momento apropriado para entrarem em cena Lívia (Claudia Raia) e Wanda (Totia Meireles), propondo-lhe um trabalho supostamente irrecusável. Mal sabia Antonia que era para ser “laranja” de um grande esquema criminoso. O machismo e a perspicácia de seu marido se misturaram , deixando o rapaz cada vez mais ensimesmado com a nova função da mulher. As cobranças a ela começaram. O fato da “empresária” ter assinado um documento para o aluguel de um escritório na Turquia que mal chegou a ver foi a gota d’água para o filho de Arturo se certificar de que a esposa possa ter entrado em uma “furada”. Talvez um dia, Antonia deva até lhe pedir desculpas por não ter lhe dado ouvidos. A situação esquentou. Os encontros casuais de Celso com Wanda são sempre estremecidos, com insinuações constantes do primeiro. E as brigas dele com a mãe de sua filha cada vez mais frequentes e violentas. O casamento estava perto do fim inevitável. E o acirramento da discórdia configurou-se com a aproximação de Carlos (Dalton Vigh), insatisfeito também com o seu matrimônio com Amanda (Lisandra Souto), que confessa à bela loira (Letícia Spiller está a cada novela mais bonita) uma paixão antiga desde os tempos em que ela era modelo. Antonia, carente, frágil, triste, deixa-se afeiçoar pelo falso enteado de Leonor (Nicette Bruno). Brigas físicas e discussões seguidas levam ao andamento de um processo de separação litigiosa, com a luta pela guarda da criança. A mãe perde o direito de cuidar da menina. Morando de favor no apart do ainda casado Carlos, a vida de Antonia está virada pelo avesso. E ainda nem sabe do erro cometido ao aceitar a proposta de Lívia e Wanda. No tocante à sua carreira, Letícia fez primeiramente teatro amador. Passou pela escola de Maria Clara Machado, “O Tablado”. Integrou grupo liderado por Roberto Bomtempo e Roney Vilella. Foi uma das paquitas da apresentadora Xuxa. Antes de ser a Babalu de “Quatro por Quatro”, de Carlos Lombardi, estudou com a companhia teatral O Porão. Babalu tornou-se a personagem que surpreendeu a todos, proporcionado-lhe enorme popularidade junto ao público, e elogios da crítica. Mas a estreia em novelas ocorreu em “Despedida de Solteiro”, na mesma Rede Globo. Em “O Rei do Gado”, de Benedito Ruy Barbosa, a atriz teve o privilégio de poder experimentar o apuro estético com que o diretor Luiz Fernando Carvalho dirige as suas produções. Esteve em “Zazá”. E seu papel seguinte, a Maria Regina de “Suave Veneno”, sofreu algumas restrições quanto à sua composição. Porém, Letícia, com o seu talento, soube reverter a situação, encontrando o tom correto da personagem. Protagonizou “Esplendor”. Volta a ser protagonista no mesmo horário das 18h em “Sabor da Paixão”. Após “Kubanacan”, forma par com Eduardo Moscovis em “Senhora do Destino”, de Aguinaldo Silva, voltando a trabalhar com o autor em “Duas Caras”. Antes de “Salve Jorge”, atuou em “Viver a Vida”, de Manoel Carlos e em “Malhação”. Em minissérie, esteve no elenco de “Amazônia – De Galvez a Chico Mendes”. No cinema, como a paquita Pituxa, participou de “Sonho de Verão”, “Lua de Cristal” e “Gaúcho Negro”. Esteve presente em “Oriundi”, ao lado de Anthony Quinn, “Villa-Lobos – Uma Vida de Paixão”, “A Paixão de Jacobina”, “Flordelis – Basta uma Palavra para Mudar”, dentre outros longas e curtas. No teatro, podemos destacar peças importantes, como “Isadora Duncan”, de Aguinaldo Silva; “O Falcão e o Imperador”, de Nikos Kazantzákis; e “Peer Gynt”, de Ibsen. E, por conclusão, voltando a falar sobre Antonia, resta saber até que ponto os apuros que a afligem perdurarão. Se Carlos for somente um arroubo de momento. Se a crise com Celso poderá ser contornada, e a união dos dois se restabelecer. Se a enrascada em que foi ingenuamente posta for esclarecida ao seu favor. Se irá conseguir voltar a morar com a filha. Só deste modo, o título deste texto poderia ser diferente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s