“A Alejandra de Maria Maya nunca foi santa.”

Publicado: 05/09/2013 em Cinema, Teatro, TV

alejandra-maria-maya-amor-a-vida-1372286962973_751x500
Foto: Divulgação/TV Globo

Sempre que o nome Maria Maya surge em ocasional conversa, inevitavelmente associamos a atriz carioca de belos sorriso e cabelos às suas personagens românticas na televisão, por vezes até rebelde, ou outra com determinado desvio de conduta, porém nada se compara ao papel que lhe foi presenteado por Walcyr Carrasco para a trama das 21h da Rede Globo, “Amor à Vida”. A boliviana Alejandra ocupa lugar de destaque na vasta galeria de tipos condenáveis do folhetim que não têm amor à vida. De algum modo, estou sendo até injusto com a irmã de Valentin (Marcelo Schmidt), pois à sua maneira sente um “amor estranho amor” pelo aventureiro Ninho (Juliano Cazarré), e muito, mas muito amor pelo dinheiro fácil. A moça dotada de melenas da cor da graúna e que se acoberta com ponchos multicoloridos mostrou-nos no introito da história que pareceria apenas ser uma jovem apegada aos costumes milenares peruanos, e que detinha um misticismo, uma aptidão sensitiva ou mediúnica que a fez levar Paloma (Paolla Oliveira) a um xamã, que previu uma “sombra” no caminho da ainda não pediatra ao gerar criança, mas que venceria os obstáculos que lhe sobreviriam. O que desconhecíamos era que Alejandra seria um desses obstáculos antevistos. Seu perfil assim começou a ser claramente definido ao tomarmos ciência de seu envolvimento com o tráfico internacional de substâncias ilícitas. E este mesmo “negócio” levou o seu amado até então com “dreads” a ver o Sol da Bolívia sob diferente prisma. Houve um interregno estratégico nas aparições de Maria no enredo, uma intérprete que venceu o “peso” de pertencer à família de competentíssimos profissionais. O curioso, entretanto, é que nunca se cobrou dela de forma pública acerca do fato, haja vista que Maya sempre respondeu a possíveis elucubrações com o seu talento e acertadas escolhas de trabalho, chegando inclusive a se afastar do veículo televisivo, uma mídia que ultrapassa os limites racionais da exposição. Há pouco tempo, na novela de Walcyr, Alejandra assustou o Brasil com os altos graus de frieza e crueldade ao mancomunar-se com “o destruidor de skates que odeia ratinhas” Félix (Mateus Solano), com o espúrio intuito de sequestrar Paulinha (Klara Castanho), a menina com dois pais e uma mãe. Sem contar as infindáveis situações que tentou aliciar o rapaz de barba espessa que “promete as estrelas” a quem ama a transgredir a lei, a fim de que “se desse bem”. Alejandra Reys Moreno “rasgou” o Estatuto da Criança e do Adolescente e jogou o Código Penal no primeiro “bueiro” que avistou ao cometer sequência de delitos capazes de fazer qualquer criminalista experiente franzir a testa: sequestro, cárcere privado, maus tratos, formação de quadrilha, tortura, falsidade ideológica, homicídio doloso, tentativa de homicídio e denunciação caluniosa. Ela foi o “bicho papão” de Paloma, de Bruno (Malvino Salvador), da família de ambos, de Paulinha, de Ciça (Neusa Maria Faro) e de nós, o público. “O bicho papão do horário nobre”. Após o malogrado sequestro, engendrou vingança sórdida (há vingança que não o seja?) ao “plantar” drogas na bolsa andina da filha de César (Antonio Fagundes). Hoje a doutora é “paciente” das barbaridades cometidas numa cela de prisão brasileira. E uma “clínica” psiquiátrica com métodos “tradicionais” (uma vergonha a ser banida do país) a aguarda. Tudo planejado (exceto a internação) entre uma baforada e outra de cigarro. Maria Maya certificou-nos uma vez mais sobre suas inquestionáveis potencialidades dramáticas já mostradas em outros folhetins, peças e filmes. A estreia na TV ocorreu em obra de Antonio Calmon, “Cara e Coroa”, contudo passou a ser reconhecida nacionalmente quando personificou a sonhadora e ingênua Kelly Bola de “Salsa e Merengue”, escrita por Miguel Falabella e Maria Carmem Barbosa. Depois de incursões em minisséries como “Hilda Furacão” e “A Muralha” e o seriado “Brava Gente”, retorna às telenovelas numa produção de época das 18h, “Chocolate com Pimenta”. Exibiu sensualidade e molejo como a sambista Regininha de “Senhora do Destino”. Sua voz serviu de instrumento para os inspirados diálogos de João Emanuel Carneiro em “Cobras & Lagartos”. E com Gloria Perez, foi hábil a ponto de nos comover, como Inês, com a sua rebeldia associada à solidariedade e equilíbrio com relação ao irmão esquizofrênico Tarso (Bruno Gagliasso), quando os seus pais não sabiam lidar com a questão, em “Caminho das Índias”. “Esbarrou” novamente com Falabella em “Aquele Beijo”. Em meio a tudo isso, em nenhum momento, desligou-se do teatro, sempre buscando textos que escapassem do lugar comum e tangenciassem o polêmico, o tabu: “Play”, baseado no “cult” de Steven Soderbergh “Sexo, Mentiras e Videotape”; “A Loba de Ray-Ban”; “Não Existem Níveis Seguros Para Consumo Destas Substâncias”, de Daniela Pereira de Carvalho; e por último, “Obituário Ideal”, tendo sido dirigida por Ivan Sugahara em dois deles (“Play” e “Obituário Ideal”). O cinema não ficou de fora, ao ser vista na “sequel” de “Se Eu Fosse Você” e no longa adaptado do sucesso dos palcos de Bosco Brasil “Tempos de Paz”. Com a atual Alejandra, Maria Maya assinou termo de compromisso de qualidade artística com os telespectadores. Com a sua touca e seu inseparável poncho o fato é que provável os incas, Cusco, Machu Picchu, Bolívia, São Paulo e o Rio de Janeiro nunca esperavam a “visita” de uma “santa” como Alejandra. Tampouco nós.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s