“No meio do caminho da Leila de Fernanda Machado tinha uma ruiva. Tinha uma ruiva no meio do caminho de Leila.”

Publicado: 08/01/2014 em Cinema, Teatro, TV

fernanda-machado-leila-de-amor-a-vida-1373494611060_956x500
Foto: Divulgação/TV Globo

“Amor à Vida”, de Walcyr Carrasco, novela das 21h da Rede Globo, apresenta-nos desde o início de sua trama uma extensa galeria de personagens ambíguos e ambivalentes, retos, éticos e morais e vilões convictos, alguns destes em busca da redenção de si mesmos. Um painel racional, embora provindo de ficção, do retrato do ser humano e suas diferenciações. Leila, o papel defendido com irrepreensíveis dignidade e talento, e doses equânimes de iniquidade e humor negro e politicamente incorreto pela paranaense de Maringá Fernanda Machado, é um tipo frequentador da história que merece cuidadosa abordagem. Algumas perguntas se fazem a seu respeito: por que ela é assim?; por que age de forma tão vil?; por que é fria e insensível ao extremo?; por que rejeita a família?; e por que sente tamanhos ódio e desprezo pela irmã com necessidades especiais? No entanto, a bonita morena de lisos cabelos sobre a qual continuaremos a falar interpretada por Fernanda, que estreou na televisão no folhetim das 19h da mesma emissora, “Começar de Novo”, de Antonio Calmon e Elizabeth Jhin, é capaz sim de nutrir certo tipo de sentimento pelo vulnerável, frágil, dúbio e manipulável escritor Thales (Ricardo Tozzi), que vive mergulhado em crises com sua própria consciência. Se é apenas atração física, paixão, obsessão ou até amor, nunca saberemos. O casal, que troca abruptos e resfolegantes afagos e beijos no “moquifo” do escriba defronte ao Minhocão de São Paulo, no qual há em seu interior pôsteres de “Citizen Kane” e “Le Quatre Cents Coups”, dedicou o seu tempo ocioso na maquinação de planos que fariam Machiavel “reescrever” “O Príncipe” a fim de obter vantagens financeiras sem demandar esforço mútuo. Se no mundo capitalista, na montagem de um negócio, uns entram com o capital e outros com o trabalho, em “Amor à Vida” Leila “entrou” com as ideias e Thales, o escritor de um livro só, “entrou” com a sedução. A primeira vítima foi a ruiva Nicole (Marina Ruy Barbosa), pobre menina rica que “vendia” ingenuidade e romantismo, e que parecia ter saído de um filme de James Ivory, moradora de mansão “perdida” no século XIX. Educada e doce, Nicole possuía imensurável fortuna. Uma “presa” fácil para os golpistas. Infelizmente, a jovem sofria de uma enfermidade que não lhe deixaria viver muito tempo. Cuidada com zelo pela governanta Dirce (Angela Rebello), circunspecta e formal funcionária, chamada pela filha de Neide (Sandra Corveloni) de “urubu sem asa”, a moça se deixou levar pelo charme do “intelectual”, aceitando com ele se casar (o objetivo, óbvio, do rapaz, era herdar o dinheiro deixado). Thales se dizia estar apaixonado pela futura esposa, mas “dividia o lençol” com a amante e cúmplice. Que amor é esse? Que escritor é esse tão calculista e desprovido de sensibilidade? Tudo denotava estar dando certo para o “literato” que degustava chá de hortelã no calor da metrópole e para a sua parceira, até que no dia do casório, Nicole descobre a dura verdade na frente do padre. Ela morre “vestida de noiva” “rodriguianamente”. Com a morte daquela que seria sua cônjuge, Thales, que não sabemos de onde vem, se tem pai, mãe, irmãos ou é filho de César (Antonio Fagundes), vivencia seus dias de Haley Joey Osment, e passa a querer dizer: “Eu vejo gente morta”. O malogrado vestido de noiva foi propositalmente colocado no corrimão da escada, e a Leila de Fernanda Machado, que personificou a ludibriada Joana de “Paraíso Tropical”, de Gilberto Braga e Ricardo Linhares (ganhou o prêmio “Melhores do Ano Atriz Coadjuvante 2007”), assustada, sofre grave queda, que a leva a longo período de recuperação, o que a deixou mais revoltada e ferina em suas ofensas. Os dinheiros disponíveis foram gastos em caros tratamentos, e o par começou a ter dificuldades para se sustentar, pois o inventário não estava concluído. Enquanto isso, Leila maltrata sua irmã autista (um termo que estigmatiza essas pessoas que requerem tanto amor) Linda (Bruna Linzmeyer), como chamar a sua atenção quanto à urina que fez na cama e destruir a sua árvore de Natal feita com carinho pelo adorável advogado Rafael (Rainer Cadete), que em breve será objeto das armações da irmã de Daniel (Rodrigo Andrade). Ele será denunciado tanto por Neide quanto por sua filha por “sedução de incapaz”. Não me espanta que Linda seja tratada desta maneira, visto que seja fato comum em não poucos grupos familiares. Durante a estagnação do processo de inventário (no Brasil a Justiça é célere?), surge a ruiva (!) Natasha (Sophia Abrahão), herdeira de parte do legado do pai de Nicole, fruto do relacionamento deste com Dirce. Dirce também tem as suas fraquezas. Natasha contesta sua cota na partilha dos bens, para desagrado da dupla, que volta a admirar da janela do “moquifo” o “silencioso” e “despoluído” Minhocão. Nem Cidadão Kane e “Os Incompreendidos” salvam a penúria deles. Um novo ardil é pensado, e Thales, o escrevinhador que estima blusas xadrezes, seduz a nova ruiva, objetivando o seu patrimônio. A ambiguidade que o acompanha é evidenciada mais uma vez. Natasha se apaixona, todavia a mãe está alerta. A saída encontrada pela ardilosa personagem de Fernanda, que já deu vida a duas vilãs em produções de Walcyr Carrasco que no seu término acabaram se redimindo (“Alma Gêmea” e “Caras & Bocas”), será dar cabo da namorada de Rogério (Daniel Rocha). A mansão “do século XIX” será incendiada. Natasha se salvará, e Leila não escapará das chamas. Fernanda coleciona na TV participações especiais em seriados, minissérie (“Queridos Amigos”, de Maria Adelaide Amaral) e outra novela de Gilberto Braga e Ricardo Linhares, “Insensato Coração”, na qual fora a ambiciosa Luciana, que morrera num sinistro. Atuou como apresentadora do “Superbonita”, do GNT. Nos cinemas, foi focada pelas lentes de Paulo Sérgio de Almeida (“Inesquecível”), José Padilha (“Tropa de Elite”), Marco Antônio Ferraz e Anderson Corrêa (“Flordelis – Basta uma Palavra para Mudar”), Tadeu Jungle (“Amanhã Nunca Mais”) e Michel Thikomiroff (“Confia em Mim”), além de um curta-metragem. Tem para si o privilégio de encenar um dos mais prestigiados dramaturgos modernos norte-americanos, Sam Shepard, em “Mente Mentira”, ao lado de Malvino Salvador. Fernanda Machado fez exponencial diferença na produção das 21h ao assumir papel difícil, condenável, complexo e polêmico em sua natureza. Fernanda é uma bela, jovem e talentosa atriz a quem devemos respeitar. Leila “aprontou”. Fernanda “aprontou” também com sua qualidade de atriz. Para terminar, só um aviso às ruivas: se agora encontrarem Leila na calçada, sejam cautelosas, atravessem a rua.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s