” Em ‘Os Dias Eram Assim…’, Renato Góes, em seu primeiro papel como protagonista de uma obra completa, surpreende o público mais uma vez ao viver o médico Renato Reis, ‘o último e incompreendido herói romântico das Diretas Já!’ “

Publicado: 06/07/2017 em TV

renato-goes-rd
Foto: Raphael Dias/Gshow

Nos corredores frios e brancos do hospital onde trabalha, o ainda residente Renato Reis, primeiro protagonista do ator nascido em Recife Renato Góes, após o estrondoso sucesso que mudou os rumos de sua carreira, ao interpretar o justo e apaixonado Santo dos Anjos em “Velho Chico”, está ansioso com a bola em campo no jogo decisivo da Copa do Mundo no distante ano de 1970. O grito de seu gol pelo escrete de seu país nos remete a um Renato feliz, muito antes das dores de amores por que irá passar. Já nas ruas festivas de um Rio sob chuva de papéis verdes e amarelos caindo de um céu de onde se tudo vê, o rapaz de rosto liso e cabelos ondulados negros se encontra com seu irmão violeiro Gustavo, Gabriel Leone, que cantarola como anjo “Deus lhe Pague” na intimidade de seu quarto rebelde. Gustavo está ao lado de Cátia, Barbara Reis, sua namorada, moça sonhadora que deseja tão somente escrever notícias. O moço alto que com seu jaleco branco salva vidas numa época em que se tiram vidas vê à sua frente Alice, Sophie Charlotte, a bela de franja ruiva saída de um filme francês. Os olhos negros de Renato se unem aos olhos de mel de Alice. Os tempos no Brasil dos homens de farda são de guerra. Liberdade não existe, censura persiste. Coturnos marcham em direção à juventude em júbilo. Agressão de irmão a outro irmão da mesma nação. A bomba estoura, dispara o tiro, o fogo acende. Escondido em galpão abandonado, com azulejo e vidro quebrado, o beijo iniciado. Lábios de Alice e Renato. O amor nascente e recente é celebrado nas ondas do mar e debaixo de gotas de chuva. Troca de anéis improvisados, nem por isso menos apaixonados. Iniciais de nomes marcadas como selo do amor que se supõe eterno. Paralelo ao idílio, o real. Gustavo e Túlio, Caio Blat, inconformistas e inconformados, protestam com tintas em muros do capitalismo. Para Túlio, tintas não bastam face às torturas dos porões. Uma bomba é lançada na sede da construtora de Arnaldo, Antonio Calloni, o pai rico e malvado de Alice. Túlio, o moço que enfrenta o poder, é preso, torturado, não julgado e morto. Gustavo, o outro moço que enfrenta o poder, tem medo. Só lhe resta a fuga. Amaral, o delegado sem lei de Marco Ricca, sai em seu encalço. O Chile, a terra do vinho no sul das Américas, ainda vivendo tempos democráticos de Allende, é o refúgio perfeito. Renato, que em seu hospital confrontou o empresário que usava gravatas borboleta, para salvar as vidas de Monique, Letícia Spiller, a cunhada de seu rival, e seu bebê, passa a ser um de seus alvos, mais um subversivo em sua lista de subversivos. O tirano pai não aceita o romance de sua filha com a subversão. No momento da louca escapada num estacionamento cinzento, sob as súplicas embargadas de Alice, Renato foge para as terras chilenas no lugar de seu irmão, agora sem o violão. Nas plagas do Chile, no exílio involuntário, com mente confusa e perturbada, saudoso de sua amada e família, o médico se sente só. Solidão que se finda pela sedução de uma bela aquecida de poncho, Rimena, Maria Casadevall. Enquanto isso, Gustavo sente o peso da tortura ensandecida do delegado amoral, com sua pele nua e branca ofendida por jatos de água fria. Vera, Cassia Kis, a mãe manipuladora do clã dos Reis, a fim de proteger o corpo frágil de seu rebento preso em cárcere, negocia a suposta morte do filho Renato com os seus algozes, Arnaldo e Amaral. Alice, sem precisar de espelho, vê que será mãe do filho de seu amado morto. A carta de amor de Renato para Alice e o anel de presente envelhecem na gaveta do armário sem culpa. Renato e Rimena unem-se em matrimônio. Valentim é o seu fruto. Alice se casa com o seu antigo namorado, o ambicioso Vitor, Daniel de Oliveira, o herdeiro dos negócios de seu sogro, um homem com paixão doentia pela esposa, que ao ser contrariado seus olhos ficam mais azuis, afoga-se em álcool, sexo pago e o que mais lhe aparecer na frente. Alice, mergulhada em angústia e insegurança bergmanianas, precisava de um pai para o seu filho Lucas, o Lucas de Renato, agora em sua triste memória. Nove anos se passam. 1979, o ano da Anistia. Ao som da voz transcendente de Elis, os exilados políticos põem os seus pés calçados e cansados na porta de entrada da Pátria Mãe Gentil. Dentre eles, Renato, Rimena e Valentim. Na banca de jornais do aeroporto, por obra da ficção, de Deus ou do destino, o pai, Renato, presenteia seu filho, Lucas, com um álbum de futebol. Não foi dessa vez que reencontrou Alice, uma fotógrafa consagrada. O rapaz procura se encontrar com a jovem dos retratos, sem êxito. Todos na casa dos Reis, sem sinal de nobreza, compartilham da mesma omissão. O tempo não para. Nem a mentira. Nem a dor de Renato. Nem a sua incompreensão por Alice nunca ter lhe respondido, e ainda ter se casado. A atmosfera do segredo é opressora. Chegamos ao redentor período do Movimento pelas Diretas Já!, em 1984. Na Cinelândia, no coração do centro do Rio de Janeiro, Renato Reis sorri com aquele mesmo sorriso de 1970, quando o seu Brasil goleou a Itália. Renato Reis sorri, e canta Vandré, para não dizer que ele não falou de flores. Um milhão de pessoas que clamam pelo seu direito de votar, bradam: “Diretas Já! Diretas Já!”. No meio deste um milhão, Alice e sua máquina fotográfica. Registra rostos na multidão. Até que o seu olhar atento mira o que jamais podia imaginar. Mira o seu amor, cheio de vida. A moça que guardou a foto de seu enamorado desde o primeiro encontro, desfalece. O médico sem fronteiras para amar busca a verdade. Descobre ter sido enganado por todos que o cercam, justamente aqueles que ama. Rimena também se calou. Tanto o seu casamento quanto o de Alice e Vitor, um dos responsáveis pela espúria armação, caminha para uma ruína sem volta. Sob fortes ameaças de lado a lado, Renato, agora com o grisalho dos anos em pequenas mechas de seu cabelo, enfrenta o colérico oponente Vitor, cada vez mais perdido em seu destrutivo ciúme. A foto de Lucas emoldurada em seu escritório lhe chama a atenção. Lucas, nascido em 1971, pode ser o legado de seu amor interrompido. Depois de um encontro dentro de seu carro, e depois de um beijo após quatorze longos anos de espera, o irmão de Gustavo e Maria, Carla Salle, decide procurar sua Alice em seu estúdio fotográfico. No meio de rebatedores e fotos espalhadas num caos estético, Renato lhe diz: “Alice, eu fecho os olhos e só vejo você. O que eu faço com isso?”. O casal, após algumas palavras ditas e outras talvez não ditas, está à flor da pele. Num jogo mágico de luzes, sombras e música de Caetano, num jogo mágico de corpos que se redescobrem num sublime prazer e êxtase, colados em suores de mãos, braços e pernas inquietos, com suas bocas entreabertas e lábios sem destino, Renato e Alice enfim resgatam o gozo usurpado. Renato Góes, com esse personagem em “Os Dias Eram Assim…”, supersérie da Rede Globo escrita por Angela Chaves e Alessandra Poggi, estabelece-se de vez como um dos melhores atores de sua geração. A despeito do intérprete possuir inúmeros trabalhos significativos na TV, no teatro e no cinema, pode-se dizer com certeza que se trata de uma das maiores revelações dos últimos anos para o grande público, que se iniciou com o seu impressionante desempenho como o Santo do folhetim de Benedito Ruy Barbosa, Edmara Barbosa e Bruno Barbosa Luperi. Após essa marcante atuação, as expectativas em cima do próximo papel que o artista representaria aumentaram, naturalmente. E com isso, a pressão de vários segmentos, como crítica, imprensa, e os próprios telespectadores. A emissora na qual trabalha apostou alto em escalá-lo para um complexo personagem protagonista de uma produção teledramatúrgica com fundo histórico polêmico, e acertou plenamente. Renato é um ator dotado de um carisma especialíssimo que demandaria uma análise mais apurada. A soma de talento, beleza, juventude e carisma sempre, ou quase sempre, é vitoriosa, mas Renato Góes tem algo a mais. Sua interpretação calcada em uma naturalidade inacreditável nos reporta aos ensinamentos da famosa escola de Nova York “Actors Studio”, que se baseia nos estudos do teatrólogo russo Constantin Stanislavski e seu “Sistema”. A escola novaiorquina, por conseguinte, desenvolveu, capitaneada por, entre outros, Elia Kazan e Lee Strasberg, a sua própria maneira de lidar com o material emotivo e psicológico dos atores, que passou a se chamar de “O Método”. Quero dizer com isso que Renato não se prende a esquematismos de composição de personagem. É um artista que mergulha fundo na alma de seus papéis, extraindo de si mesmo emoções múltiplas, o que resulta em uma atuação que atinge camadas díspares de plateia. Seu olhar não nos parece estudado ou calculado, apenas seguindo as suas intuições mais íntimas. Sua voz suave e agradável, que guarda para a nossa alegria as suas origens nordestinas, pode a qualquer momento, se assim lhe for exigido, explodir num brado de alta potência dramática. Seu sorriso de menino em corpo de homem também pode ser caracterizado como um de seus fortes atrativos. Todas essas qualidades já lhe garantiram oportunidades em filmes como “Pequeno Dicionário Amoroso 2”, “Por Trás do Céu” (ganhou o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante no Cine-PE em 2016, como Micuim) e “Anjos da Lapa”, em que personifica o cantor e compositor Marcelo D2, e nos palcos, como nos espetáculos “Cachorro Quente” (onde explorou seus dotes para a comédia) e “Fazendo História”. Os admiradores do ator, que adora tirar lindas fotos em suas andanças, já têm o que comemorar. Renato está escalado para viver um príncipe em uma trama das 19h escrita por Daniel Adjafre, “E Deus Salve o Rei”. Renato Góes é assim. Simples e sensível. Generoso com seus personagens. Generoso com sua própria história e a dos autores. Um ator que respeita o seu tempo e a sua raiz. Um artista que contracena com a mesma intensidade não se importando se o ator é um veterano consagrado, um jovem iniciante ou mesmo uma criança. Renato Góes é um ator adulto com sorriso, alma e emoção de criança. Renato Góes é verdadeiro. Por isso faz sucesso. Seus dias têm sido assim… Deus salve o Renato.

comentários
  1. Riley Lay disse:

    Renato Góes, com esse personagem em “Os Dias Eram Assim…”, estabelece-se de vez como um dos melhores atores de sua geração.Renato é um ator dotado de um carisma especialíssimo,. A soma de talento, beleza, juventude e carisma. Sua interpretação calcada em uma naturalidade inacreditável É um artista que mergulha fundo na alma de seus papéis. Seu olhar,Sua voz suave e agradável, Seu sorriso de menino em corpo de homem Renato Góes é assim. Simples e sensível. Generoso com seus personagens. Renato Góes é um ator adulto com sorriso, alma e emoção de criança. Renato Góes é verdadeiro. Por isso faz sucesso.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s