Blog do Paulo Ruch

Cinema, Moda, Teatro, TV e… algo mais.

Foto: Divulgação/TV Globo12275682 Moderna. Atual. Contemporânea. Descolada. Desencanada. Independente nas finanças e no amor. Elegante. Sensual e sedutora. Qualquer homem cai aos seus pés. E a hora de dar um “basta” cabe a ela. Inovadora comportamental. Ao chegar, em grande estilo, do exterior ao Brasil na novela “Salve Jorge”, de Gloria Perez, causou rebuliço ao promover o “descasamento” (uma cerimônia alegre que celebrava os anos felizes que passou ao lado de seu companheiro, vivido por Diego Cristo, apesar da separação). Bianca “causou”. Representava o sonho de consumo da maioria das mulheres defensoras do feminismo. É uma mulher do mundo. E Bianca é o tipo de mulher que o mundo recebe bem. Entretanto, não foi o caso ao fincar seus pés no país turco. Em viagem com seu novo “affair” Stenio (Alexandre Nero) deixou-se encantar pelo charme do guia turístico Zyah (Domingos Montagner). Este utilizava-se justamente do atributo para conquistar as estrangeiras e guiá-las para a… sua caverna. Stenio ficou a ver navios no Bósforo. E um ardente romance desenrola-se entre o casal. Suas cenas são tórridas. Zyah esquece-se até das turistas. Porém, quem nunca o esqueceu, amando-o sempre, fora Ayla (Tânia Khallil). Bianca começa a enfrentar o duro conflito cultural, e na região de costumes tradicionais da Capadócia sofre preconceitos por sua postura. E os embates obtêm contornos visíveis entre os dois. Ele a quer ao seu molde. Deseja que trate seu filho como se por ela fosse gerado. Bianca resiste a isto. Afinal, Bianca é amiga da liberdade. Compromissos definitivos passam ao largo de sua vida. Entretanto, cede. E vai morar com o guia. A caverna ficou para trás. Depois de alguns beliscões e ser chamada de “chilique, a amiga de Maitê (Cissa Guimarães) ao conviver com seu amado vê-se vítima de uma implacável perseguição de sua família. Não suportou. Tampouco Ayla com a solidão. Para aplacá-la, decide casar-se com um rico vendedor de joias. O ciúme bate à porta de Zyah. A relação de Bianca e do homem que aprecia cavernas torna-se inviável. Idas e vindas, e a bela moça decide de vez voltar para suas origens, retomando o que deixara. Passa a ser o que sempre fora. Decepcionado, Zyah impede o casamento de Ayla. E juntos ficam para o contentamento dos aldeões. O que talvez Bianca não imaginava junto com o público é que se percebeu “fisgada” para valer pelo moreno que traja coletes rústicos. A mulher desapegada a amores permanentes cai por terra. Bianca é mulher como qualquer outra. Apaixona-se de verdade, e quer quem lhe é objeto de paixão ao seu lado. A crise de identidade veio-lhe perturbar. Não tem mais sossego. Vive um dilema pessoal. Não se reconhece. Nem a amiga Maitê a reconhece. Onde está a mulher do século XXI? Onde estão seus dogmas? O amor é maior do que qualquer dogma. Num encontro por ela premeditado com Zyah defronta-se com a humilhação impingida pelo guia e sua esposa. Fica arrasada. Isso nunca havia lhe ocorrido. Contudo a fez crescer como representante do sexo feminino. Que dogmas que nada! Bianca quer é amar. E foi buscar o que julga ser seu de direito na terra dos tapetes e balões. Tudo pode acontecer se vier a reencontrar quem deseja. Se as paredes das cavernas tivessem ouvidos… E Cleo? Quanto a esta atriz que, apesar da vivência constante com o meio das Artes por seu parentesco, dúvidas comuns a qualquer jovem no tocante à escolha da sua profissão a cercavam. Temia cobranças se optasse por ser intérprete. Natural. Contudo, uma Monique Gardenberg apareceu em seu caminho, e a chamou para ser a protagonista de um filme baseado na obra homônina de Chico Buarque, “Benjamim (ganhara prêmio no Festival do Rio). O seu deleite ao fazê-lo, e a aceitação pronta da crítica eram o que faltavam para a decisão final de abraçar o ofício de servir a emoções várias. Antes, participara da minissérie da Rede Globo “Memorial de Maria Moura”, no mesmo papel defendido por sua mãe Gloria Pires. Provocou celeuma na novela “América”, ao personificar Lurdinha, que gostava mesmo era de homens mais maduros. Já interpretou o mito Cleópatra. Trabalhou com João Emanuel Carneiro em “Cobras & Lagartos”. Apresentou programa sobre a Sétima Arte, e experimentou um folhetim de época, o “remake” de “Ciranda de Pedra”. A vilania lhe surgiu com o nome de Surya em “Caminho das Índias”. Como Estela, visitou os cantões do norte nacional em obra de Walther Negrão, “Araguaia”. Como boa brasileira que é tinha que ser uma brasileira em “As Brasileiras”. Nas salas de cinema, pôde ainda ser vista em “Meu Nome Não é Johnny”, “Lula, o Filho do Brasil” e “Qualquer Gato Vira-Lata”. Terminamos tudo o que foi dito com Bianca. Bianca é moderna. Nunca deixou de ser moderna, atual e contemporânea. Continua a ser do mundo. Afinal, o amor é moderno e é do mundo.

4 comentários sobre ““A Bianca de Cleo Pires achava-se uma mulher do século XXI. Também achávamos. Porém, Bianca é mulher como tantas outras”

  1. Ana disse:

    Adorei.

    Curtir

    1. pauloruch disse:

      Oi, Ana. Não imagina o quanto me deixara contente ao saber que adorou o texto. Obrigado, e abraços!

      Curtir

  2. Tudo isso que foi dito aqui é verdade e tem tudo haver com Bianca. Mais uma coisa é certa que ela merece o amor do Zyah de verdade.

    Curtir

    1. pauloruch disse:

      Obrigado Walmilucia, por seu comentário. Fico feliz que o perfil que tracei acerca da personagem de Cleo Pires tenha lhe agradado. Abraços!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: